Em Foco no Oscar - A Forma da Água

Por Bruna Horta

11 de março de 2018

Afinal, por que o filme do mexicano Guillermo del Toro foi o grande vencedor do Oscar 2018? 

À primeira vista me pareceu um filme simples, mesmo com sua trilha impecável e fotografia majestosa e belíssima... e então comeceu a me indagar: o que foi que esse povo viu de tão sensacional ali? Após uma longa reflexão, pude compreender que a questão tão subjetiva do que seja “um filme digno de ganhar o Oscar” vai além dos gostos dos votantes, pois passa diretamente na repercussão dos assuntos do momento e o contexto sócio-político e cultural daquele ano. 

O movimento Time’up e Me Too colocaram Hollywood de cabeça para baixo, expondo a ferida arraigada no cerne da indústria cinematográfica: os milhares casos de abuso. O fortalecimento feminino e também de outros movimentos como dos negros e latinos foi visível durante o ano, dentro e fora das telas; e vários filmes do Oscar conseguiram exprimir isso em suas histórias, mas A Forma da Água superou todos. 

Podem achar que o filme foi um mero romance bobo e fantasioso de uma garota fora dos padrões de beleza e um monstro peixe. Mas A Forma da Água empoderou os oprimidos, quebrou estereótipos e inverteu situações narrativas. Assim, um diretor mexicano colocou uma mulher muda e faxineira no protagonismo de uma ficção científica ambientada no meio dos anos 50; mostrou que o monstro pode ser o mocinho, que o americano pode ser o vilão; o russo, um espião que quer ajudar e a melhor amiga negra não é muleta para a protagonista crescer na história, pois tem relevância na trama sim. Que aula de construção narrativa e personalidade! 

Bravo, Guillermo!
Comentário(s)
0 Comentário(s)