Arrow - 4x23 - Schism (Season Finale)

Por Anônimo

28 de maio de 2016

O pior finale entre todas as temporadas de Arrow e talvez um dos piores episódios da série. 

Intitulado de "Schism", sua tradução significa cisma, cisão, dissidência. Ou seja, a separação de algo, de um grupo, etc em virtude de desavença ou diferenças de opiniões. Era para remeter ao fim do Team Arrow, mas pode representar algo bem mais profundo: a discórdia dos fãs com o andamento da série e a provável debandada dos mesmos, que deverá ocorrer na 5ª temporada. 

O roteiro do episódio definitivamente não funcionou. O arco dramático traçado no fim da temporada não teve uma conclusão de peso, porque a escolha das armas nucleares como grande conflito, pedia resoluções e respostas muito mais complexas do que os roteiristas estavam dispostos a desenvolver. E quando se chega num conflito que vilão têm armas nucleares, o que se pode fazer? O herói fica tão impotente que a solução soa inimaginável. Talvez, eles não deveriam ter explorado a ideia do Genesis, Rubicom, Tevah Noah, etc para que a saída através do "Discurso da Esperança" feito por Oliver, soasse mais crível. 

E mesmo que Felicity e Curtis (onde Noah foi parar?) tenham conseguido desviar o míssil de Star City e impedido Seldon de lançar os outros 15 mil, não fazem com que o arco dramático pareça bom. São alternativas fáceis dramaturgicamente e muitas vezes com imensas responsabilidades para a personagem, sem trazer uma carga dramática junto. Por mais que a senhorita Smoak seja o alívio cômico, hackear e impedir que coisas aconteçam (principalmente em grande escala, como mísseis), precisam afetá-la de alguma forma. Ela, juntamente com o pai, tiveram o grande peso de matarem as milhares de pessoas em Havencroft e quem se abala no fundo é Thea (por ameaçar matar a criança e se parecer com Malcom) e Diggle (por matar o irmão)? Coerência, gente! 

Minhas desculpas a quem gostou, mas estou muito frustrada e por isso, reforço a crítica que o roteiro fracassou. Por que? Ele nunca deve subestimar a inteligência do espectador e é exatamente o que acontece na Finale. Só para listar algumas falhas grotescas, temos: os fantasmas de Dark saindo "na mão" com as pessoas na rua, mesmo armados com fuzis; Oliver apanhar bastante para um cara que já não luta corpo a corpo faz tempo, é ridículo; e ao invés de matar o vilão para salvar a cidade, o faz sem necessidade, já que Damien estava abatido. Quebrar a regra essencial do Arqueiro construída ao longo do tempo (que é não matar), foi tão ruim quanto a mensagem da temporada que saiu pela tangente. 
O farol da esperança pregado desde o início foi em vão. Oliver conquistou a população no discurso, mesmo quando tudo estava perdido… mas, no fim, ele não conseguiu inspirar nem o próprio time. Talvez, quem unia a todos era mesmo nossa querida Laurel Lance. A debandada de Thea, Dig, Donna e Quentin mostra que a 5ª temporada será de renovação, novos caminhos, desafios, parcerias e quem sabe o ressurgimento de um líder… Quem sabe, o cargo de prefeito seja o caminho de Oliver para isso?! 

Obrigada por acompanharem as reviews e oremos para a 5ª ser boa, gente!
Comentário(s)
0 Comentário(s)