Cinema Em Foco: Frida Kahlo

Por Alvaro Luiz Matos

15 de fevereiro de 2018

A angustia é parte de todo artista, muitos fizeram de seus sofrimentos lindos quadros, poemas e até músicas, viveram de arte e faziam dela seu refúgio. Eu, particularmente, como escritor e compositor escuto com muita frequência que meus textos são carregados, que possuem muito sentimento, muita dor, mas não me vejo como um sofredor.

Entretanto, continuo nutrindo certa curiosidade e interesse pelo sofrimento de alguns artistas, e conhecendo grandes biografias sendo pautadas pela dor e pela angustia. Porém nada e nem ninguém possui uma história como a de Frida Kahlo, pintora mexicana que fez história com seus autos retratos.

Ao usar a palavra “auto”, já dou o tom do tipo de obra que Frida produzia, quais foram suas influências e de onde tirou sua inspiração. Frida pitava sua vida e fez de seu amargor a doçura de seus quadros.

Ela pintou diversas vezes o que sentia e via, mostrou o mundo com teus olhos, sua vida como ela mesma acreditava e deu às suas dores tons acinzentados. A pintora teve uma vida curta e nunca pintou para os outros, pintava para si mesma, pois, por muito tempo, precisava dar refúgio às suas dores. Suas obras são biográficas, momentos marcantes de sua vida elaboradas de forma dolorosa para aqueles que as via. Era doloroso olhar suas obras, intrigante e até estranho, mas o sentimento era apenas um, Frida Kahlo conseguia, como ninguém, expor teus sentimentos.

Tenho um pouco de receio de fazer esse texto e contar a história dela, dando, assim, spoilers sobre o filme (que é totalmente biográfico e pouco roteirizado). Na verdade a obra conta todas as passagens marcantes da vida da pintora, suas perdas, suas dores e suas tragédias; trazendo citações de seu diário como frases da artista.
Por sinal, é esse o fato que cito ao dizer que o filme é pouco roteirizado, por muitas vezes é perceptível que a frase dita está exatamente como suas anotações, deixando o filme apenas interessante, e não uma obra de porte. Porém, de toda forma, trata-se de uma ótima pedida para quem tem mais curiosidade por conhecer esse ícone do século XX.

Frida Kahlo é sem dúvida uma inspiração, uma vencedora que mudou o significado de superação para o mundo. Uma revolucionária de ideais, leitora de grandes clássicos e altamente politizada, fazendo de sua vida um manifesto vivo.

Deixo com vocês a curiosidade para saber mais dessa mulher, e garanto a todos que não haverá arrependimento. O filme é de 2002 e recebeu dois Oscars, de trilha sonora e maquiagem.

Muito obrigado e até a próxima.
Comentário(s)
0 Comentário(s)