Conheça: Las Chicas del Cable

Por Rozany Adriany

30 de maio de 2017

Las Chicas del Cable é a primeira série espanhola original Netflix e se passa nos anos 20. A série conta a história de quatro mulheres que começam a trabalhar em uma empresa de telefonia em Madrid e que, imediatamente, se identificam e se tornam amigas, ajudando-se nas adversidades do dia a dia, tanto no âmbito laboral como no familiar, no amoroso, e principalmente, na dificuldade de ser mulher em uma época em que as mulheres não tinham quase nenhum direito.

Uma das coisas que eu mais achei interessantes na série foi o fato de como as quatro mulheres completamente diferentes acabam se apoiando umas nas outras de forma tão genuína e como elas persistem em meio a todos os problemas que constantemente aparecem, uma vez que cada uma delas precisa lidar com seus próprios medos, seus próprios sonhos, seus próprios anseios de maneira individual.

Alba/Lidia é a protagonista número um e, para mim, a personagem mais complexa e também mais sensível de todas. A personagem faz questão de erguer uma armadura em volta de si devido a algumas dificuldades que passou quando ainda era mais nova e recém havia chegado em Madrid com seu melhor amigo e primeiro amor, Francisco. Quando os dois são abruptamente separados ainda na estação de trem, por causa de um mal entendido, Alba é presa e acaba cruzando com uma senhora que a acolhe e a ensina como sobreviver à capital. Ela então se torna uma mulher independente e que está sempre disposta a fazer o que for preciso para sobreviver, porém, em seu coração ainda guarda as dores de ter perdido Francisco que, em sua mente, a abandonou. E a história dos dois não tem como ser mais confusa, viu? (Ou será que tem?)

Em meio ao drama inicial de Alba, que troca de nome (para Lidia) para tentar o emprego, e ao começar a trabalhar na empresa de telefonia (com segundas e más intenções, diga-se de passagem), reencontra Francisco e acaba se desestruturando; temos também o drama das outras três mulheres. 
Marga é a típica caipira retraída que foi para a cidade grande em busca de oportunidades, de ser alguém na vida e dar orgulho à sua avó que anseia as melhores coisas para sua neta. A personagem é a mais graciosa da série e a que mais nos arranca risadas com seu jeitinho ingênuo (mas forte e decidida) de ser e, claro, com sua forte característica de falar igual a um trem desgovernado quando está muito nervosa, rs. Marga tem dificuldade em se adaptar às gritantes diferenças entre sua cidade natal e Madrid, mas com a ajuda de suas novas amigas e de um possível amor (que deixa qualquer um suspirando pela leveza e genuinidade) , ela promete evoluir muito na série e continuar nos arrancando boas risadas.

Já Carlota é a típica feminista que, primeiramente, enfrenta uma luta árdua contra seu próprio pai (um general) que não aceita de forma alguma que a filha almeje um trabalho e sua independência. E, com isso, faz de tudo para interferir em todas as tentativas da filha para crescer na vida a fim de trazê-la de volta à casa. É claro que todas as ações do general só fazem com que Carlota se rebele ainda mais contra ele e siga firme em seus ideais. Uma das grandes surpresas para Carlota é seu envolvimento com sua chefe, Sara; o que a leva a momentos confusos em que precisa se encontrar em meio a um ambiente em que mal se podia pensar em relação homoafetiva. 

Por fim, mas não menos importante, temos Ángeles, a única casada das quatro que, à primeira vista tinha tudo para ser a mais bem resolvida da série, porém, os problemas de Ángeles são os piores e sua história mostra uma realidade que muitas mulheres vivem até hoje. Sua vida quase perfeita entra em crise quando seu marido insiste para que ela deixe o trabalho para dedicar-se a sua família e sua filha, o que só leva a uma série de outros problemas que passam a surgir, mas tudo desanda realmente quando ela descobre que seu marido é o típico traidor mulherengo. 

É claro que a história traz muitos outros plots emaranhados a esses poucos que lhes comentei, como o de Carlos, filho do dono da empresa de telefonia, que tem grandes sonhos e ambições e precisa enfrentar a falta de reconhecimento de seu pai, e que, claro, cai de amores por Lidia/Alba... E confiem em mim quando digo que vale muito a pena assistir o desenrolar dessa história e, sem dúvida, de toda a série.
E se tudo o que foi citado acima não foi suficiente, ainda há outro ponto que me chamou muito mais atenção na série e me fez refletir a cada episódio visto: a luta pela independência feminina. Como falei, a série se passa em uma época em que as mulheres não tinham quase nenhum poder (e ainda acho que estou sendo meio otimista no "quase"). Fico imaginando quão difícil foi viver em uma época em que, até para retirar dinheiro no banco, era necessário que o pai ou o marido autorizassem, em que a mulher não podia pedir o divórcio, mesmo que estivesse em um casamento abusivo e a única solução para a situação era deixar o marido e ser presa ou matar ou morrer (WTF?). E mais, uma época em que, se você sequer pensasse em se defender e lutar pelos seus direitos você corria risco de ser presa e agredida, e que encontrar um emprego digno era considerado algo frívolo e baixo. Ou seja, uma época totalmente machista em que eram poucas as mentes que não levavam a mulher à submissão.

Enfim, vocês podem pensar que tudo isso é um ponto desfavorável para a série, mas não, é algo que faz refletir e que nos faz ter mais admiração, não só pelas quatro protagonistas que lutam constantemente por seus ideais, mas pelas outras mulheres que aparecem na série e que de alguma forma se destacam em sua batalha pessoal. Tenham certeza que vocês irão mergulhar em um maravilhoso drama (ás vezes um pouco parecido com aqueles dramalhões mexicanos), às vezes cômico, às vezes revoltante, às vezes incrédulo, mas totalmente enriquecedor e delicioso de apreciar. 

Um pequeno ponto que pode ser considerado negativo é que algumas das trilhas sonoras não parecem ser condizentes com as músicas daquela época, mas ainda assim você consegue se apaixonar um pouquinho por elas que, te comovem na medida certa à cada cena! Então, espero que em minha empolgação com a série e na escrita desde pequeno grande texto, a curiosidade de vocês tenha sido aguçada e o play seja dado! Corram para a Netflix e desfrutem de 8 maravilhosos episódios de Las Chicas del Cable.
Comentário(s)
0 Comentário(s)