The 100 - 5x1 - Eden (Season Première)

Por Dilma Oliveira

3 de maio de 2018



O primeiro terço do episódio foi dedicado exclusivamente às aventuras de Clarke na Terra, incluindo sua viagem dolorosa para os escombros de Polis, onde ela começou a pensar que talvez não houvesse realmente nada que valesse a pena para sobreviver.

Concentrando-se quase inteiramente no caminho de Clarke durante o salto no tempo, seu relacionamento com Madi e a chegada de Con Air in Space , também oferece o nosso primeiro vislumbre de SpaceKru, o pequeno subconjunto do 100 que voltou-se para o espaço sem Clarke. O novo tema, as mudanças mais óbvias para ver até agora, e com a passagem o tempo veremos que aqueles sobreviventes dos 100 que foram os primeiros a chegar a terra mostra que não são mais adolescentes e sim adultos. Não há água ou Polis, mas muita terra vermelha e marrom, árvores mortas. O bunker e o transporte da prisão foram adicionados, talvez insinuando quanto tempo até a temporada eles permanecerão fatores.


A missão de salvamento de Clarke e andar pelo rover fornecem alguns dos callbacks mais claros da 1ª temporada. Ela encontra o ipod de Maya, o bilhete de Jasper para Monty e óculos de proteção, o último dos quais a protege enquanto vagueia pelo deserto. O iPod da Maya forneceu a trilha sonora de sua missão exploratória à procura de comida ou água.
Como grande parte do episódio é gasto no solo de Clarke, seu estado emocional é o núcleo do episódio. Muito disso faz com que este episódio seja bem-sucedido, mas existem alguns erros. Clarke quase se matar, mas em vez de ver um pássaro que ela segue, (tadinho do pássaro, ele a “ajudou” a achar um lugar habitável e foi comido por ela. Ainda assim, não acredito nem por um segundo que, se o pássaro não tivesse aparecido, Clarke Griffin iria desistir.

Pela primeira vez, Clarke tem o espaço para contemplar o que significa para sua luta terminar, e “Eden” nos permite vê-la fazer isso. O uso temático do episódio da frase Trigedasleng, "sua luta acabou" é uma maneira fascinante de transformar essa frase em sua cabeça. A cultura grounder imagina toda a vida como uma luta, então, para eles, a luta sendo superada significa morte. Aqui, não há mais ninguém para lutar. Isso dá a Clarke uma nova vida, diferente de qualquer outra que ela já conheceu antes, mesmo na Arca antes de aprender o segredo que matou seu pai. Eu jamais imaginara que essa experiência, sobrevivendo por tanto tempo completamente sozinha, a endureceria. Nunca me ocorreu que isso poderia amolecê-la.


Mas vendo Clarke nadando naquele rio, sozinha e sorrindo, ela está livre. Talvez pela primeira vez neste programa ela esteja livre. A única coisa que chega perto são momentos em que ela está com pessoas que ela ama e esquece todo o resto, como com Lexa ou sua mãe. Essa sensação de liberdade é reforçada pelo modo como seu nado é atingido nenhum olhar masculino, apenas relaxamento, e uma boa lembrança do cervo de duas cabeças da primeira temporada e da lança junto ao rio.

De imediato, Madi trouxe um lado de Clarke que não víamos há algum tempo. Ela desenha e conta a sua filha adotiva histórias de todas as pessoas que ela ama. Clarke ensinando Madi para falar apenas em inglês, no entanto, foi um grande passo em falso de uma serie que normalmente é muito mais consciente da política dos povos indígenas e colonizadores, e os óbvios paralelos com o país onde filmam e o país onde a série vai ao ar. Forçar crianças indígenas esquecer sua própria língua tem uma longa história na América do Norte e na Austrália e o que vivemos aqui no Brasil, mas também é muito uma parte do presente, e perpetuando que sem comentário é perigoso e insultante.


Além disso, parece que Madi é geralmente uma criança esperta, e uma que ajudou Clarke a sobreviver tanto quanto Clarke a ajudou. Ela parecia conhecer Clarke já, chamando-a de flaimkeepa, mas respeitando-a novamente quando revelou que é um sangue noturno. Poderia haver outros sangues noturnos por perto que se esconderam? Madi é uma reminiscência do bunker de amor de Clarke e Finn, e o tempo que Lincoln passou nos túneis logo no início. Eu adoraria saber mais sobre a decisão de Madi de se esconder dos detentores da chama seus pais decidiram isso, ou ela? Sua aldeia sabia, e eles apoiaram isso? Assim como ver os coletores de sonho e os poços de mayor do clã Shallow Valley colorido, isso me faz pensar que outros aspectos da cultura Grounder deixamos de lado, assumindo que todos são como Trikru e Azgeda.

Enquanto isso, o navio SpaceKru estava de olho na terra, e é a versão mais assustadora e violenta de adultos dos the 100. Demora mais alguns episódios para nos levar até lá, mas como todas as boas estrelas da TV, eles não venham à terra para fazer amigos.


No espaço, as coisas progrediram de maneira bastante previsível. Bellamy é o líder e namora Eko, Monty,(gente será que não vamos ver bellamy e Clarke juntos? shippo muito esse dois) o pacificador e provedor. Murphy, é claro, se isolou para não ter regras e ninguém para decepcionar. Eu entendi, um Murphy completamente evoluído perde muito do que fez esse personagem satisfazer nas últimas temporadas. Mas eu estava esperando por mais surpresas no espaço. A surpresa agradável é quão bem Emori se encaixa. Dito isso, é um pouco estranho ouvir Raven falar sobre caminhadas espaciais sem ela ou qualquer outra pessoa se referindo a seu antigo astronauta (e essencialmente sua única família), Finn.

Esta terra é verdadeiramente vazia? Se sim, quem construiu todos esses lugares para viver? Alguém mais ouviu suas mensagens para Bellamy? Mais importante, por que as pessoas no bunker não atenderam Clarke, e eles podem até sair do bunker agora que polis desmoronou sobre eles? Fique atento para algumas respostas e muito mais perguntas durante o próximo episódio. O episódio terminou com um rápido vislumbre das travessuras infernais acontecendo no subsolo, onde Octavia reina mas essa é a história da próxima semana.

Comentário(s)
0 Comentário(s)