The 100 - 5x10 - The Warriors Will

Por Dilma Oliveira

1 de agosto de 2018


Este episódio de The 100 vemos o mais próximo que esta temporada teve em muito tempo para mostrar o que precisávamos ver o tempo todo, Octavia lutando com essas escolhas difíceis, as lágrimas secretas, o desgosto e a hesitação que ninguém mais vê. Este episódio ainda não foi longe o suficiente quando se trata de entrar em conflito com as pessoas que amamos, eu ainda não sou tão vendida no porquê Octavia está fazendo algumas dessas coisas mais drásticas, além do que a trama exige que ela faça.

Tudo neste episódio é sobre guerra. A única fraqueza de Indra é a velha ferida que Pike infligiu nas costas quando Bellamy estava sendo o pior. Madi vê o que parece ser os Homens da Montanha em sua visão de comandante. Octavia relembra quando Indra pediu que ela fosse a segunda. Até mesmo o desafio de O a Monty de que ele deveria estar elaborando um esquema para tirar Bellamy da prisão, parece algo de um tempo mais simples.


Bellamy ainda vê as coisas de outro modo, por sua vez, tirando o fardo de Octavia, chamando-a de boba e livro de histórias, infantilizando-a, em vez de entender de onde ela vem e respeitando suas escolhas, do jeito que ele tem com Clarke, Kane e outros. É difícil ouvir, “não há como voltar disso”, do cara que perdoou Kane por espaçar sua mãe. Ou o cara que foi para o lado de Pike, ajudando com um massacre e permitindo que a execução de Lincoln acontecesse.

O relacionamento de Bellamy e Indra continua sendo um dos mais interessantes, consolidando ainda mais a posição da Indra no centro da serie. Ambos amam muito Octavia e estão dispostos a morrer por ela, mas também estão mais ou menos dispostos a matá-la para protegê-la, se necessário. Eles perdoaram a si mesmos e uns aos outros de tanto, tornando-os o tipo de pessoa que pode entrar na arena sabendo que eles devem lutar e ainda de alguma forma apertar as mãos das alas, sem danos, sem maldade.


Muitas vezes, no The 100 , parece que os personagens estão presos em rota de colisão com um terrível destino. Quando bem feito, é como se houvesse um raio trator puxando-os para dentro, e cada decisão que eles tomam os aproxima da inevitabilidade. Quando é confundido, os personagens ignoram maneiras óbvias em torno do perigo para manter as apostas artificialmente altas. O episódio “The Warriors Will” fez um ótimo trabalho de repetidamente aumentar as apostas e depois permitir que os personagens encontrassem saídas criativas, apenas para serem frustrados e trazidos de volta para aquele caminho traiçoeiro de novo e de novo. Gaia fez isso quando ela jogou a lança em Octavia, e Monty fez isso duas vezes com suas plantas, tentando usar a verdade para evitar a guerra. Esses movimentos foram interessantes, especialmente em contraste com algumas das ações mais confusas de Octavia, que não parecem muito dirigidas por personagens.


Este episódio também apresentou a dinâmica de mãe e filha de Clarke e Madi no seu melhor, mesmo quando o chão começa a se mover sob seus pés na forma dos antigos comandantes que encontram seu lugar na mente de Madi. Seus argumentos pareciam autenticamente adolescentes, mesmo que o assunto fosse decididamente apocalíptico. A chama que está dentro de Madi nos dá uma visão de perto da chama e da realidade dos comandantes pela primeira vez, uma que eu estou ansiosa para ver mais. A morte de Becca Pramheda foi misteriosamente reminiscente de queimar uma bruxa na fogueira, e Madi parece se flexionar para frente e para trás entre o adolescente petulante e o comandante sobrenatural.

Estou ansiosa para ver o próximo episódio e o rescaldo da história da Abby que foi mostrado. Certamente Clarke vai aprender a verdade, mesmo que Madi tenha que fazê-la ver. Eventualmente, Abby terá que encarar o que ela permitiu que Vinson fizesse em seu nome: assassinar brutalmente várias pessoas em sua presença, quando ela poderia tê-lo parado. Aqui a coisa sobre o vício faz você vulnerável. Qualquer um que tenha as pílulas que Abby precisa pode efetivamente controlá-la. Neste caso, Vinson nem estava tentando controlá-la Abby poderia ter tomado as pílulas e parado o derramamento de sangue, mas a vicio era muito forte.


Além do plug de Vinson para as virtudes da desintoxicação e sobriedade, Abby também é um caso em favor da terapia medicamentosa assistida (MAT). Ou, em linguagem simples, evitando a abstinência em doses baixas sem ficar alto, que era o que Abby parecia estar fazendo de antemão. Mesmo assim, ela está agindo como seu próprio médico para que seu julgamento possa ser comprometida, e seu acesso ainda possa ser controlado, controlando-a.

Uma vantagem para McCreary assumir o comando é que isso cria uma oportunidade para Clarke, Bellamy, Diyoza e quem sabe, talvez até mesmo Octavia se encontrarem na floresta e conspirar para derrubar McCreary. Isso permite ao showrunner Jason Rothenberg manter suas armas sobre uma guerra sobre Eden, enquanto mantém alguns dos nossos personagens mais novos, e permite algum crescimento pessoal entre aqueles que buscam a paz e o compromisso. Eles não serão capazes de descobrir isso com McCreary, o que proporcionaria a guerra obrigatória, mas eles podem ser capazes de encontrá-lo uns com os outros, o que seria um grande passo à frente da série.

Comentário(s)
0 Comentário(s)