Cinema em Foco - Aquaman

Por Ana Silvia Soeiro

16 de dezembro de 2018


O tão aguardado filme sobre um dos heróis “menos acreditados” do universo DC Comics chegou, e ninguém estava mais ansioso para conferir esta produção do que eu. Primeiramente pertenço ao grupo dos que duvidam de tudo, logo, quando disseram que o Aquaman teria um filme solo, logicamente eu duvidei que ficaria bom! Mas logicamente, como fã fervorosa e incurável da única representante digna e original do universo dos quadrinhos, eu mergulhei na busca pelos trabalhos e referências de tudo que dizia respeito à produção e nessa minha busca, descobri de cara que eu iria gostar do filme. E eu adorei!

Primeiro que a escolha do elenco é digna de tudo de mais maravilhoso e incrível que eu já vi! Ao invés de um herói “engessado” no estereótipo de príncipe encantado do fundo dos mares de antigamente, os fãs repetem a dose de Jason Momoa, um havaiano gigante, bronzeado, de cabelos rebeldes, cara de poucos amigos e totalmente ao contrário do que imaginaríamos que daria certo e graças à Poseidon ( e Zack “Snyder) ele é agora e para sempre o Aquaman que nós fãs merecemos.

Patrick Wilson é seu meio-irmão “malvadão”, o príncipe Orm e vou confessar que a “cruzada” dele é digna de torcida, afinal de contas, defender os mares não é trabalho dos atlantes? E Wilson segura seu papel muito bem, ele joga na cara de todos que sua revolta é mais do que digna: os habitantes da superfície vêm há séculos desrespeitando o mar, e daí que ele use de meios escusos para defender seu habitat? Os fins não justificam os meios?

O elenco feminino é como sempre uma "muy" grata continuação do que a DC coloca nas telas, afinal de contas, desde Mulher Maravilha (primeira heroína na tela dos cinemas), nós já estamos acostumadas a ter mulheres “fodonas” representadas (Gal Gadot, Viola Davis), nós fãs da DC somos assim: “fodonas” (desculpa aí). Princesa Mera e Rainha Atlana – Amber Heard e Nicole Kidman – dão aquela “surra” de tudo: força, protagonismo, liderança, inteligência, lindeza e tudo que existe de bom!

Para começar, Atlana deixa para trás seu “reino encantado” que tinha tudo menos felicidade e encontra em um simples pedaço de terra o que um reino não pode lhe oferecer: amor e o fruto dele (nosso Arthur) e quando chega a hora de tomar uma triste decisão, ela mesma a toma, não precisa de ninguém para lhe guiar, é por seu filho que ela sacrifica seu amor. Mera então roubou a cena várias vezes: ela não foi atrás de “um homem” para salvar o dia! Ela procurou Arthur para que ele assuma seu papel e “dane-se” o que ele acha, ela vai sim “arrastá-lo” para salvar seu reino. Ela é responsável diretamente e não indiretamente pelo resultado da história, ela não precisa de um beijo do príncipe encantado, basta se virar e roubar um beijo do rei do pedaço. Ser liberta? Nem pensar! Ela descobre enigmas, quebra protocolos da realeza, desobedece ordens, pula de um avião sem paraquedas, bate nos vilões e ainda arranja tempo para ser linda de viver! Quer protagonismo feminino maior?

Aquaman foi a mais grata surpresa de filme de super-heróis dos últimos tempos. James Wan deixa o mundo boquiaberto ao entregar uma Atlantis digna dos nossos sonhos, Patrick Wilson e Jason Momoa lutam como gladiadores modernos, teve Aquaman montado no cavalo marinho sim, mas ele arrumou um “bichinho de estimação” que combina mais com sua personalidade. Arthur precisa passar por uma série de testes para provar que é digno de comandar os sete mares e quando ele surge mais confiante, senhor de si e dos sete mares eu chorei como uma criancinha vendo alguém que ganhou não um tridente, mas a certeza de que vale a pena lutar por aquilo que acreditamos e pelo que amamos. A mensagem do filme é clara.

O universo DC tem um rei moderno, vitorioso, único e incrível. O vilão Arraia Negra foi introduzido com clareza e já mostrou que aguarda nosso rei para um embate maior, a superfície sabe agora do que os habitantes dos sete mares são capazes, nossas rainhas são imbatíveis, Orm parece pronto para mais uma. Só me resta finalizar agradecendo pelo presente de Natal adiantado e dizer que vivo uma época maravilhosa, onde os super-heróis são mais humanos e nos lembram que a magia está bem do nosso lado, ou melhor: dentro de nós. E que venha o mais novo rei do pedaço: Capitão Marvel! #VemShazam
Comentário(s)
0 Comentário(s)