Grey's Anatomy - 13x6 - Roar

Por Rozany Adriany

3 de novembro de 2016

Essa semana preciso começar minha review falando de Alex Karev, sim, dele mesmo amigos. Enquanto todos esperamos para saber qual será o desfecho do caso de agressão, Alex segue “lutando” por seu emprego, e mostrando porque é considerado um dos melhores médicos do Grey-Sloan, afinal, quem mais conseguiria descobrir um câncer apenas de olhar para as mãos da paciente numa fila de um tribunal? E é aqui que eu continuo expressando minha insatisfação com o maldito plot de agressão desnecessário que Shonda Rhimes resolveu armar para ele. 

Enquanto o personagem está “preso” na clínica gratuita sem poder realizar nenhuma cirurgia, ou melhor, sem poder realmente diagnosticar nenhum paciente, ele não só descobriu o câncer da moça, como descobriu também a doença de outra paciente e abriu mão dos méritos pelo bem dela, em um episódio anterior. E nesse meio termo que Karev mostra porque deve estar em uma SO e não na clínica, o que ele enfrenta, meio que sem saber, é a possibilidade da perda de seu emprego. 

Vou confessar a vocês que por alguns longos segundos eu cheguei a pensar que Bailey iria ceder às pressões de Catherine e iria acabar despedindo Karev. Porque, sim, sabemos que Alex faz as coisas do jeito dele, sabemos o quanto ele está frustrado ao estar preso na clínica e longe de uma SO, sabemos que a frustração só aumenta quando ele chama pela melhor cirurgiã e ela não atende, porém, também sabemos que ele vai até o fim por seus pacientes, e sabemos que mesmo podendo ficar fazendo um draminha básico por sua situação, o que o personagem resolveu fazer foi enfrentar sua “punição” na clínica de cabeça erguida, por não querer perder seu emprego por um erro muito, mas muito estúpido e como falei, desnecessário para a trama. 

E tudo o que eu espero, é que aquele clima de despedida que pareceu rolar no final do episódio na conversa dele com Meredith, não seja o presságio de algo doloroso e revoltante para os fãs lidarem com a história do personagem. O que eu espero é que ele sofra uma punição sim, sei lá, serviço comunitário, análise temperamental, algo que seja sério o suficiente para finalizar esse plot e para que ele pague pelo que fez, porém, o que eu não espero, é que o personagem perca tudo aquilo que conquistou como médico e como pessoa, ou que a série perca mais um de seus melhores personagens, porque isso sim vai ser para lá de revoltante, amigos. 
Dando continuidade, vamos falar de Catherine e Leah Murphy, duas presenças no episódio que considero simplesmente desnecessárias. Me desculpem pela repetição do termo, porém, a minha visão é que temos muitas coisas/personagens desnecessários nessa temporada. Afinal, me digam qual é a necessidade de trazer Leah Murphy de volta para o Grey-Sloan? Enquanto a série estava em hiatos passamos alguns meses ouvindo rumores de que uma antiga personagem poderia voltar para Grey’s, e aí nossas mentes foram logo para quem? Cristina Yang, claro! E só por citar o nome da personagem, acredito que vocês já conseguem entender a dimensão da decepção ao ver Leah Murphy em cena, colegas. 

E como se essa decepção não fosse suficiente, o que escutamos agora é que Murphy voltou para ser o par romântico de ninguém mais, ninguém menos que nossa queridinha Arizona Robins. E o que fazemos com esses rumores? Tudo o que posso dizer é que se Shonda realmente pretende estragar a série a esse ponto, é melhor ela se encaminhar para o fim do show e acabar com um mínimo de dignidade, porque aceitar Leah e Arizona é demais para os corações fanáticos que um dia já shipparam e digo com propriedade, ainda shippam, Calzona. E eu me pergunto: quem em sã consciência separa Calzona para juntar Callie com a ruiva sem sal, e Arizona com a loira sem sal? ALGUÉM ME DIZ, PORQUE NÃO SEI LIDAR! 

