Grey's Anatomy - 13x4 - Falling Slowly

Por Rozany Adriany

19 de outubro de 2016

Grey’s Anatomy para mim sempre foi uma das melhores séries de drama, porém, é preciso dizer que esse início de temporada não está condizendo em nada com o tamanho do seu potencial. Sinto que estou sendo muito repetitiva em minhas reviews, mas, infelizmente não dá para mudar o discurso quando estamos vendo tudo do mesmo a cada episódio. 

Sempre que falo em Grey’s o que me vem à cabeça são aqueles episódios com casos fortes e poderosos como, por exemplo, o caso dos irmãos siameses que foram ao hospital para fazer uma cirurgia de separação com o Dr. Mark Sloan lá na 3° temporada, ou o caso do tumor de 32kg que o Dr. Karev (na época ainda interno) deixou escapar pela sua personalidade difícil na 1° temporada. Penso naqueles internos/residentes que enriqueciam a trama com suas histórias e com a competição entre eles no trabalho, ou alguém consegue esquecer a competitividade de Cristina Yang que fazia de tudo para ser a melhor em sua área? E claro, lembro logo daqueles acidentes insanos que deixavam todos tensos durante o episódio inteiro, como aquela bomba no peito do paciente na 2° temporada ou o acidente de balsa lá na 3° temporada, sem falar nos acidentes envolvendo nossos doutores, como a queda do avião na floresta que matou Lexie e Mark na 8° temporada. 

Porém, o que vejo atualmente são internos/residentes totalmente descartáveis, nenhuma competição entre eles, atendentes que mais parecem adolescentes com caso grave de paixonite aguda (lê-se Maggie), plots cansativos e chatos, personagens perdidos e casos irrelevantes. Quando o Grey-Sloan Memorial Hospital deixou de ser um hospital escola para ser uma creche de bebês chorões? Porque, sinceramente não estou vendo nenhum avanço nos personagens de Stephanie, Warren, DeLucca e Jo como internos/residentes. O treinamento e o aprendizado foram totalmente esquecidos e tudo o que ficou foi a chatice particular de cada um. 

Por outro lado, não consigo parar de me perguntar o que Maggie está fazendo na série. A personagem é chata, não tem a força e o poder que Cristina Yang tinha e com isso o departamento de Cardio sofre as consequências, afinal, há tempos que não vejo um caso de cardio intenso como havia quando Yang estava na série. E, sendo bastante sincera, já não aguento mais ouvir esta mulher falar em homem e na sua carência toda vez que aparece em cena. Pelo amor de Deus, deem um pouco de dignidade à personagem. 
Além disso, sei que já falei sobre Meredith e Riggs nas outras reviews, e não há nada de novo para falar sobre eles, além do quanto foi ridículo aquela conversa dos dois sobre ele só ter concordado com ela porque gosta dela (Come on, Grey. Você é melhor que isso!). Mas, não posso ignorar a protagonista da série, então, só me resta insistir que é totalmente desnecessário mostrar Mer e Riggs a todo momento no mesmo local e falando sobre a mesma coisa: “sair ou não sair, gostar ou não gostar, estar ou não estar juntos”. Já entendemos, Shonda. Siga em frente! 

E por fim, vamos falar do que salvou o episódio desta semana, né? Enquanto Alex está pagando sua penitência na clínica sem poder participar das cirurgias e aguentando um enfermeiro irritante no seu pé, dá de cara com um caso complicado que, à primeira vista parece ser de alcoolismo. Porém, mais uma vez, podemos ver todo o altruísmo de Alex que, descobre se tratar de uma doença rara, mas abre mão de receber os créditos da descoberta pelo bem de sua paciente. Este caso só me faz torcer ainda mais para que Shonda conclua esse plot da agressão e foque no que há de melhor em Alex. 

Em paralelo, vimos também April e Jackson lidando com os pormenores de sua atual relação, que passou a girar em torno da pequena princesinha que acabou de nascer e que está tirando todo o sono dos papais. Assim como vimos Owen e Amélia dando um grande passo em seu casamento ao se abrirem um com outro sobre alguns de seus traumas (continuo não gostando de Amélia, mas preciso dar o crédito para esta cena). Afinal, casamento é ter segurança para se abrir com seu parceiro sem medo de ser julgada. E, uma das coisas que mais gostei nesse momento foi que Amélia pôde perceber que ela não é a única que tem traumas e sofrimentos em sua vida. E que, uma vez que já estão casados, os dois tem toda uma vida para fortalecer o laço que estão construindo juntos. 

Ps1. Owen é muito amor. E Kevin é um ator excepcional, o personagem passa tanto sentimento com suas caras e bocas que é impossível não se envolver na situação. 
Ps2. Alex e sua galerinha reunidos me lembrou as reuniões do MAGIC entre um intervalo e outro para colocar a fofoquinha em dia, rs. 
Ps3. Coisa mais linda rever a Clinica Memorial Denny Duquette! E haja saudades!
Ps4. Shonda, amiga, coloca Jo, Maggie, DeLucca e Stephanie num jatinho e explode ele no ar. Nunca te pedi nada! 

É isso amigos, até a próxima. Deixem seus comentários aqui embaixo!
Comentário(s)
0 Comentário(s)