The Punisher – 1x13 – Memento Mori (Season Finale)

Por Ana Silvia Soeiro

16 de dezembro de 2017


Agora que todas as cartas estão na mesa, Frank e Billy estão se preparando para a batalha final. Achei esse episódio interessante pois mostrou como e o tanto que os dois ex-fuzileiros eram amigos, a amizade deles chegava até a família de Frank. A ganância de Billy e a “má sorte” de Frank deram um destino completamente diferente á cada um deles. Também achei interessante o quanto Jon Bernthal se mostrou “nascido” para interpretar O Justiceiro. Desde sua aparição em Demolidor eu já vinha acompanhando as notícias para ver se a Netflix iria chama-lo ou não para a série oficial e ela, ou tampouco Jon me decepcionaram.

Se Justiceiro tivesse sido lançada nos anos 1990 ou 2000, poderia dizer que os episódios se resumiriam em um termo: “girl power”. Realmente, apesar de a série ser sobre o Justiceiro, adorei o protagonismo feminino representado por Karen, Madani e até Marion. Mulheres sempre estiveram em primeiro plano na série. Frank até revela que desistiria da sua tão amada Guerra por sua mais amada Maria.

E aqui vem ele pessoal: o confronto entre “Billy The Kid”, que para quem é fã do Justiceiro já sabe quem é e Frank Castle, também conhecido como O Justiceiro. Agora vou falar a verdade sobre esse confronto: achei uma pobreza monumental, quase tão pobre quanto um certo filme aí, que dizia colocar em batalha os maiores heróis da casa e a batalha acaba sendo em um aeroporto (vergonha alheia suprema!)! Cara, me demoram 35 minutos e me apresentam isso? Fiquei revoltada! Achei interessante Russo ter usado reféns, pois sem eles o combate duraria o quê? Dois minutos? Mais fácil que dar uma surra em brasileiro no UFC. Cruzes!

 

Esperava uma luta interessante, bem marcada por momentos inesquecíveis, e a transformação de Billy Russo no vilão icônico de O Justiceiro? Alô Netflix, o cara tem apelido de resto de pano por uma razão bem específica! Aumenta a classificação etária da série e aumenta a violência e não só a saliência, porque ficou mais parecido com tudo que eu não imaginava do que com o vilão das HQ’s. Claro que foi otimamente explicado porque ele não o matou: para um cara vaidoso, olhar no espelho e ver aquilo todos os dias é uma morte, mas foi fraco. Ponto final.

Para a próxima temporada Netflix, por favor mantenham: o tom sombrio (não quero ver Thor de novo no arco-íris), Jon Bernthal. Mudem: quando colocarem um vilão badass, que ele seja assim, e só para variar: liberem a próxima temporada logo!
Comentário(s)
0 Comentário(s)