E no que diz respeito a Catherine, não sei se só eu acho isso, mas a personagem só aparece na série para ser chata e totalmente irritante. Como se não bastasse pressionar Bailey para demitir Karev, agora ela vai atrás do próprio marido. A única coisa que concordo com ela é que, sim, o programa de internos/residentes precisa melhorar, o Grey-Sloan precisa voltar a ser um hospital escola, precisa voltar a ser aquele hospital considerado um dos melhores em seu programa de ensino, e sim, melhorias precisam ser feitas nesse sentido, porém, a minha opinião é que não dá para culpar o responsável pelo programa neste momento. Por que? Porque, para mim, o problema está nos atuais internos/residentes, e eles já eram o problema, antes de Webber tomar conta deles, diga-se de passagem. 

O caso da semana foi interessante, e como é costume em Grey’s, nos fez pensar na importância de dirigir com cuidado, e principalmente, não agir de cabeça quente em meio ao trânsito, afinal quem consegue lidar com a destruição de uma família, só porque ficou de cabeça quente por levar uma cortada no trânsito, perseguir o carro e acabar sofrendo um acidente que resultou na morte de seu filho, que pela primeira vez em um tempo, pediu para dar um passeio com seu pai? Coisas da vida que Grey’s nos leva a refletir de maneira esplêndida e que deve voltar a fazer com mais frequência. E como sabemos que não é fácil lidar com esses casos e simplesmente se desligar quando o seu turno chega ao fim, quer exemplo melhor do que ver April e Jackson checando a cadeirinha da pequena Harriet não uma, não duas, mas três vezes antes de dar partida no carro e voltar para casa? 
Ah, e também temos Amélia. Após descobrir que não estava grávida, Amélia meio que se fecha e evita conversar sobre o assunto com seu marido, Owen. Porém, parece tudo conspira para que ela chegue ao seu limite quando ela tem que lidar com a morte do adolescente do acidente de carro (que citei mais acima). Amélia desabafa com Karev, revelando a dimensão de seu trauma após a perda de seu primeiro filho (em Private Practice) e confidenciando que ficou aliviada com o resultado do teste de gravidez enquanto Owen ficava desolado, o que nos propicia uma cena muito tocante, porém, devo confessar que algumas coisas que foram ditas me fizeram refletir. 

Mais uma vez bato na tecla “confiança” no casamento. Pensei que após aquele momento de confidencias entre o casal onde cada um falou sobre um de seus traumas em um episódio anterior, Amélia estaria mais propensa a se abrir com o marido, mas pelo visto, acabei me equivocando. E antes que vocês leitores comecem a me julgar, eu até entendi o medo dela de que Owen não entendesse o seu sentimento, mas, como Karev disse “é o Hunt”, e se ela o conhecesse um pouco melhor, saberia que ele não a julgaria a esse ponto. O cara segurou a mão de Cristina enquanto ela abortava o filho que ele tanto queria, for God’s sake. Então, por mais difícil que seja lidar com as dores que ela enfrenta, continuo achando que se ela visa o futuro, ela deveria sentar, conversar com Owen, contar seus medos, e os dois enfrentariam isso juntos. E tenham certeza, amigos, Owen a apoiaria e respeitaria seu tempo sem pensar duas vezes, porque ele é assim! 

Para finalizar, só quero ressaltar a perfeição da amizade de Meredith e Alex. Se tem uma coisa que Shonda pode continuar fazendo é começar e terminar o episódio com eles, porque fazendo isso ela nunca vai errar amigos! Obrigado pela paciência em continuar lendo minhas opiniões sobre minha Grey’s Anatomy querida, e não deixem de compartilhar suas opiniões nos comentários aqui embaixo. Até a próxima!
Comentário(s)
0 Comentário(s)