Conheça - Designated Survivor

Por Ana Silvia Soeiro

3 de maio de 2018



Comecei a assistir Designated Survivor na Netflix por causa do ator Kiefer Sutherland. Apesar de muitos o considerarem o “eterno Jack Bauer”, acompanho a carreira do ator á um bom tempo e admiro sua capacidade de interpretar um bom papel seja dos conhecidos seriados de ação, aos filmes de terror. Kiefer sabe como é alcançar a fama e o estrelato com o já citado Jack Bauer e mesmo assim não atuar com os trejeitos do personagem que lhe deu maior sucesso. É em minha opinião algo que poucos conseguem, e de cabeça só consigo lembrar de Hugh Laurie, como o doutor House.

A trama de Designated Survivor é à primeira vista algo bem simples e que se você for daqueles chatos complexados não vai querer assistir, por achar que vão abordar algo batido. Ledo engano! Enfim, começamos com o famoso “Discurso do Estado da União”, onde anualmente o presidente dos Estados Unidos da América apresenta ao congresso um “relatório” das condições em que o país se encontra, além do seu plano de governo. Vemos como Tom Kirkman, longe de ser o mocinho com cara de perigoso, é apenas um personagem bastante comum, um secretário de habitação e desenvolvimento urbano que precisa assistir ao discurso do presidente em uma sala separada de todos os líderes da nação e políticos mais importantes do país justamente por ser o “sobrevivente designado”.  

Aproveitando o evento descontraidamente, Tom e o resto do mundo assistem embasbacados ao discurso do presidente ser permanentemente interrompido pela explosão de um dos símbolos dos Estados Unidos: o congresso nacional. Sendo o sobrevivente designado, Tom precisa agora assumir o cargo de chefe máximo da nação sem estar à primeira vista minimamente preparado para nada! Aí entra um enredo bem construído e um elenco bastante interessante para dar um extra na trama! Logo nos primeiros capítulos você fica viciado!

 

Ao longo dos episódios, descobrimos que o ataque não foi obra dos já conhecidos inimigos da liberdade representada na cabeça nos norte americanos por eles mesmos. Nesse ponto achei interessante a série abordar o terrorismo doméstico, a corrupção e a falta de escrúpulos de maneira bem aberta e interessante e mesmo assim leve. À exemplo de House Of Cards que escracha e escancara os mesmos problemas, em Designated Survivor você não tem como torcer para os vilões se safarem, é preto no branco. Tom Kirkman não tolera mau caratismo, nem mesmo em decisões desesperadas. É preciso seguir o caminho do bem.

Designated Survivor está em sua segunda temporada e em minha opinião continua com o mesmo ritmo dos primeiros episódios. Interessante, instigante, moderno e correto. Os deuses sabem que precisamos de bons exemplos, especialmente agora em tempos que para o brasileiro o “Lava a Jato” deixou de ser um local para lavar seu carro e virou um circo de horrores, onde o dinheiro do contribuinte é lavado para as contas dos “Anti-Kirkman”. Vida longa à série!



Comentário(s)
0 Comentário(s)