The Romanoffs - 1x04 - Expectation

Por Roberta Brum

5 de novembro de 2018


Este quarto episódio foi mais curto que os demais (60 minutos apenas, o que na atual conjuntura é visto como positivo).

Em Expectation estamos em Nova Iorque, novamente com um elenco estelar: encabeçado por Diane Lane, Amanda Peet, Michael O'Neill e John Slattery, entre outros. Desta vez, acompanhando Julia Wells. Lane está ali só pra dar peso para o episódio porque o tempo dela de tela não passa dos 5 minutos.

Sabe aquele dia em que nada dá certo? Em que é uma sucessão constante de merda? Foi mais ou menos assim para Julia Wells. Foi aquele dia em que ela não queria ter saído da cama. Mas não necessariamente por ter dado merda, mas por ela não querer fazer nada. E olha que suas atividades eram bem banais: tomar café-da-manhã com sua filha, buscar os sogros da sua filha no aeroporto (em tempos de Uber e Cabify, essa foi absurda), no tempo entre o café e os sogros, ela tomar um chopp e perder a hora, passar por alguns momentos de tensão ao buscar uma tomada para carregar o celular - quem nunca, em momentos extremos de falta de bateria, passou por momentos constrangedores? - forçar uma poker face ao encontrar os sogros da filha, que não consegue segurar por muito tempo e devido a isso "conseguir" um jantar claramente indesejado - que ela e seu marido terão de pagar. Ótimo dia, não?

Permitam-me uma correção: não era exatamente aquele dia que nada dá certo. Sabe um daqueles dias de crise existencial, nos quais você começa questionar e refletir sobre toda e qualquer decisão tomada na vida? Pois bem, é mais ou menos isso. Porém Julia martela em uma única decisão, ou melhor, um segredo. Um puta segredo. Bem pesado e nevrálgico, que definiu toda sua vida. E que não afeta apenas ela e sim todo o círculo ao seu redor. Então, nesse dia aparentemente normal - não é tão normal assim, afinal sua filha está com parto atrasado e seu neto ou neta pode nascer a qualquer momento - Juli reflete o dia inteiro sobre o que fez, por quê fez, se fez certo, o que causou, quem atingiu, como atingiu e como seria se tivesse contado.

A narrativa difere dos outros episódios por ser construída ainda sob perspectiva da protagonista, contudo com uma linha temporal não contínua, nos quais presente, passado e futuro - ideal - se sobrepõem constantemente. É um episódio marcado por flashbacks e flashfowards (mais no sentido de "e se" e situações ideias).

E a ideia de episódio independentes não se sustenta: este quarto episódio se conectou ao segundo e ao terceiro na figura de Daniel Reese: ele aparece palestrando sobre seu livro no cruzeiro no segundo episódio e aparentemente a minissérie do terceiro episódio é nada menos que uma adaptação do seu livro (apesar de que se essa afirmativa for correta, a linha cronológica dos episódios não é sequencial, ou seja, Expectation se passa antes de The House of Special Purpose, dado que Daniel quer escrever o roteiro). Ou pode ser outra minissérie, simplesmente.

Enfim, The Romanoffs me parece vazio em sentido. Alguns podem questionar se sentido é realmente necessário. Um professor de Letras, inclusive questionava nas aulas de Análise de Discurso e Literatura, por que precisa ter algum sentido? Pois bem, talvez seja o caso. 

Claramente a antologia não é tão antológica assim.


Comentário(s)
0 Comentário(s)