Altered Carbon - Primeira Temporada

Por Alvaro Luiz Matos

13 de fevereiro de 2018

Porque Altered Carbon me lembra tanto de Into The Badlands e Banshee?

Por que nenhuma dessas séries se preocupam com um roteiro redondo, elas são altamente ineficazes em fechar arcos, totalmente desprovidas de genialidade, mas me divertem, tem muita luta, muita emoção e quando você deixa de levar a sério, percebe que vale a pena.

Bem, eu passei um dia inteiro tentando descobrir a melhor forma de definir essa nova série futurística da Netflix, e a única forma de dizer que você deve assistir é se você, assim como eu, gosta desse tipo de série.

Se você não se importa tanto com a chegada, mas sim com a jornada, vai amar os efeitos especiais, vai adorar o dinheiro gasto com a super produção, vai se identificar com algumas lutas estranhas, torcer pelo casal, odiar o vilão, tudo o que você espera ao se envolver com uma série. A única coisa que vai faltar mesmo é um roteiro interessante.

Não busque coerência nunca. Os plots são inaceitáveis e a série terminou no maior estilo The Mentalist, tendo que se explicar, para que você entenda quem fez o que, e quem é culpado de que.

A premissa, na essência é boa, como já mencionei nas primeiras impressões, o futuro distópico me agrada, alguns personagens entregam boas atuações enquanto o protagonista sofre para fazer caras e bocas muito mal feitas e inexpressivas.

A crítica social de toda série futurística está ali, mas é muito fácil para o roteiro dizer que alguém trocou de capa com alguém e por isso foi culpado daquilo. É fácil e banal, e se é banal assim na primeira temporada, se não tem roteiro assim, na primeira temporada, espere se tivermos uma segunda, nossa, ai será doideira para todo lado.

Não sou roteirista, mas minha dica é que, sempre, menos é mais. Nunca tentem ser genial demais se você não é gênio e Alteread Carbon é uma série fraca tentando ser genial.

Aceite e se divirtam que dói menos.

Comentário(s)
0 Comentário(s)