Review Rizzoli & Isles - 7x11 - Stiffed

Por Priscilla Caroline

28 de agosto de 2016


Já se passaram 11 episódios, e agora realmente começou a contagem regressiva, só faltam 2. Particularmente gostei muito desse episódio, mesmo com todo esse ar de nostalgia, foi um dos melhores da temporada.

Finalmente as pessoas começaram a descobrir sobre o novo emprego da Jane. Confesso que me deu um pouco de vontade de chorar por ver que realmente está acabando, esse sentimento de perda quando uma série acaba é tão ruim.

A reação da Angela representou bem os fãs, é triste, é complicado de se acostumar, mas é por um bem maior. Ou seja, é melhor uma série com um final digno, do que um cancelamento repentino.

Outra coisa ótima desse episódio foi a chegada do outro irmão Rizzoli, Tommy is Back, para falar a verdade nem lembrava que ele tinha um filho, o TJ e como ele é fofo por sinal.

Acredito que saudades foi a palavra mais usada nesse episódio, cada cena pensada e comentada... como serão as coisas em Boston sem a Jane, eu sei que vai acabar e tudo mais, porém dói um pouco no coração imaginar o Korsak sem a Jane nas perseguições, a delegacia só tendo um Rizzoli agora, e ela morar mais de 600 km longe deles. E o pior de tudo, como imaginar Jane sem a Maura??, eu não consigo, mas é como a Maura disse, é muito egoísmo não querer que ela vá.... Sim é um pouco, mas todo somos um pouco egoístas não é mesmo?

Eu falei algumas reviews atrás que estava sentindo cheiro de casamento no ar, e acho que estou certa, quando o Tommy disse que os Rizzoli não são para casar, só pela cara do Frankie, já ficou nítido que iria rolar o pedido, e rolou e foi muito fofo. Sob as luzes das estrelas, esse casal é bem fofinho, não tele lá uma grande história de amor, mas histórias de amor são lindas de todo jeito. 

Maura fazendo atendimentos no hospital é algo que eu definitivamente veria, já quero Maura Isles fazendo bico lá em Seattle, com a Meredith Grey, que caso bonito o da garotinha, existem coisas que a ciência não explica, apesar de lindo, ficou meio solto no episódio, mas com uma importância bem legal.

Vamos falar um pouco do caso da semana, porque ele foi bem bizarro por sinal, adoro casos com seriais killers, achei bem prática o jeito de livrar de um corpo, se você consegue comprar o cara da agência funerária, pronto está resolvido. Não é tão simples assim, mas ok. E toda a dinâmica foi bem-criada. Mas confesso que preferia que tivesse pego o assassino já torturando a menina, daria mais emoção.

Enfim, está quase no final e meu coração ficou bem apertadinho, ver a Jane e a Maura juntas, sozinhas lá naquele banco. Elas tentando entender as coisas fazendo paralelo com ida da Jane para Washington. Tenho certeza que a galera que shippa as duas ficou descontrolada com esse final. Que venham os 2 últimos agora.
Comentário(s)
0 Comentário(s)