Bones - 11×21 - The Jewel in the Crown

Por Janaína Guaraná

19 de julho de 2016

Esse texto é daqueles difíceis de escrever, porque sabemos que o próximo episódio vem cheio de momentos que faz a Brennan acordar gritando, ou porque é o penúltimo, aquele que mesmo de forma calma e compassada precede o fim. Isso mesmo, estamos a dias da finale e a uma temporada da Série Finale e fica difícil colocar em palavras esses sentimentos que nos fizeram sentir bem nesses anos todos. Eu sei, ainda tem uma temporada, mas eu sou assim, não consigo evitar sofrer por antecedência. 

Para começar, achei estranho o Dr. Hodgins usando qualidades épicas para a nova fisioterapeuta dele, mesmo que a Ângela sugerisse que era porque ele estava com saudades da velha fisioterapeuta gata de 26 anos. Sabemos que ele não tinha esperanças em voltar a andar e dava duro nos exercícios para manter-se ativo nas condições permitidas e ver uma ponta de esperança com os olhos marejados, fez valer o dia. Claro que a Daisy e suas observações é que nos colocaram nesse caminho e apesar de todas as especulações fantasmagóricas a ciência foi aliada e ficou provado que de novo podíamos ter esperanças. E todo o suspense só deu mais emoção a descoberta final, era óbvio que essas manifestações só aconteciam perto dele e que provavelmente vinham dele, mas estávamos numa fase de aceitação, a vida seria assim daqui para a frente, eram necessárias outras opções por mais anticientíficas que parecessem e achar que era um tremor que só ele estava sentindo mostra o quão descrente ele estava em sua recuperação. Por enquanto a nova enfermeira Ratched estava certa: o trabalho duro será recompensado. 

Comer ovo cru para problemas na visão é coisa nova para mim e ter esses mesmo problemas por causa de algumas cervejas na noite anterior também, posso dizer isso com a certeza de quem já bebeu algumas cervejas e acordou com a visão de uma águia. Porém não sabia que o consumo de álcool deixa a reação da pupila mais lenta, vivendo e aprendendo. 

Só eu vejo que nas discussões desses dois há aquelas risadinhas entre uma alfinetada e outra? Esses dois são exemplos de um casal que nunca caem na rotina e cada acontecimento tem informações demais e umas caras e bocas que me deixam curiosa para entender o que significam. É o tempo passa, mas para o Booth vem passando da forma que passa para um vinho, deixando-o cada dia melhor e as qualidades que ele acredita ter, nós e a Brennan sabemos que ele tem ou porque mais seria aquela risadinha de canto de boca? Estamos cientes que os 40 e poucos is the new 22. 

Que inocência do Booth achar que ia ao oftalmologista e que a Brennan não saberia e pior ainda é a Brennan tentando fingir que acreditou que ele estava mesmo na embaixada francesa e não no oftalmologista, sacamos a ironia, Bones! Botth sua eterna preocupação em parecer um “squint” ou seria uma nova preocupação em estar envelhecendo? Esses elogios da Brennan só poderiam acabar na cama e pena que nem a imagem da cama nós vimos, fica para a nossa imaginação o Booth usando apenas os óculos de nerd. E só eu senti uma pontada de preocupação com o diagnóstico final? 

Eu sou particularmente uma fã da realeza europeia, na verdade sou fã de história, e não poderia deixar de escrever um parágrafo sobre o caso, que na minha simplória visão é mais um romance que caso de perversões. Uma esposa que transgrediu os limites da moral e da sua índole para recuperar os pertences do marido, pertences esses que são relíquias valiosíssimas e ainda evita as investidas amorosas do cúmplice e acaba morta por querer recuperar os pertences e manter-se fiel, diga-me se não é um roteiro dos romances do século XVII? Daqueles dramáticos, onde morrer pelo amor da sua vida parece ser a única opção e ainda mais sabendo que estamos falando de pessoas nobres, da realeza francesa. 

Não posso deixar de mencionar o Dr. Hodgins imitando o inspetor Clouseau da Pantera Cor de Rosa e a Brennan agindo exatamente do modo que esperávamos, não entendendo o tom e garantindo que panteras não são cor de rosa. Me lembrou do episódios mais antigos quando a frase: " I don´t know what thats means" era de uso recorrente.

Sabemos que esse é o último episódio calmo e sereno dessa temporada, meu conselho é assistam e resistam, pois, aquela tempestade quem estamos falando a tempos vem vindo e os presságios não dizem que vai deixar tudo em seu devido lugar ou se começaremos a última temporada com os destroços dos ventos que agora sopram devagar.
Comentário(s)
0 Comentário(s)