Conheça: Rome

Por Alvaro Luiz Matos

19 de maio de 2017

A história romana é talvez uma das mais recriadas de todos os tempos, talvez a mais contada, talvez a mais interessante. O bem da república era justificativa para interesses pessoais, vinganças e diversas guerras, uma mistura genuína de traição e lealdade, de sociedade enferma e políticas de pão e circo, homens que poderiam passar pela história como coadjuvantes se não fosse pela força e caráter.

Dominações territoriais, senado corrupto, tiranos, imperadores, dinheiro, exércitos, orgias e tudo o que mais retratasse essa era tão turbulenta da história romana. A série muito bem desenvolvida pela sempre ótima HBO conseguiu em duas temporadas movimentar a crítica de forma positiva e apresentar não só uma equipe sensacional de atores, um roteiro de qualidade e uma ambientação que nos faz embarcar para aquele mundo.

Obviamente é fácil eleger adjetivos, qualificar a série e quantificar seus feitos, mas isso seria técnico demais para um texto que tem o objetivo de lhes apresentar uma série e motivar que a assistam. Portanto vou direto ao ponto, vou dizer o que eu gosto, porque gosto e vou apontar alguns problemas claros na série.

Obviamente a história em si me chama a atenção, as cenas quentes de orgia, batalhas, mortes e traições são tudo o que posso querer em uma série. Assistir a ascensão de César, ver como ele foi traído, perceber o quanto Marco Antônio se perdeu em ambição e bebedeira, Cleópatra tão venenosa quanto pode, Octaviano reconquistando o orgulho romano de se tio/pai e a lealdade de Pullo e Verenus.
Alguns personagens são tão carismáticos que você não sai do lado deles nem que estes tomem a decisão mais absurda possível, você torce pra um lado, de repente pra outro e fica esperando que apareça algum herói honrado, o que naquela civilização era quase impossível. Você torce por romances, mas sabe que não pode exigir muito, e no fim o mocinho é um vilão e Roma é uma civilização podre e estragada.

Aprofundar-me mais que isso é soltar spoilers, a trama é rápida, os anos voam, as coisas mudam e tudo está sempre tão diferente. Nesse ponto terminam os elogios e começam as minhas críticas, algumas crianças não crescem, os anos passam e os atores são os mesmos, uma adolescente de 14 continua com a mesma cara quando estiver com 20, os heróis continuam fortes e jovens mesmo tantos anos se passando, uma pasta d’agua no cabelo já ajudava.


Apesar desse detalhe tão sem importância o roteiro foi espetacular a série envolvente, atuações magníficas de Ray Stevenson (como Titus Pullo), James Purefoy (como Marco Antônio) entre outras. Com duas temporadas, 22 episódios e uma história com início meio e fim, não tem como não querer assistir.
Comentário(s)
0 Comentário(s)