11.22.63 - S01E05 - The Truth

Por Alvaro Luiz Matos

17 de março de 2016

SPOILERS ABAIXO

Estamos entrando na segunda parte da temporada e só agora resolvi escrever as reviews. Isso se deu por três motivos: o primeiro pelo fato da série atender - até então - às expectativas e apresentar uma produção bem feita, um roteiro interessante e boas atuações; o segundo é porque não aguento mais escrever só reviews de The Voice (ninguém merece); e por fim, o terceiro motivo, pois logo estarei escrevendo as reviews quase diárias de Daredevil (me recuso a perder um dia inteiro da minha vida só nisso), assim como as de Banshee e preciso praticar.

Para isso preciso tirar um pouco a ferrugem, então escolhi a única série boa que estou assistindo no momento para pôr às mãos à obra (portanto me desculpem se não estiver tão boa, podem criticar).

Vamos lá então?

O episódio começou com os reflexos da última cena do anterior. Obviamente todo o drama que aconteceu é bastante plausível, de certa forma ele não pode contar (mesmo que torçamos para que ele conte). Eu só consegui imaginar um carro capotando do lado deles no momento que ele começasse a contar a verdade, kkk.

Alheio a isso o roteiro começou a engrenar e nos levar para mais perto de um momento realmente importante dessa história. Foram bons minutos nos dizendo que estávamos perto do fim; muito cedo aliás, o que obviamente me faz acreditar que algo daria errado, e é justamente onde entra uma cena de alguém no arbusto espiando Sadie. Johnny não se contentou com a conversa que teve com Jake e resolveu se tornar um vilão na história.

Juro que foi nesse momento que pensei: "já sei como essa série vai acabar, tudo dará errado na missão, então ele voltará ao futuro, entrar novamente no portal e esperar os anos para que pudesse a conhecer novamente e fazer o relacionamento dar certo". Pronto, acabo de transformar uma história de conspiração em uma história de amor, mas não fiz isso sozinho, o roteiro tem feito isso há um certo tempo.


Enfim, me atendo os fatos, Johnny é um retardado e fez um estrago enorme no rosto de Sadie (o que só fortalece minha tese). Mas como essas cenas onde um homem subjuga uma mulher e a maltrata me incomodam muito, fiz questão de pular um pouco as cenas sem perder o contexto nem o desfecho dele (não sou obrigado, sinceramente).

Enquanto Jake estraga o plano de um lado, seu companheiro resolveu fumar um cigarro com a esposa do suspeito. Se isso já dá errado em 2016 imagina em 63?

Vale ressaltar também como é engraçado o modo como a série tenta contextualizar todo seu roteiro usando muletas bastante instigantes como, por exemplo, Karl Marx, Não vou entrar em debates ideológicos, já estamos em polvorosa falando de política nesse país que não compensa entrar nesse mérito sobre filósofos.

Mas não foi só isso que o garoto fez de errado, ele também perdeu o autor do tiro ao ver o rosto de sua irmã em outra pessoa. Gosto de pensar que isso é uma obra do passado que, como sabemos, não quer ser alterado, e isso me leva a outra teoria louca, mas talvez evitar a morte de Kennedy não seja uma coisa boa e é por isso que esses eventos acontecem a fim de evitar que o destino não venha a ser modificado.

Não, eu não conheço os livros (realmente sei que preciso ler mais), mas como uma obra não necessariamente está ligada a outra, posso criar cenários que me venham a mente com o propósito de entender os acontecimentos.


Por fim, voltemos ao caso Sadie, que passou bons momentos no hospital, realizando uma cirurgia e ganhando uma grande cicatriz (por um momento todos pensamos que ela havia morrido). O ponto alto foi que finalmente ele contou a verdade para ela em uma cena que abusou de teor emocional e com muita certeza fez muita gente suspirar (me incluo nessa).

Vou aproveitar, antes de terminar a review, para elogiar ambos os atores que conseguiram criar uma química bastante interessante. Assumo que por vezes acho James Franco um pouco sem expressão, ou muito pouco minimalista em sua atuação, o rosto dele muda pouco quando ele está triste, preocupado ou assustado, é uma expressão um pouco genérica; porém o casal acaba funcionando bem.

Certo, por enquanto é isso, semana que vem nos vemos de novo, afinal a maior certeza que tenho ao fim dessa review é que é muito melhor escrever sobre séries do que sobre o The Voice. Forte abraço e nos vemos na próxima semana.

Esse texto foi escrito por: AlvaroLuizMatos
Comentário(s)
0 Comentário(s)