Rizzoli & Isles Review - 7×06 There Be Ghosts

Por Priscilla Caroline

17 de julho de 2016


Depois de uma semana sem Rizzoli & Isles, estamos de volta. E com uma ótima surpresa lá no final do episódio.

A participação de Tess Gerritsen, a autora da série, como mais ou menos ela mesma, afinal ela era uma escritora de mistério no episódio também. É tão lindo quando a criadora conhece sua cria!

O episódio começou com um ar todo sombrio, chovendo muito e com as luzes piscando em um hospital, que a princípio achei que era psiquiátrico até perceber que era para tratamento de câncer. Matar pessoas com câncer é tão cruel.

Acredito que pela primeira vez nessa temporada temos um episódio mais focado no caso da semana, do que na vida pessoal deles, acho isso interessante, afinal o caso foi bom e deu uma diferenciada. Não foi ruim. mas provavelmente não entraria no meu top 5. Várias coisas um pouco forçadas, mas enfim valeu a pena pela Tess.

Maura aparentemente está curada, estão o plot do dano cerebral dela acabou, embora tenha tido assuntos pessoais eles ficaram bem em segundo plano. Por exemplo o caso do Frank e o seu pai, este está com dívidas e ela está sendo cobrada por causa do mesmo nome. Adorei o conselho do Korsak, para ele deixar um pouco de ser o “Junior”.

Outro plot que teve um destaque, também foi com Frank e o Kent, realmente não sei a razão do Frank ter fugido tanto do Kent, todos nós temos ou já tivemos aquele amigo estranho que nos convida para programas não tão legais assim, mas fugir sem nem saber o que é? Afinal amigos topam programas de índio pela amizade.

Voltamos ao caso, Samantha parecia muito suspeita desde o começo, mas se tem algo que aprendi com anos de séries criminais é que quando a pessoa parece incrivelmente suspeita, PROVAVELMENTE, não é ela a culpada.

Mas confesso que quando ela estava com a Maura nos arquivos, eu realmente pensei que ela poderia tentar matá-la com aquela droga que havia sumido. Mas enfim ela só queria só roubar registros. Ela não era uma má pessoa, era apenas uma viciada em escrever mistérios.

O caso da semana era um tipo de homenagem ao caça fantasmas, afinal o suspeito era um fantasma, e realmente era, mas não um Gasparzinho, algo sobrenatural, e sim uma pessoa qualquer que teve problemas na vida, perdeu pessoas que amava e quis descontar isso nas outras pessoas. A madrasta de James tinha um câncer que o tratamento não iria adiantar, só que ele não entendeu essa parte e achou que usar de uma história antiga do hospital para se vingar das pessoas seria uma boa ideia.

Prefiro assassinos que tenham mais a ver com o desenvolver do episódio, do que aqueles que só aparecem no final. Prefiro que o assassino esteja envolvido desde o começo, porque assim nossa cabeça viaja bem mais para várias teorias. Mas não foi ruim, fechou o caso com sentindo, então é bem aceitável.

Depois desse episódio criei uma teoria sobre o fim da série. Acredito muito que a Maura se torne uma escritora de sucesso e que a serie seja as várias edições dos Best-Sellers dela. Contando toda as histórias que ela e a Jane viveram em todos esses anos. Já quero chorar.

Observações:
1 - Adorei o Kent com maquiagem estilo K.I.S.S.
2 - Super queria ver os ratinhos do Kent de roupinhas.
3 - Eu também adoraria levar a Angela para um show comigo.
4 -  Adorei ver a Tess nesse episódio.
5 - Amo essas cenas amorzinho entra Jane e Maura.
Comentário(s)
0 Comentário(s)