Marseille - S01E03 - Crocodile

Por Juliana Pereira

18 de maio de 2016

SPOILERS ABAIXO:
O terceiro episódio é bem emblemático. Nos deparamos com um certo suspense, muito jogo sujo, chantagens e troca de interesses.

Então, leitor, vou começar falando sobre a personagem que mais me chama atenção na série: Rachel Taro. Ela descobriu sua doença degenerativa e agora estamos no impasse se ela vai amolecer ou continuar sendo uma personagem de admiração. A relação dela com o marido é algo interessante, existe uma química entre eles e uma união muito forte. Entre eles tem Marseille. Pode ser estranho uma cidade ser praticamente um personagem também, mas esta é mais uma cereja do bolo que é a série. Gostei da parte em que ela pede o apoio dele para enfrentar a doença e que ele precisa lutar pela prefeitura para que ela não perca a admiração no esposo - que sempre vai em busca do que quer.

Se você tem acompanhado meus textos, vai lembrar que até o momento estava gostando dos papéis femininos de Marseille. Contudo, este terceiro episódio me fez ficar um pé atrás dessa opinião. Barres é o garanhão ambicioso que está fazendo sexo para pegar um atalho. Logo, temos aqui uma historinha bem clichê: as mulheres super sensíveis e ingênuas caem na lábia do bonitão, acreditando em uma tal valorização que não existe, caem na cama, se apaixonam e o golpe está dado. Espero não me decepcionar. 

Ainda sobre Barres, Taro descobriu que ele mentiu sua vida inteira e, se for esperto, saberá usar essas informações na hora certa. Além disso, temos uma nova personagem na série, que acredito ser a mãe verdadeira de Barres. Presa, ela está atormentando Taro com uma reportagem de um ataque a banco, acredito. Desculpe leitor, como os nomes aparecem apenas em Francês, não foi dito especificamente que é um banco, eu que entendi como tal. Resumindo, os dois têm segredinhos para jogar contra o outro. 

O papel da imprensa aqui está sendo explorado aos poucos. Barres está tentando "comprar" o jornal principal da cidade, e está disposto até a transar com o dono do jornal em troca do que quer, sabendo que este é homossexual. Mas e aí, será que isso não seria longe demais? A imprensa é uma grande chave para aqueles que querem sucesso e para quem quer fracasso. Na vida real a mídia não é nem um pouco imparcial, estou curiosa para saber como será tratado esse assunto mais adiante...

Fora isso leitor, eu só queria saber mesmo para que serve aquela máscara em cima da mesa de Barres? Que tal fazermos umas apostas? 

Comentário(s)
0 Comentário(s)