Quantico - S01E21 - Right

Por Rozany Adriany

11 de maio de 2016

SPOILERS ABAIXO
Apesar da forma como terminou o episódio 20, este penúltimo episódio não começou com uma tensão tão grande como parecia que iria começar. Ao invés disso, vemos apenas Alex tentando pôr em prática o que aprendeu em seu treinamento a fim de lidar com a situação em que se encontrava, e claro, as retomadas ao passado, nos últimos momentos do treinamento. 

Assim como na review anterior, vou começar com a parte mais “leve” do episódio, e depois partimos para as emoções mais fortes, por assim dizer. Em Quantico, os recrutas são designados a analisar alguns ataques terroristas que o FBI não conseguiu prever antes de acontecer. O que nos leva à Alex querendo trabalhar no atentado em que seu pai esteve, em Omaha, e Shelby no atentado em que seus pais estiveram, no 11 de setembro. Achei interessante o fato de que a primeira tarefa em que os recrutas trabalharam ter sido sobre como prever um possível atentado e a última tarefa ser sobre como analisar os atentados após acontecerem, o que nos dá a ligação entre as linhas temporais da série.

Shelby se mantem firme em seu plano de desmascarar seus pais e leva-los à justiça junto com o pai de Caleb, e com isso ela falsifica um documento a fim de levar sua mãe a uma armadilha, enquanto Caleb, Iris e Alex tentam colocar um pouco de juízo em sua cabeça, afinal, ao entregar seus pais, a loira acabaria se prejudicando também. Por outro lado, Alex percebe a falta de um diário do seu pai e confronta o agente que o supervisionava em Omaha buscando por respostas sobre os acontecimentos.

Enquanto Alex tem uma conclusão sobre o passado do seu pai, Caleb se antecipa e avisa a mãe de Shelby sobre a armadilha, a fim de evitar que ela se prejudique ainda mais em sua incansável vontade de se vingar de seus pais. A todo momento Caleb justifica seus atos por amor, mas será que ele está agindo certo? As mentiras, as cartas que escreveu, agindo pelas suas costas, tenho a impressão de que tudo isso só está afastando-a mais e mais. Será que ele não conseguiria apoiá-la e protegê-la sem necessariamente mentir ou agir em segredo?

Além disso, tivemos uma continuação do plot de Raina e Nimah, que me parecem ser as personagens que mais evoluíram nesta fase, e dessa vez vemos os questionamentos de Raina em relação a seus medos e os motivos pelos quais decidiu entrar em Quantico. Achei o plot bem interessante, pois nos mostra a relação das irmãs, uma vez que Raina acredita ter seguido os passos de Nimah a todo momento e estar fazendo isso por ela e não por si mesma. E também nos trouxe Simon em uma tentativa de persuadi-la a desistir do FBI e ir trabalhar com ele, mas como sabemos, Raina não desiste. 

Não sei se percebi errado, mas me pareceu que esse episódio deu uma ênfase maior em Liam (talvez nos adiantando o desfecho que aconteceria mais à frente), uma vez que tivemos a explicação do que realmente aconteceu em Omaha em sua missão com o pai de Alex, além de seus dois discursos sobre não se deixar perder ao serem obrigados a ultrapassar os limites em suas missões no FBI, tanto para Shelby como para toda a turma no final do episódio. 

Peço que me corrijam se eu estiver errada queridos leitores, mas me pareceu que tentaram colocá-lo como uma pessoa arrependida por seus atos passados (vimos que Liam cometeu erros em suas duas primeiras missões no FBI, em Omaha e em Chicago), e que carrega algum tipo de remorso já que não arcou com as consequências de seus atos em nenhuma das missões. Mas, ao mesmo tempo, percebi uma tentativa de justificativa pautada em “sobrevivência” caso não agisse da forma que agiu em ambos os casos. 

