Doutor Salazar: Dissecando Hannibal Lecter

Por Mirian Meneghel

25 de outubro de 2016


Criado pelo escritor Thomas Harris, o assassino em série Hannibal Lecter é o personagem principal de diversas obras -livros, filmes e a série de televisão- e um dos personagens mais icônicos do gênero terror/suspense de todos os tempos.


Thomas Harris escreveu os livros: Dragão Vermelho (1981), O Silêncio dos Inocentes (1988), Hannibal (1999), Hannibal: A Origem do Mal (2006), ambos entornam suas histórias a Hannibal, ou Doutor Lecter – todas as obras foram adaptadas para o cinema (inclusive com Harris sendo roteirista) e também para a série de televisão. Hannibal Lecter, o personagem central das tramas, mescla características que o tornam praticamente irresistível para o espectador. Reconhecido médico psiquiatra, elegante, inteligente, charmoso e bom cozinheiro, mesmo que utilize ingredientes pouco convencionais, contrastam com a frieza e crueldade que são evidenciadas em seus assassinatos.  

O primeiro filme em que Hannibal Lecter aparece foi intitulado de “Manhunter (Caçador de Assassinos: O Dragão Vermelho)” lançado em 1986. Neste filme, porém, o médico canibal aparece apenas como personagem secundário, surgindo em apenas duas cenas. Apenas em 2001, o personagem ganha destaque, com um filme considerado por muitos, inclusive por mim, um dos melhores do gênero “The Silence of Lambs (O Silêncio dos Inocentes)”. O filme conta a história de Clarice Starling, uma jovem agente do FBI, que é escalada para entrevistar o médico canibal (já detido), afim de capturar um assassino em série, que está a solta. As vítimas desse assassino são mulheres e existe apenas uma ligação entre os crimes: casulos de uma mariposa tropical, encontrados no corpo das vítimas.
No filme “Hannibal”, lançado em 2001, Hannibal Lecter é um dos 10 maiores criminosos procurados pelo FBI e vive tranquilamente na Europa, desde que fugiu da prisão, há 10 anos. Porém, Lecter envia uma carta a agente Starling – que está a sua procura-, revelando pistas de seu paradeiro. Neste filme também surge um personagem muito interessante, o milionário Mason Verger, um ex-paciente, vítima e sobrevivente do Doutor Lecter, em busca vingança.

“Red Dragon (O Dragão Vermelho)” conta a história de Hannibal, antes de “O Silêncio dos Inocentes”. O agente do FBI Will Graham procura o Dr. Lecter para traçar o perfil psicológico de um assassino em série denominado “fada dos dentes” ou autodenominado “O Dragão Vermelho”. Will Graham, anteriormente, quase foi morto por Hannibal enquanto tentava capturá-lo. Hannibal passa informações ao assassino sobre a família do agente, ao mesmo tempo que parece colaborar com as investigações.

“Hannibal Rising (Hannibal: A origem do mal)”, lançado em 2007 é o filme que fecha a saga de Hannibal “com chave de ouro”. Apesar de ser o último filme lançado, é o primeiro em ordem cronológica. Neste, é exposta a infância traumática de Hannibal, sua juventude e todos os episódios que o levaram a cometer seus primeiros crimes, fazendo os espectadores entenderem a formação da personalidade do assassino canibal e a causa da sua intensa sede de vingança.

Hannibal Lecter, em todas as obras que aparece, é um personagem muito bem construído e desenvolvido por todos os atores que o interpretaram. Além disso, as histórias que cercam o enredo principal e os personagens coadjuvantes – em especial os agentes do FBI e os assassinos em série que aparecem além do próprio – são uma surpresa a parte. Todas as histórias têm muitas peculiaridades e são munidas com uma grande riqueza de detalhes que prendem a atenção e conversam muito bem com a personalidade consistente criada para cada um dos personagens. Esse conjunto de bons elementos faz com que essas obras e especialmente o personagem principal tenham tomado tamanha proporção e ganhado milhares de fãs por todo mundo.
Mas qual seria a verdadeira inspiração para a criação de personagem tão emblemático? Durante muito tempo este questionamento pairou sobre o autor, e também surgiram diversas teorias, estudos e apontamentos sobre o “verdadeiro Hannibal Lecter”. Até que, em 27 de julho de 2013 (depois de 32 anos!), o autor e criador do personagem, Thomas Harris resolveu publicar sobre quem foi sua verdadeira inspiração e ainda relevou que esteve pessoalmente com o homem, que “viria a se tornar” Hannibal Lecter.

Durante a década de 60, quando tinha apenas 23 anos, Thomas Harris, então jornalista, foi enviado a uma prisão no México para entrevistar Simmons, um doente mental que havia sido condenado a sentença de morte, por assassinar três pessoas. Então, foi apresentado através de um guarda ao Doutor Salazar, médico cirurgião que salvou a vida de Simmons após um ferimento de bala, em uma tentativa de fuga. Harris resolveu entrevistar Doutor Salazar para saber sobre os cuidados realizados em Simmons, porém a conversa tornou-se um tanto quanto sombria, quando Salazar começou a questionar Harris sobre a “aparência desfigurada de Simmons”, “a natureza do tormento” e as “vítimas de Simmons”. Só quando Harris terminou a entrevista que o guarda prisional lhe contou que Doutor Salazar também era assassino.

Mesmo após muita especulação, nada foi confirmado sobre os crimes realmente cometidos por Doutor Salazar. Sabe-se apenas que a partir desta entrevista, Harris teve a inspiração para criar, um colega de profissão para Doutor Salazar, que fosse igualmente elegante e perigoso, como Harris o descreve, Hannibal Lecter, sua mais famosa criação.
Comentário(s)
0 Comentário(s)