Banshee - S04E01 - Something Out of the Bible

Por Alvaro Luiz Matos

5 de abril de 2016

SPOILERS ABAIXO
Olha eu aqui novamente galera, escrevi a review da primeira e segunda temporada, repassei a terceira temporada para outra pessoa, mas por imprevistos acabamos não completando todas as reviews da Season 3. Portanto trouxe de volta para mim a responsabilidade de escrever sobre a minha série favorita na atualidade, e essa última temporada, que deixará esse cargo de "favoritismo" vago em minha grade.

Tenho por mim que é um certo consenso que os produtores e o canal cinemax tomaram a decisão correta em encerrarem a série já na quarta temporada, além de imaginar que dependendo da série de 3 a cinco temporadas com 12 episódios é tudo o que elas precisam para serem feitas com roteiro de qualidade e não cansar. Banshee poderá encerrar sua jornada ao lado de outras séries que se enceraram no auge como Spartacus da Starz, Rome, Hannibal, Strike Back, e outras produções, evitando o constrangimento que, por exemplo, The Good Wife vem passando em sua última temporada e Dexter, How I Met Your Mother e outras tantas passaram ao se encerrarem tarde demais.

O Episódio começou sem preview de forma proposital, a ideia era deixar claro que as coisas mudaram e o tempo passou. Block indo de encontro com uma cabana "abandonada" onde encontra Hood cabeludo e assustado. Devo reconhecer que assustado fiquei eu, implorando por um preview, pois minha memória nem sempre é das melhores e se vai ter salto temporal eu tenho o direito de ser lembrado de pelo menos do que já passamos. Mas de qualquer forma entendi que a ideia do roteiro é aproveitar esse hiato gigante e criar um suspense e um drama maior no espectador que possivelmente, como eu, passou boa parte do episódio procurando se situar e situar onde estamos e como chegamos até ali.

Faz um tanto de sentido começar a temporada dando toda essa repaginada (toda série de Alan Ball tem esse tipo de narrativa e esses saltos entre temporadas), assim como faz mais sentido ainda começar a série com um suspense sobre a morte de algum personagem importante. Infelizmente quem morreu foi Rebbeca, personagem vivida por Lili Simmons (atriz que eu mesmo já coloquei entre as mais sexy da televisão em listas aqui no site); a menina vinha em um crescimento gigantesco nas últimas temporadas, cometendo erros e acertos e se apoderando dos negócios de seu tio. Por falar nisso é mais uma personagem feminina forte e empoderada que as séries gostam de matar para causar impacto na história, não que em Banshee ela seja a única personagem feminina forte, mas também está longe de ser a primeira a morrer com esse perfil na série.

Proctor também recebeu seu "upgrade" na série e agora é nada mais, nada menos que o prefeito de uma nova "Banshee", a cidade parece maior, com mais dinheiro, com direito até a Serial Killer e tudo. Um belo investimento em cenário feito pela equipe, para uma temporada que parece que tem tudo para abalar estruturas.
Em meio as novidades eu estava mesmo atrás das informações que importavam, cade Carrie e como nesses quase dois anos ninguém foi atrás de Job, e se foram o que aconteceu que não conseguiram trazê-lo de volta. Minha ansiedade beirava o ridículo pois não tínhamos nem vinte minutos de episódio e eu já estava criando teses malucas na minha cabeça. Hood chorando (a princípio) não me parecia reflexo da morte de Rebbeca (mas era), me parecia muito mais uma culpa que ele carregou esses anos após Job ser levado (também era) e Carrie, que respondendo aos meus anseios, apareceu na história alimentando sua culpa de outra forma, como uma "justiceira" pela cidade.

Além da introdução e desenvolvimento de alguns plots paralelos o episódio se focou em dois pontos cruciais, a morte da Rebbeca e o sumiço de Job, a medida que minhas dúvidas foram sendo respondidas a premiere foi deixando claro que esses dois pontos definiriam a tônica da temporada. Primeiramente o perambulante Hood visitou quase todos seus amigos e desafetos e dentro dessas visitas foi visível que ele voltou para descobrir quem foi o autor do assassinato, além de nos mostrar que ele sabe de mais alguma coisa, já que ela era talvez a única pessoa que ele teve contato nesse último um ano e meio. Por outro lado, flashs também mostraram que eles tentaram ir atrás de Job e muito provavelmente desistiram pelo caminho ao encontrar indícios de que ele não estaria vivo (o que duvido muito). 

No mais o primeiro episódio conseguiu cumprir o seu papel de nos situar na história, conseguiu criar um suspense que nos interesse e deixou o principal arco aberto no final da última temporada dividindo espaço com o drama do assassinato.  A faxina foi grande, embora (quase) não tenha tirado personagens da história, mas ouve uma organização de plots e arcos que favoreceu bastante na força do suspense que eles tentarão criar.
E vocês? o que acharam do episódio? Conseguiram se situar, compraram o suspense e o drama que a premiere tentou nos vender? Comente.

Obs.:1: Hood na cabana me lembrou O Regresso.

Obs.:2: Doakes (de Dexter) é o psicologo de Carrie? Eu fiquei bem assim: "What? I dont Believe".

Obs.:3: Os plots paralelos estão quase todos envolvidos com os nazistas, além de uma briga entre irmãos que deverá ser bem quente com direito a bigamia e tudo. Por falar nisso, obviamente não faltou sexo no episódio, mesmo que tenha sido bem rápido.

Esse texto foi escrito por: AlvaroLuizMatos
Comentário(s)
0 Comentário(s)