Com este meu pensamento, sigo para o outro momento do episódio, onde temos uma Alex desesperada dirigindo pela cidade com uma possível bomba nuclear no carro e seguindo as instruções de Drew. Pelo menos é isso o que pensamos na maior parte do episódio, até que descobrimos que a voz não é de Drew coisa nenhuma e que, ao invés disso, ele está preso junto com Simon no apartamento de sua noiva que morreu.
Uma vez que Alex ativa seu telefone para que Shelby ouça tudo o que ela está ouvindo, a mesma imediatamente busca pela ajuda de Claire para ir até o FBI e mostrar o que está acontecendo. O que leva Miranda a soltar Caleb, Raina e Ryan, a fim de usufruir de toda ajuda que puder para resolver a situação. Ah, e claro que Ryan não perde a oportunidade de manifestar sua chatice em mais um episódio (vamos melhorar, amigo!) ao pontuar os erros dos colegas para a chefe.

E eis que começam os deslizes, queridos leitores! O que foi Miranda desconfiando de algo após descobrir as imagens liberadas, e indo resolver sozinha, sem avisar nada a ninguém? De primeira sua saída nos dá uma leve desconfiança, já que ela mente descaradamente na cara do Ryan, porém, um pouco mais a diante, tudo se esclarece (chego já lá). 

Outro deslize para mim foi o desespero de Alex a ponto de sequer parar para analisar a tal bomba no carro. Não posso deixar de dar um pouco de crédito para a coitada, afinal passar 21 episódios sendo perseguida e tendo que agir de forma suspeita não é fácil, haja psicológico. E também não posso deixar de comentar a chegada do FBI na casa da noiva de Drew... cadê aqueles aparelhinhos que detectam se tem algum risco de bomba no apartamento? Afinal, acredito que o mínimo a se fazer era se precaver uma vez que há uma clara ameaça de bomba rondando toda a situação. 

Eis que Simon e Drew conseguem se soltar, Simon escapa pela saída de emergência, e até agora estou me perguntando porque Drew não foi também! Tudo bem que ele tentou avisar Alex de que não era ele quem estava passando as instruções, mas se o carro estava tão perto do apartamento como vimos um pouco depois, não era mais fácil fugir com Simon ao invés de ficar e ser morto pela explosão da bomba? Pelo menos é o que eu imagino que aconteceu, já que não foi mostrado o corpo. 

Enquanto isso, Simon tenta persuadir Alex a sair do carro, mostrando que tudo não passa de um teatro, e a pergunta que fica é: por que tudo isso? 

O ponto do alto do episódio se dá em seus últimos minutos, quando descobrimos que a tal bomba foi roubada do FBI, o que reforça a desconfiança em Miranda. Porém, em seguida a vemos descobrindo o local onde a Voz está trabalhando, e nos mostrando quem é a pessoa por trás dela. Não sei dizer se me surpreendeu a revelação, porque sendo sincera, desconfiei dele em vários momentos, mas fiquei chocada em ver como Liam pôde atirar em Miranda sem pestanejar. 

Desde que a série recebeu encomenda para mais episódios, houve uma enorme insatisfação dos telespectadores devido a “enrolação” que se deu em alguns episódios sobre essa questão do terrorista. É inevitável dizer que houveram episódios insatisfatórios, mas também me arrisco em dizer que outros foram bem desenvolvidos. 

Sobre a revelação do traidor, penso que foi algo bem trabalhado no decorrer da série, afinal, quem não desconfiou de Liam em algum momento da temporada para em seguida jogar as suspeitas de lado por alguma mudança nos rumos das coisas? Então, apesar de concordar que poderiam ter resolvido isso de maneira mais rápida, acredito que no final as coisas se encaixaram de maneira satisfatória. Mas, ainda não acabou! Nos resta agora esperar pela season finale para saber como nossos queridos agentes irão descobrir que Liam é o traidor, já que a única pessoa que desconfiou dele não contou para ninguém suas suspeitas antes de ir até a casa de um possível terrorista sozinha (ênfase em minha revolta com isso!) 

E só para finalizar, espero fortemente que toda a explicação para as ações de Liam seja muito boa e bastante convincente, porque para alguém tocar o terror como ele vem fazendo, tem que haver algo muito profundo e macabro por trás. 

E vocês, o que acharam? Espero por seus comentários abaixo! 


Esse texto foi escrito por: Rozany Adriany
INSTAGRAM: @SeriesEmFocoWeb

 Vejam a promo da season finale:
      
Comentário(s)
0 Comentário(s)