Grey's Anatomy - 14x08 - Out of Nowhere

Por Rozany Adriany

18 de novembro de 2017



Como esperar até 2018 depois desse episódio? Pois é, gente! Estou aqui super indignada após acabar de assistir os 40 minutos desse episódio que deixou toda a tensão para o final em um cliffhanger enlouquecedor que nos faz dar soquinhos na mesa de pura indignação pela espera. 

O plot desse episódio não foi nada inovador para aqueles que, assim como eu, assistem alguma outra série médica e já viram outros hospitais serem hackeados como já aconteceu em The Night Shift e Chicago Med, mas isso não fez com que o episódio fosse ruim, pelo contrário. Cheguei a comentar com uma amiga que esses episódios nos levam a pensar em como somos e estamos tão dependentes das tecnologias a ponto de esquecermos como fazer algo que, antigamente, era tão comum fazer por não haver essas tecnologias. 

E enquanto todos os médicos surtavam e se perguntavam como proceder sem os eletrônicos que, atualmente, parecem tão básicos, apenas Webber se manteve calmo e prestativo para todos os lados, utilizando de conhecimentos antigos para manter o hospital em funcionamento, embora com limitações, claro. Moral da história? É preciso (re)aprender princípios básicos que podem ser essenciais em situações como essa, afinal, todos estamos sujeitos à falhas em eletrônicos e saber agir corretamente caso algo aconteça é essencial. Além disso, mais uma vez fica claro porque Webber é a instituição, não é mesmo?

Em meio às loucuras e correrias de cada médico com seus pacientes em particular, temos situações extras que acabaram chamando a atenção de alguma forma, como, por exemplo, o envolvimento entre Arizona e a irmã de DeLucca. Vale comentar que as duas têm muito mais química do que Arizona tinha com Minnick (que era nenhuma, diga-se de passagem) e que seria muito bom vê-las tendo algo mais sério do que apenas o que tiveram até agora. Além disso, tivemos também Jo assumindo a chefia dos residentes e nos fazendo dar algumas boas risadas ao tentar chegar ao nível de Bailey em questão de amedrontar os internos, mas, nós sabemos que não é assim tão fácil se igualar à nossa queridíssima (e amavelmente odiada em seu antigo cargo) Nazi, não é? 

Preciso também salientar a minha mais completa revolta para esse plot do envolvimento de Jackson e Maggie que estão enfiando em nossas goelas a todo custo. Qual a necessidade, gente? Não há química alguma entre os dois, não combinam nem se a gente assistir ao episódio com o computador virado de cabeça para baixo, ou de olhos fechados... Cancela que dá tempo ainda, Shonda! Nunca te pedimos nada, por favor!! A cena do helicóptero foi horrível e totalmente sem graça. Como se a situação com o paciente não fosse estranha o suficiente, as pequenas nuances do segurar de mãos, limpar de rosto, olhares e sutis comentários, deixaram tudo ainda mais desagradável. Definitivamente, estamos caminhando para mais um casal horrível na lista de casais mais errados da história de Grey's Anatomy

E para finalizar, o que foi aquele final? Devo confessar que estou mais ansiosa para saber o que irá acontecer com o paciente do Alex do que com a aparição do ex da Jo, mas as suas situações foram o ápice para o cliffhanger que irá nos deixar loucos até a volta dos episódios em janeiro do próximo ano! Em resumo, me parece que Grey's voltou a nos encantar com ótimos episódios neste início de temporada, mostrando que é sim possível se recuperar de uma temporada quase que 100% fraca como foi a 13°, e tudo o que espero é que continue assim após esse hiato. Então, até ano que vem, gente!

Ps. Aquela cena super constrangedora do elevador me trouxe memórias de outra cena parecida com Derek, Mer, Arizona, Rose e Mark (e que saudadees).
Comentário(s)
0 Comentário(s)