Literatura em Foco: Eu me chamo Antônio

Por Ellen Joyce Delgado

13 de novembro de 2017


Mais um dia de resenha e hoje trago uma – ou duas – opções bem diferente. Os livros de hoje são: Eu me chamo Antônio – 1 e 2

Estes livros não trazem uma única narrativa. Não seria aquele livro que pegaríamos para começar os suspiros ao longo do enredo. Acredite: os suspiros estão em todas as páginas! 

O Escritor (e desenhista) desses livros, Pedro Gabriel, trouxe para o público longas histórias. Nascido na África, mudou-se para o Brasil aos doze anos de idade. Sem nenhum conhecimento diante da língua portuguesa, o mesmo afirma que nossas palavras passaram a ser sua nova brincadeira. E sua saudade – também nominada por ele como saudades – era o motivo de suas frases rabiscadas. 


A apresentação dos livros é através de “palavras desenhadas”. Não há uma única referência para a definição contextual do personagem central – neste caso, Antônio. Todo o contexto representa seus passos diários diante de sua vivência e rotina assídua. Tudo poderia representar amor, saudade, noites em claro e bares da noite carioca

Estes livros fazem parte de um outro livro, que ainda será lançado. Todos os desenhos proporcionam sentimentos, em guardanapos perdidos no tempo, de um personagem que ainda nos trará uma história. E, se tudo seguir esse contexto, acredito que valerá, também, muito a pena compartilhar aqui com vocês. 


Estes foram um dos livros que mais me proporcionaram calmaria. Todo o contexto enigmático me causou uma pausa no relógio da vida. Estes são os famosos momentos em que questionamos o verdadeiro sentido de nossa existência – e de toda a existência humana. 

As palavras nos fazem pensar sobre nossos caminhos. Tudo define um verdadeiro jogo humano. Mostra-nos que tudo é sempre tão igual e tão previsível e, mesmo diante de toda essa certeza, cometemos sempre os mesmos erros e tomamos todos os mesmos caminhos. O roteiro humano parece sempre muito esperável. 



O clímax da história somos nós mesmos. Não se assuste quando ler algo e pensar: Esse sou eu? Na verdade, fique bem tranquilo. Esse somos todos nós, os quais pensam estar sempre cobertos de razão. Ignorância de nossa parte, não é mesmo? 

Estes livros são os rabiscos mais valiosos dos últimos tempos. As obras foram publicadas pela Editora Íntrinseca. Após a primeira edição, o sucesso foi tão comentado que a Editora propôs-se a publicar a continuação – o que aplaudo em pé! 


Ainda bem que muitos ainda apreciam este tipo de arte. Seja mais um de nós, e acredite: valerá muito a pena!
Comentário(s)
0 Comentário(s)