Grey's Anatomy - 13x10 - You Can Look (But You'd Better Not Touch)

Por Rozany Adriany

31 de janeiro de 2017

Grey's Anatomy voltou, e embora eu tenha lido muita reclamação sobre o episódio, e tenha realmente algumas reclamações a fazer, tenho que dizer que gostei dele, ou melhor, gostei do caso que norteou todo o episódio. 

Bom, primeiro de tudo, eu não teria nenhuma reclamação se esse caso aparecesse em outro momento da trama, porque há muito tempo venho dizendo que o que está em falta em Grey's é justamente isso: focar nos casos, nos levar de volta às SO e aos casos mais complicados que possam existir. O problema está no momento, depois de um hiatos esmagador com aquele suspense e a incerteza do que Karev iria fazer, termos um episódio meio que aleatório é decepcionante e revoltante ao mesmo tempo. 

Porém, assim como o episódio, vou focar no caso da vez. Estou aplaudindo de pé aos roteiristas que escreveram sobre esse caso, porque ele foi simplesmente magnífico. Em pouco mais de 40 minutos, Grey's me fez sentir empatia por Kristen que, até meados do episódio, era vista como uma menor de idade infratora e totalmente desestabilizada que poderia a qualquer momento atacar as médicas

A verdade é que as aparências enganam, e enganam até mesmo quando o ser julgado está preso e tem que ser mantido fora do alcance de qualquer outro ser humano por ser extremamente violento. Afinal, como não se sensibilizar com a história de uma garotinha que tinha tudo para ser bem sucedida na vida, uma mãe amorosa que fazia assados e disponibilizava tempo para brincar com sua filha, mas que cometeu um erro e desandou na vida indo acabar na prisão? 
Não sabemos o que Kristen fez para pegar de 20 anos a perpétua, mas a minha opinião é que, independente do que seja, virar as costas e abandonar uma filha, nunca será a resposta para resolver o problema. Quão intenso foi ver a presidiária k-10 (detenta mais violenta e perigosa) se transformar em uma garotinha clamando pela mãe ao entrar em trabalho de parto antes do tempo e ter que dar a luz à sua filha em condições desumanas? Ou até mesmo, vê-la se transformar na mãe amorosa que só tem um desejo para a sua filha: que ela seja boa! 

Eu só posso dizer uma coisa a vocês: é essa Grey's que eu quero de volta. São esses casos intensos e devastadores que eu quero ver na série! E é por esse caso que eu gostei do episódio! Um caso que me fez ter empatia por Kristen, que me fez encher os olhos de lágrimas ao vê-la clamando pela mãe e se despedindo de sua bebê, que me fez ter um pinguinho de respeito por Jo (só um pingo mesmo, viu?), que aumentou ainda mais meu respeito por Bailey (respeito que ainda está abalado devido à situação com Webber) e que nos agraciou com a Dra. Robbins que tanto respeitamos (que esteve apagada na série).

E depois disso tudo, eu prefiro ignorar o final do episódio e o desenrolar que está sendo dado a Karev com essa história ridícula de ir para a prisão. Mas, deixo avisado: esperem por mais revoltas nos próximos episódios. Por hora, foquem nesse caso maravilhoso que tivemos neste 10° episódio, amigos! 

Ps. Não vamos esquecer que presidiários continuam sendo humanos e que é simplesmente revoltante ver o descaso do governo no que diz respeito aos suprimentos médicos e às condições mínimas para que estas pessoas sejam cuidadas devidamente.
Comentário(s)
0 Comentário(s)