Opinião: Vamos falar um pouco sobre Two and a Half Men

Por Bruno Ganem

29 de janeiro de 2016


                                                                SPOILERS ABAIXO:

Após assistir num intervalo de sete dias a série Two and a Half Men (CBS) com Charlie Sheen e Ashton Kutcher, fiquei bastante tentado a assistir o show desde o início. Isso aconteceu por inúmeros motivos, vou citar alguns: a série tem toda uma coleção invejável de polêmicas, principalmente quando entram na história Angus T. Jones (Jake), Chuck Lorre (diretor) e Charlie Sheen. Também, a mudança física dos personagens e a mudança temporal da história é outro ponto importante, e o fato dela ter sido por anos a série de comédia mais famosa do mundo, chegando ao ponto dos atores do seriado serem os mais bem pagos de Hollywood foi um fator fundamental.

Vale a pena começar elogiando a forma como levamos na esportiva diversos absurdos graças à habilidade do Chuck Lorre em apresentar casos que envolviam orgias, vexames, traições e bizarrices de forma natural, o que convenhamos, é uma grande façanha.

Também, a química entre os atores e a autenticidade dos personagens, que viviam histórias excêntricas e bizarras era algo muito curioso. E até mesmo quando as  tramas passaram a se repetir, a série continuou agradável e engraçada.


Eis agora a grande pergunta: por que estou fazendo esse texto agora?

Two and a Half Men mesmo com o seu show de futilidade e exageros é uma série fantástica que não pode ser esquecida, da mesma forma como The Office, Parks and Recreation, The OC e Greek foram.

Dentre as várias particularidades da série, talvez a mais importante seja o fato dela ter sido duas em uma. Se com o Charlie Sheen Two and a Half Men era mais sem vergonha, ácida e politicamente incorreta, com o Ashton Kutcher a série se tornou mais besteirol e escrachada, adquirindo até um tom mais familiar e engajado, principalmente em relação aos gays e adoção de crianças, perdendo um pouco da essência, mas mantendo de certa forma a qualidade, mesmo com a queda contínua de audiência após a saída do Charlie.


Por ter sido duas séries em uma, TAHM conseguiu ter dois series finale, e por incrível que pareça erraram nos dois, pois a despedida do Charlie foi abrupta e inesperada e a do Walden (Ashton Kutcher) e Alan (Jon Cryer) de péssimo gosto, mesmo com as boas piadas ironizando a série e a indústria do entretenimento.

Sobre as temporadas da série, vale a pena destacar as primeiras cinco temporadas da era Charlie e as três primeiras da fase Walden. Vale a pena conferir também a breve participação dos personagens da série no filme “Um parto de viagem” e na série “CSI”. As participações de grandes astros de Hollywood, como Sean Penn, Mila Kunis e Miley Cyrus também abrilhantaram a sitcom.

Para quem gosta de uma boa comédia Two and a Half Men é uma parada obrigatória, pois em nenhum momento ela se leva a sério e tem muitos momentos engraçadíssimos. Também é possível perceber como certos personagens se desenvolvem e adquirem também um papel de protagonismo no decorrer da série, o que é sensacional, pois democratiza o espaço e descansa a imagem dos outros que compõem o show.

Obs.: A série é muito longa, doze temporadas com dez sendo completas, portanto, existe um conteúdo muito grande para ver. Ms acredite, quando menos imaginar você já assistiu a série inteira.


Esse texto foi escrito por: brunoganem
Comentário(s)
0 Comentário(s)