Conheça: DARK

Por Ellen Joyce Delgado

1 de julho de 2018

Dark 
Uma (des)ordem sobre presente, passado e futuro. 

Essa série é uma produção alemã, sendo inicialmente transmitida apenas no país sede. Com o tempo e o número crescente de expectadores, a Netflix decidiu abrir as portas e deixar o acesso para outros países. Acredito que isso deu muito certo. 

A série já começa com um lado bem darkness. São apresentadas na abertura fotos dos possíveis personagens, trazendo uma vivência dos mesmos. A essência traz uma sensação de tudo está sempre traçado, e não há mudanças. E realmente, tudo estava traçado. 

Há uma forte significância de alguns elementos e símbolos que aparecem aleatoriamente no contexto. A primeira ligação que fazemos é o número 33 . A mutação do enredo se sucede a cada 33 anos - 1953, 1986 e 2019, 2052... 


Tudo traz uma ideia de uma eterna sucessão, um ciclo de eternidade. A passagem do tempo e o acontecimento do inevitável. O transcurso começou com o desaparecimento de uma criança (Mikkel) em um túnel perdido. Nesse túnel, o mesmo foi levado para um tempo passado. Você entende isso pelo reencontro do mesmo com uma pessoa muito próxima da sua vida presente, a qual, naquele outro tempo, estava vivendo seu antigo passado – realmente complicado de entender. 

Parte dos episódios trazem o desenrolar dessa mudança drástica. No final das contas, eu acabei me enrolando mais. Tudo pede atenção desde o começo. Um dia ele acorda sendo filho de um, e no outro já não é o mesmo. 

O pai de Mikkel, o policial Ulrich, tenta todas as possíveis formas de trazer seu filho de volta para casa – ou para o agora. O mesmo – Ulrich- acaba encontrando a "caverna do tempo" onde seu filho embarcara e, consequentemente, também volta no tempo. Acaba indo direto para 1953. Essa ligação é muito engraçada. Durante a adolescência, Ulrich teve muitos problemas e sofria algumas acusações sobre mortes. O mesmo escrevia na parede do seu quarto NO FUTURE (sem futuro), e a série nos prova que sua vida vida era realmente sem futuro. 


Dark traz a teoria do caos, a predestinação. Tentamos evitar algo, mas nossas atitudes fazem com que isso realmente aconteça. Ela consegue nos provar que, talvez, sejamos apenas escravos do espaço e do tempo. 

Não consegui admitir um personagem principal. Você acaba amando todo mundo e detestando-os ao mesmo tempo. A série traz o presente lindo e sincero de cada um, mas em seguida mostra o passado oculto de todos – a juventude rebelde onde sempre fazemos péssimas escolhas

 “Todas as nossas vidas estão conectadas. 
Um destino se liga ao outro. 
Causa e efeito. 
Nada além de uma dança eterna. 
Causa e efeito. 
Tudo se repete.” 

Vale a pena conferir essa série. Eu a classifico como Stranger Things para adultos, pois traz muito raciocínio e mais suspense. O melhor de tudo é saber que a mesma tem segunda temporada confirmada pela a Netflix. Vamos aguardar para conferir o que acontece nas próximas cenas!

         
Comentário(s)
0 Comentário(s)