Chicago Fire – S04E10 – The Beating Heart

Por Vittoria Crispim

15 de janeiro de 2016

SPOILER ABAIXO

No décimo episódio da temporada, eu esperava mais.

Não que tenha sido um episódio ruim, longe disso. Mas, não foi um episódio que a produção Dick Wolf costuma entregar ao telespectador. Principalmente por tratar-se de um crossover. A minha impressão foi que era apenas uma ajudinha de Fire para alavancar aos outras duas séries da franquia, acho que poderiam ter explorado muito mais episódio. As partes de cruzamento com as duas outras séries foram fracas. Sem contar, obviamente, com estado do Herrmann em Chicago Med, e sim a captura do Freddie em cruzamento com Chicago PD e a vítima de incêndio em Chicago Med. Portanto, resolvi analisar como um episódio comum e não um cruzamento entre franquias. 

É claro que também houve inúmeros pontos positivos e foi fácil para o telespectador se apaixonar por mais um episódio da nossa amada Chicago Fire. E um dos melhores momentos foi protagonizado pelo Cruz. A culpa pelo que aconteceu com o Herrmann e a luta dele em pegar o responsável pelo atentado a vida do bombeiro me lembrou das primeiras temporadas da série, onde Joe já havia passado por situação semelhante com o irmão e teve, praticamente, as mesmas reações que no problema atual. A cena final dele conversando com o Herrmann foi o ponto alto do episódio. Com certeza, podemos falar que foi a cena mais bonita e comovente entre os dois bombeiros em todo os quatro anos de série. O Herrmann absolvendo o Cruz de sua culpa foi, simplesmente, a coisa mais linda do episódio.

E essas sutilezas na escrita de Fire, ao trazer o novo de um plot velho, é que deixa a série tão apaixonante como ela é, misturando duas situações já vividas, presente e passado, com um toque de novo. Fire está cheio delas, prestem atenção a isso. Parabéns à produção!


Outra coisa muito esperada na série, desde o início da temporada, era a volta de Kelly Severide ao posto de tenente do esquadrão 3. Foi muito bom ver o nosso amado tenente de volta ao lugar onde pertence, e em um episódio que não estava fácil para nenhum personagem. 
Destaque da cena também vai para Cruz e Severide. Kelly (que é cabeça quente e todo mundo sabe) estava pegando no pé do pobre e já culpado Cruz pelo atentado a vida do Herrmann, e graças a uma pequena intervenção do Boden, Severide não só colocou a mão na consciência como foi salvar Cruz quando o bombeiro quase colocou tudo a perder, inclusive a própria cabeça. Estávamos com saudade, Sevelindo.

Pra quem está acompanhando as minhas reviews, já havia demostrado uma certa frustração (e talvez até mesmo um pouco de rejeição) com a Chili, e neste episódio, reafirmo tudo o que já falei sobre ela. Ao que parece, os roteiristas estão perdendo um pouco a mão com a personagem e a deixando chata e cansativa. Já havia falado também que essa falta de atenção dela não estava funcionando e em The Beating Heart não só não funcionou, como também me deixou mais indignada com a falta de consideração dela com o que estava acontecendo no batalhão, e com quem estava no batalhão! Devo lembrar a vocês que quando ela chegou ao 51, a primeira pessoa que a recebeu de braços abertos foi o Herrmann e a conversa dela com o cadete Jimmy mostrou como ela se importa bem pouco com o personagem. Desculpem ao adeptos da Chili, mas foi falta de consideração e desrespeito com quem tanto a ajudou. E não me venham falar que ela estava sofrendo por ele, porque ela não estava. Nem o Jimmy caiu nessa.
Agora é esperar pelos próximos episódios o que há reservado para ela, e que pelo produtores, já deve estar chegando.


Pra finalizar, vamos comentar sobre a proposta de casamento do Mouch para Platt, que foi devidamente recusado, e da proposta de casamento da Platt para o Mouch, que foi devidamente aceito. O episódio foi tenso e não havia espaço para partes cômicas nele, mas que cena linda e gostosa de ver o bombeiro pedindo a mão da sargento daquele jeito, tão preocupado com o amigo e pensando que ele gostaria de vê-los felizes. Sério, foi muito fofo e bem colocado. ~devo admitir que cai no riso com o embaraço dele e a recusa da sargento. Mais uma vez, parabéns ao produtores~


PS.1. Ver a Dawson como paramédica, nem que por um momento apenas, me fez muito feliz. Tenho saudades da Dawson assim.
PS.2. Cenas com o Capelão Orlovsky são sempre muito bem-vindas.
PS.3. Não aguento mais reclamar sobre a ausência de Casey na temporada. Mais um episódio que o bombeiro não fez a menor diferença. Assim não tá dando produção! Queremos mais Casey. Queremos mais Dawsey
PS.4. Não esqueçam de conferir as reviews que seguem o episódio esse episódio que foi crossover com Chicago Med e Chicago PD: Chicago Med S01E05 e Chicago PD S03E10.

Esse texto foi escrito por: Vittória Crispim
FACEBOOK: /SeriesEmFocoWeb
TWITTER: @SeriesEmFocoWeb
INSTAGRAM: @SeriesEmFocoWeb
Comentário(s)
0 Comentário(s)