Zodíaco: Um enigma indecifrado

Por Mirian Meneghel

11 de novembro de 2016

Zodíaco, filme norte-americano de suspense lançado em 2007, foi baseado em um livro não ficcional escrito por Robert Graysmith e dirigido por David Finsher, conta a história de um assassino em série, auto-denominado Zodíaco. O filme é baseado na investigação dos casos de um assassino em série, que possuía uma particularidade: enviava cartas e mensagens enigmáticas para os policiais, que procuravam incansavelmente descobrir sua identidade real e capturá-lo. O filme também norteia a vida de quatro pessoas que ficam obcecadas pela caça ao assassino e como esta obsessão acaba transformando a vida dessas pessoas: o cartunista Robert Graysmith (sim, o próprio autor do livro em que foi baseado o filme), o experiente jornalista Paul Avery, o inspetor de homicídios David Toshi e seu parceiro Willian Armstrong. O filme tem um formato documental e se desenvolve com tensão constante, como um bom suspense, tanto nas cenas dos assassinatos quanto nas investigações em si. 

O que torna o roteiro deste filme ainda mais interessante é que Zodíaco realmente existiu. Foi um assassino em série que atuou durante dez meses na Califórnia, Estados Unidos, e é considerado oficialmente responsável por sete mortes/atentados, porém, o próprio se dizia responsável por pelo menos trinta e sete. Zodíaco se comunicava por cartas que enviava aos jornais locais, estas cartas continham enigmas - alguns desses até hoje permanecem indecifrados. Zodíaco, foi um apelido adotado pelo mesmo, em algumas das cartas que enviou, estas cartas também continham uma assinatura do assassino, um símbolo, que também não foi decifrado. 

Acredita-se que sua primeira vítima tenha sido Cheri Jo Bates, uma estudante universitária, que supõe-se que aceitou carona do assassino após ele ter sabotado seu carro enquanto ela estudava na biblioteca. A jovem foi morta a facadas e também foi asfixiada e espancada. Um mês após a morte de Cheri, a primeira carta de Zodíaco chegou aos jornais, e também ao pai da vítima. Outro assassinato considerado de Zodíaco, foi a um casal de adolescentes, que estavam parados em um carro, ele atirou contra a cabeça de David Faraday ainda sentado no carro por cinco vezes e contra Betty Louise enquanto a mesma tentava fugir. 

Outro caso parecido com o anterior, e também considerado de autoria de Zodíaco, os jovens Mageau e Darlene Ferrin que também foram atacados por tiros pelo assassino, Mageau acabou sobrevivendo. Zodíaco também esfaqueou um casal repetidas vezes, Cecelia Shepard e Bryan Hartell. No carro em que foram assassinatos foi colocado um bilhete com as datas dos assassinatos anteriores, para comprovar a autoria do próprio pelos crimes. Outro crime do assassino, teve como vítima um taxista, morto a tiros no seu próprio táxi. Após este último crime, o assassino enviou uma nova carta assumindo a autoria do crime, e dizendo que estava preparando um ataque bomba a um ônibus escolar, porém isto nunca aconteceu.

Zodíaco exigia que suas mensagens codificadas (ou partes delas) fossem publicadas em vários jornais diferentes, do contrário, ameaçava agir novamente. Os recados enviados pelo assassino eram sempre sádicos, desdenhado da capacidade dos policiais envolvidos no caso e em alguns casos envolviam a descrição de detalhes dos crimes e também algumas pistas sobre sua possível identidade. Algumas cartas continham criptogramas, que inclusive são estudados por muitas pessoas até hoje, com intuito de decifrá-los. 

Por que tantas suposições ao invés de certezas em relação a este serial-killer? Por que simplesmente a identidade do assassino nunca foi descoberta e permanece um mistério, considerado inclusive um os maiores mistérios policiais de todos os tempos. A popularidade do assassino ficou tão grande que até surgiram pessoas se entregando a polícia, fingindo ser o assassino (acredite!). Porém, o verdadeiro Zodíaco nunca foi encontrado, embora mais de 2.500 suspeitos tenham sido investigados, o que se tem apenas é um retrato-falado, feito com a descrição de uma das vítimas sobreviventes. Um suspeito, Arthur Leight Allen, foi identificado como responsável pelo ataque de Mageau e Hartnell, porém, um exame de DNA descartou a possibilidade de ele ser Zodíaco. 

Em 2004, a polícia arquivou o caso, porém o mesmo foi reaberto em 2007, inclusive por causa das pesquisas para a produção do filme “Zodíaco”. Em 2008 um homem de Sacramento afirmou ter evidências de que seu pai era o tão enigmático assassino, porém a investigação ficou estagnada por falta de provas consistentes. O caso permanece em aberto até hoje. Conhecendo a história verdadeira do assassino Zodíaco, sua sagacidade e maestria em nunca ter sido capturado, podemos afirmar categoricamente que podem existir crimes perfeitos, não é mesmo?
Comentário(s)
0 Comentário(s)