Suits - 7x03 - Mudmare

Por Rozany Adriany

1 de agosto de 2017

Suits vem entregando episódios repetitivos e que já estão deixando a desejar no início desta 7° temporada! Se nas duas primeiras reviews falei que os personagens pareciam estar se encontrando e colocando as coisas nos eixos para seguir o novo rumo da firma, neste terceiro episódio senti como se estivesse vendo um previously de 41 minutos.

Já vou pedindo desculpas se, assim como o episódio, essa review parecer repetitiva, mas, infelizmente, as reclamações são as mesmas que já pontuei nos textos anteriores. E, mais uma vez, preciso começar falando de Louis. Um personagem que, não canso de repetir, tem um potencial enorme na série, mas que é mal aproveitado desde a season 1 e isso é simplesmente revoltante. Até agora não entendo porque os produtores fazem tanta questão em manter Louis como essa pessoa desequilibrada emocionalmente que vive se descontrolando devido a uma carência afetiva, ao invés de aproveitarem o seu lado voraz trabalhando em novos casos, como já vimos em algumas poucas ocasiões em episódios anteriores.  

Que o personagem não sabe controlar suas emoções, isso todos nós já estamos cansados de saber. Mas, sinceramente, acho totalmente desnecessário insistirem nesse plot, apenas introduzindo agora um terapeuta, quando é evidente que o outro lado do personagem traria uma maior dinâmica jurídica para a temporada! 

Outro ponto que vem incomodando é a questão das brigas internas. Os episódios parecem estar seguindo um mesmo padrão: Os personagens se organizando para começar o trabalho, de repente começam a se "engalfinhar", passam mais da metade do episódio brigando uns com os outros, e no fim se resolvem. Uma situação que eles poderiam tentar resolver na base da conversa toma uma proporção muito maior e gera um conflito enorme pelo simples fato de que tudo começa com uma enorme briga de egos ao invés de uma real conversa. Quando a própria Donna perde seus trejeitos característicos tentando mostrar que tem voz entrando em uma briga que não era dela, o negócio está realmente feio, meus amigos. 
E se no episódio anterior Harvey pareceu ter dado um passo adiante em seu novo cargo, neste episódio parece que ele regrediu alguns passos. O personagem mais uma vez não soube ouvir seus associados e insistiu em liderar na base do "quem manda aqui sou eu e minha decisão é lei". Meu questionamento é: qual o sentido em ter associados, fazer reuniões e votações se você não vai ouvi-los? Espero que essas questões sejam melhor trabalhadas ao longo desta temporada, pois é algo que não está sendo legal de se ver e só estamos no 3° episódio.

A única personagem que manteve uma consistência foi Rachel que tentou lidar com a situação em seu novo cargo da maneira que achava melhor, mesmo tendo alguns equívocos. Aliás, a personagem está um pouco apagada até o momento, assim como os casos estão ficando em segundo plano enquanto as brigas e confusões vem tendo cada vez mais destaque. Sou só eu que acho que já podem mudar isso aí?

Não foi um episódio ruim, o problema todo está no fato de que estamos vendo mais do mesmo quando, na verdade, os produtores poderiam aproveitar a oportunidade de trazer um diferencial nesta temporada após o redirecionamento que foi dado no final da 6° temporada. Mas, sigamos firmes e confiantes de que isso irá acontecer nos próximos episódios! 

Ps1. Tento não me derreter com Harvey apaixonadinho, mas devo confessar que é meio impossível, gente! rs

Ps2. Não sei do que eu ri mais, se foi do sonho louco de Louie ou dele levando a planta para Alex e chamando ele de BFF quando descobriu que ele tem gatos, rs. Amo esse lado cômico do Louis, mas não aceito que só o tenham como um bobo da corte desequilibrado, então, por favor, cuidem dele com carinho produtores! 

Ps3. Se eu gostei de ver Donna demitindo a associada metida? Só amei!


Ps4. Só estamos vendo casos através de Mike que, no momento, parece o Robin Hood versão advogado!  
Comentário(s)
0 Comentário(s)