Shippers Em Foco: Ralex, Sensual e Eletrizante

Por Vittoria Crispim

15 de outubro de 2016

Concordo com quem vier me falar que este texto está chegando cedo demais, afinal, trata-se de um shipp de primeira temporada. Mas, para uma série que logo na premiere já entrega de bandeja o casal pelo qual iremos sofrer e morrer de amor no futuro, com certeza, merece nosso respeito e reconhecimento. Com vocês: Quantico – ou melhor: Ralex– 

Quem começou a shippar Alex Parrish e Ryan Booth logo naquelas cenas de início; em que uma garota mente sobre quem é e o que faz para o cara do vôo, que propositalmente senta ao seu lado no avião, e acaba fazendo sexo casual no carro dele sem nem revelar seu nome? Para a surpresa de vocês, e a minha também, não foi eu. 

Juro que Quantico foi uma série incomum para mim, comecei adorando, parei de gostar no meio e terminei a temporada apaixonada por ela. A série é confusa, ela é tão confusa que comecei a confundir até a minha confusão. Ou seja, Ralex também é confuso. Tão confuso que talvez me perca no tempo e nos fatos ao comentar sobre eles com vocês. 

Apesar da primeira cena deles, descrita acima para vocês, ter chamado a minha atenção ainda faltavam coisas a mais para que eu me apaixonasse de vez pelo casal. E de vez em quando, em suas linhas temporais, até vinha alguma que me despertava uma reação favorável a eles, porém nada que os colocava perto do topo dos OTP’s, mas com a escrita imprevista de Quantico, foram necessários 13 episódios para eu enfim afirmar: Sou shipper Ralex. E de lá até o final da temporada, foram meses de angustia para saber o esperado fim da série e para entender de uma vez por todas o porquê do meu casal estar no nível que eles estavam. 

Quem assiste Quantico sabe que nem sempre é fácil acompanhar os acontecimentos, a história é contada em flashbacks e, entre o passado e o presente, é muito provável que a gente acabe se perdendo um pouco, vem aqui o fato de a série ser bem dinâmica e não dar tempo da gente respirar, mas ao poucos entendemos como é frágil o relacionamento deles e em que base foi construído. Já que desde o inicio o Ryan entrou para investigar a Parrish como recruta. Não é à toa que há tanta desconfiança entre os dois. 

Todavia, toda a confusão no relacionamento compensa entre a química do casal. Basta apenas lembrá-los de algumas cenas em que a sensualidade da cena e a química deles praticamente saem da tela e invade a casa do telespectador.

Agora que estamos no aguardo para a season 2, espero que os dois estejam firmes e fortes para enfrentar o que a escrita do Joshua Shafran nos espera. E que a CIA não flop de vez com o complicado casal. 
Top 5 de episódios favoritos:

1x13 – A cena em que ela procurar o agente Ryan em meio às lágrimas e não poder se consolar com ele, por ameaça do terrorista, fez com que os abraçassem de vez como um dos meus casais favoritos na era das séries atuais. E foi, exatamente, no ponto alto de sofrimento de Alex Parrish e sua corrida desenfreada em busca do terrorista que meu Moment’s Shipp aconteceu.

1x06 – Aquela cena do chuveiro foi bem legal. Foi muito legal. 
A série brinca, divinamente, com a sensualidade. É bonito de assistir. Contando o fato que o porte físico dos atores cooperam para isso

1x07 – Apesar de ser um episódio que eles discutem bastante é também  um episódio que mostra uma marca singular deles. 
Um episódio que mostra que eles têm um toque especial que transmite muito sentimento entre os dois e que só eles entendem a importância. 
Não sei se repararam, mas um segura o dedo do outro, não mãos dadas, mas um leve toque/carinho nos dedos. Achei fofo.

1x20 – Se alguém um dia me falasse que eu acharia graça em um episódio que o homem bate em uma mulher (e que a mulher é a dele) e adoraria a cena, juro que partiria para agressão física. Tenho que admitir que a cena foi eletrizante, sexy e brutal ao mesmo tempo. As duas cenas, tanto a do passado quanto a do presente. E tenho que adverti-los também que adorei a surra que a Alex deu no Booth no presente. Ele mereceu! 

1x21 – Poderia escolher várias outras cenas e episódios, mas este é finalmente o episódio que o casal fica de boa –só no presente, porque no passado não tão de boa– e tem aquele final lindo onde o Ryan leva flores para ela e a chama para uma viagem. Como é de praxe, não sei se continuarão de boa na estréia da próxima season, mas tenho a ilusão que ainda veremos essa viagem deles.
Comentário(s)
0 Comentário(s)