Literatura Em Foco - Porque Fazemos o que Fazemos

Por Alvaro Luiz Matos

12 de junho de 2018

O que nos move? Quais nossos objetivos? Para onde estamos indo? Por que estamos indo? “Por que Fazemos o que Fazemos?”

Mário Sérgio Cortella é um dos pensadores contemporâneos mais convidados a proferir palestras sobre carreira em empresas de todo o país. Sua forma de enxergar o objetivo do homem na sociedade, de dar razão à vasão, o faz uma pessoa diferente em meio a tantos consultores de carreira existentes por aí.

Mas o que faz de Cortella uma figura tão especial no meio?

É simples, hoje os consultores possuem foco na eficiência e eficácia do executivo, mas nem sempre se importam com a satisfação pelo que fazem. O foco geralmente é ser rentável, é dar lucro, desenvolver a empresa, aumentar os rendimentos e gastar melhor. Entretanto, me afeiçoa muito mais a forma de tocar no assunto de pensadores como Cortella e Clóvis de Barros Filho, que procuram dar motivo à ação de trabalharmos. Talvez mais que isso, eles procuram dar valor ao eu presencial, a fazer com que nós entendamos que o happy hour não é sexta feita as 18:00 horas, mas sim o horário que se levanta para fazer aquilo que gosta.

Cortella começa seu livro, que possui uma leitura leve típica de sua escrita, já dando importância ao propósito e continua seu texto falando sobre as ações mecânicas do dia a dia e ao horror que geralmente temos pela segunda feira. Ao abordar a rotina ele fecha esse primeiro ciclo de capítulos que visa perguntar ao leitor se a vida que ele tem vivido possui mesmo algum sentido para ele, criando aquele questionamento interior tão útil e importante em nossas vidas.

Depois disso ele trata temos relacionados à motivação e a busca por esse sentido, muito bem expressa pela frase abaixo:

“É preciso encontrar o equilíbrio, nem a acumulação pela acumulação, nem a recusa irredutível ao trabalho. Isso é possível quando se tem clareza de propósito”.

E mais do que isso, “Porque fazemos o que fazemos?" nos mostra a importância da instrução e de qualificarmos nossos conhecimentos ao redor daquilo que escolhemos como objetivo. Dessa forma, se possuímos uma atividade alinhada com o que queremos, o próximo passo é escalar degraus até o nosso objetivo principal, demonstrando empenho e entendimento ao investirmos no conhecimento.

Portanto, não só um livro de carreira, mas também um livro existencialista, que procura questionar os motivos e os caminhos escolhidos em nossa carreira. Afinal, de nada adianta uma vida voltada a resultados que não são mensuráveis em nossas vidas, não é mesmo?

“Assim, caminhamos para o futuro, com propósito, esforço e alegria, sabendo que ciladas e sobressaltos exigem de nós paciência na turbulência e sabedoria na travessia...”

Comentário(s)
0 Comentário(s)