Orphan Black - 5x10 - To Right the Wrongs of Many (Series finale)

Por Dilma Oliveira

15 de agosto de 2017

Infelizmente é com muita dor no coração que começo essa última review de Orphan Black, que sempre senti como um filme, mas com mulheres, risos e pessoas estranhas. O primeiro ato deste final foi o material de Jason Bourne, e entregou algumas cenas de luta agradáveis, uma perseguição de gato e rato de suspense, algumas mortes satisfatórias e uma última versão da música tema de Helena; psycho killer. O que foi ótimo, mas, em última instância, é aniquilado por tudo o que veio depois dele, e a enormidade do final desse show.

Mas, uma vez que chegou a hora de levar a sério sobre dar à luz, a série reorientou-se sobre o tema da família como sendo as pessoas que estão lá para você, não importa o que a ciência diga. Durante toda a temporada houve usos hábeis do flashback, e trazer Siobhan Sadler para a sala quando Helena começou a empurrar, era uma maneira desesperadora de fechar isso e simultaneamente (adorei a volta Maria Doyle Kennedy mesmo que foi em flashback) de trazer a história de volta para onde começamos com Sarah. Sempre pareceu estranho para os personagens, bem como para muitos espectadores, ver que Sarah tinha uma filha quando ela deveria ter sido infértil, e chamá-la de uma bagunça quente quando a conhecemos seria até gentil. Agora sabemos com certeza que Kira era a escolha de Sarah, não um acidente ou a imposição religiosa de S, embora, claro, eles estavam lutando desde o começo. 

O nascimento em si é uma das representações mais reveladoras que eu vi na televisão, o que naturalmente segue como o show retratou, exames ginecológicos e outras realidades da biologia feminina. Eu me pergunto se Cosima e suas sestras escolherão ampliar a estrutura, deixar que algumas dessas novas Ledas vejam seus rostos e saibam sobre suas origens? Entretanto, a amizade e as perseguições científicas de Cosima e Scott continuam, e a Cophine está viajando pelo mundo, salvando ledas com ciência. Poderia haver uma vida melhor para elas? Tenho certeza de que devemos ler algo em sua cena breve segurando um dos bebês milagrosos de Helena, mas nem todas as mulheres necessitam de crianças, e eu gostaria de pensar que Cosima e Delphine poderiam viver vidas muito satisfatórias como amantes, cientistas e tias.

Vamos falar sobre Art. Estou tão feliz por ter chegado ao fim, e até mesmo voltou ao centro dos eventos. Ele foi uma parte importante da primeira temporada, mas saiu da ação em vários momentos. Ele e Helena se juntaram muitas vezes, geralmente quando Sarah o fez vigiar por algum motivo, mas ajudando a servir como parteira os colocou de uma maneira nova. Não consigo lembrar quem nunca ouviu ele dizer a palavra sestra antes, e isso parece ser bom. Quando Alison se refere aos primos de Kira, parece que ela significa a filha de Charlotte e Art, bem como a própria e os filhos de Helena. Eu não sei vocês, mas eu estava tão acostumado a não ter uma resposta para o porquê esse show se chama Orphan Black, que eu parei de me perguntar. Ainda assim, foi bom ver a resposta entrar no final. 
Orphan Black começou como um mistério: quem e o que é Sarah Manning? Quem são essas mulheres que se parecem com ela? Quem são todas essas pessoas que a seguem e por quê? Em quem Sarah pode confiar? Mas rapidamente evoluiu para algo mais. Quem toma decisões sobre a vida de outra pessoa? O que significa ser família? Como você protege suas pessoas? O que será necessário para ser livre? No final, acho que as sestras encontraram suas respostas, ou pelo menos elas perceberam que a única maneira de encontrá-las é continuar vivendo suas vidas e cuidando umas das outras.





No entanto, no final, acabou por ser um dos melhores shows que já vi, provavelmente o melhor filme de ciência que já esteve na televisão. Principalmente porque levou uma performance central de incomparável brilho e virtuosismo e, ao invés de torná-lo um espetáculo ou um truque, encaixou-o profundamente em seu próprio DNA (sim), no mais profundo funcionamento interno de seus temas. "A liberdade parece diferente para todos", Sarah diz às irmãs no final. Ela está pedindo desculpas, tentando explicar por que ela ainda está correndo, mesmo agora que ganharam, conseguiram o que sempre quiseram, estar fora do controle de qualquer pessoa. Sarah ainda está lutando, ainda está fugindo, apesar de não haver mais inimigos para lutar ou fugir, e até mesmo ela não sabe por quê.

Enfim, a série acabou, vai deixar muitas saudades em nossos corações, até porque somos uma só família de Clone Club. Quero agradecer por vocês terem me acompanhado e as reviews ao longo desta temporada final, sentirei falta!
Comentário(s)
0 Comentário(s)