The Bold Type - 2x02 - Rose Colored Glasses

Por Rozany Adriany

21 de junho de 2018

A cada dia que passa eu gosto mais dessa série. A cada episódio vemos temáticas tão importantes serem trabalhadas e apresentadas que é impossível não admirar todo o trabalho realizado pelos criadores, produtores, atores, etc. 

Neste segundo episódio Jane teve que lidar com o fato de sua chefe ter mudado praticamente todo seu texto, e se o fato dela ter feito isso já não fosse um indicativo de algo estava muito errado em sua escolha ao sair da Scarlet, durante todo o episódio tivemos uma descarada comparação entre as duas empresas e a forma de lidar com o trabalho em todos os âmbitos. 

Jane não só teve que mudar sua personalidade, como foi instruída a guardar suas reais opiniões para si mesma ao tentar reverter a situação após um recado seu ser viralizado na web. Mas, é claro que a personagem não conseguiria abrir mão de quem ela é, mesmo tendo tentado o quanto pôde, não é mesmo? E, ser autêntica lhe custou seu emprego. Te aguardamos de volta à Scarlet, querida! 

Falando em autenticidade, a temática foi muito pontual neste episódio para as três personagens. Kat teve que lidar com uma questão racial ao ser questionada sobre assumir-se "negra" em sua biografia. Isso fez com que a questão de rotular-se fosse trabalhada levando em consideração a influência que a maneira como nossos pais se rotulam nos influenciam, além, é claro, de como a sociedade leva à sério essa questão de rótulos, esquecendo, quase sempre, de que somos todos seres humanos, independente se somos brancos, negros, mestiços, héteros, homossexuais, etc. Além disso, a desconstrução desse bloqueio da Kat foi algo bem interessante.

Já Sutton lidou com essa questão da autenticidade de outra forma. A personagem deixou-se abalar neste episódio por todos os comentários maldosos de seus colegas de trabalho, o que a deixou insegura sobre seu comportamento. E eu já estava ficando louca ao vê-la se diminuindo por causa do que a recalcada da Mitzi estava falando! Porém, a deusa da Jacqueline, em um discurso maravilhoso, fez com que ela recobrasse a consciência e abraçasse seu jeito de ser com as pessoas, independente de ser homem ou mulher. E, claro, o melhor de tudo foi vê-la colocando Mitzi em seu lugar sugerindo uma competição saudável e não baseada em fofocas maldosas. 

Por fim, preciso repetir que simplesmente amo a relação das três, como elas estão sempre dispostas a ajudar umas às outras e apoiar-se em toda e qualquer situação. Nível máximo de exemplo de uma relação de amizade baseada no companheirismo e na reciprocidade. No geral, o episódio foi muito bom, e a série segue mostrando uma importância social enorme ao tratar de temáticas essenciais para a sociedade com uma dosagem equilibrada de drama, mas de uma maneira leve e divertida.
Comentário(s)
0 Comentário(s)