Westworld - 2x01 - Journey Into Night (Season Premiere)

Por Elizabeth Silva

23 de abril de 2018


Westworld acabou com a nossa espera, HBO tá ficando craque em fazer a gente esperar, e retornou com sua segunda temporada trazendo aquilo que, em sua primeira foi essencial para seu sucesso! Ou seja, uma qualidade de filmagem fora do normal, atuações mais esplendorosas ainda, uma nova abertura e, claro, nós espectadores não entendendo nada com nada!

O primeiro episódio começa nos dando uma "breve" relembrada dos acontecimentos da temporada anterior, afinal depois de um ano e quatro meses, muitas coisas acabam sendo esquecidas, não só pela demora em retornar, mas relembrar é preciso, ainda mais numa trama onde os detalhes são essenciais para que se compreenda alguma coisa e que se revele alguns dos segredos que o parque esconde. Eu gostei muito dessa sacada da HBO, acredito que era o mínimo também depois de tanto tempo sem a série.

Somos levados então para o ponto onde a série se encerrou em sua primeira temporada, o acerto de contas, usando as palavras de Dolores. Sabemos agora que os anfitriões estão tomando conta do parque e retribuindo a todos os hospedes toda a dor e sofrimento pelo qual foram obrigados a passar, claro que essa retribuição é da forma mais violenta possível. Uma coisa que eu gosto muito da série é a maneira como eles encaram a violência, não só gráfica, mas a filosofia por trás desta ação do homem. Afinal se os anfitriões agem desta maneira foram porque homens os criaram assim, e se não era algo da narrativa deles, eles aprenderam com o homem também o significado da mesma e a retribuição na mesma moeda. Até onde o prazer de usar tal sensação é de fato prazerosa aos homens? E o que sentem quando esse prazer é usado contra eles?


Em duas extremidades, temos as personagens femininas mais badass de todos os tempos e se me arrisco a dizer, das séries atuais as melhores também. A história de Maeve (Thandie Newton) realmente continua do ponto em que ela parou na temporada anterior, sua busca pela sua filha enquanto todo o sistema do parque está sendo afetado pela revolta. Eu preciso, realmente preciso enaltecer a atuação dessa mulher! Maeve foi uma das personagens que parecia ter uma história secundária mas que se tornou peça mais que importante para todos os acontecimentos futuros, afinal o "despertar" começa com ela. Sua busca não está somente por sua filha e um lugar seguro, eu vejo nela a maior batalha sobre entender o que realmente é, mas de maneira sutil certas vezes ao falar da filha eu esquecia que ela era um robô, nunca deixando que isso a atrapalhe em seu objetivo. Maeve é perspicaz como ninguém e de uma inteligencia que arrepia, definitivamente uma das melhores. A relação que eu queria ver, e por incrível que parece meus pedidos foram atendidos, é dela e Hector (Rodrigo Santoro). Apesar dele me deixar com uma pulga atrás da orelha, eu realmente gosto da relação dos dois.

No outro ponto, temos a antes doce e agora assustadora Dolores. Esta acredito ser a personagem mais complexa de toda a série, não só por ser uma das criações mais importantes, mas por ter duas personalidades e estar traçando seu caminho para a dominação de quantos mundos e parques forem necessários para a sua liberdade. Dolores na temporada anterior passou por muito, e cada detalhe moldou quem ela era, mesmo quando era reiniciada e se esquecia de tudo. Ela enfrentou a si mesma ao descobrir ser Wyatt e o terrível homem de preto em seu objetivo obscuro, e agora ela lidera a retribuição dentro do parque contra todos os humanos, e devo dizer que ela me deixou bem arrepiada! A atuação da Evan Rachel continua impecável, dá pra questionar se até ela é mesmo real! Sua personagem continua nos trazendo dúvidas sobre o que ela realmente quer e vai fazer, e claro questionamentos mais filosóficos ainda. ainda tá na minha cabeça ela dizendo "Por que você teria medo de mim?"


Do lado dos humanos, ou nem tanto, temos Bernard que sinceramente é um personagem que eu tenho um carinho grande. Dessa vez eu acredito que ele se encarrega de apresentar duas linhas temporais. Mesmo não podendo afirmar com certeza, mas o fato de ele aparecer em duas situações diferentes deixa isso quase que implícito. Em uma, o vemos momentos após a revolta, fugindo com Charlotte a personagem de Tessa Thompson, em busca de um abrigo, que convenhamos, quantos segredos mais essa empresa esconde? E de outro, ele aparece com a equipe de resgate que tenta entender tudo que aconteceu ali e aproveita para introduzir novos personagens. Eu acredito que são duas linhas diferentes, mesmo que não tão distantes como eram as duas da Dolores antes.

E por fim, temos mais um novo jogo para o Homem de Preto. Eu honestamente detesto ele, odeio mesmo! Mas quando ele quase morreu eu pensei no William. Incrível, como duas pessoas que foram apresentadas tão diferentes são a mesma no final. A versão de Robert mais nova, o robô dele lembram? Volta para William e revela aquilo que sempre ansiou e pra mim foi até uma surpresa, que ela havia destravado o seu jogo e que agora ele deve achar a porta. Que danada de porta é essa? Ninguém sabe! Eu pensei que ele iria atrás da Dolores por vingança, mas mais uma vez a série mostrou que vai muito além e trouxe outro enigma.

O primeiro episódio foi bem eletrizante e o segundo promete continuar na mesma formula, afinal parece que teremos uma terceira linha temporal adicionada e por Deus eu não sei como vou reagir ao ver a Maeve com uma katana. Espero que tenham gostado tanto quanto eu e preparem o coração pro próximo domingo. E não esqueçam esses prazeres violentos têm finais violentos.
Comentário(s)
0 Comentário(s)