Jessica Jones - S01E10 - AKA 1,000 Cuts

Por Alvaro Luiz Matos

7 de dezembro de 2015

SPOILERS ABAIXO
Quando o roteiro da um passo a frente, ele não costuma voltar atrás.

Tivemos um último episódio altamente eletrizante, terminando com cenas rápidas e momentos épicos e foi dessa mesma forma que começamos mais um, já desde o início com velocidade, informações importantes e acontecimentos bastante surpreendentes (O que dizer de “Leve-me a algum médico que você confie”, e logo estamos na casa da ex de Hogarth).

Aconteceu um pouco de tudo nesse episódio dando para encaixar praticamente todos os personagens do roteiro e fazendo alguns reboliços surpreendentes. O primeiro é claro por conta da advogada mais babaca da cidade que não por “amor” mas por ganância ela fez um pacto com o diabo (lê-se Kilgrave) e acabou sendo esfaqueada, foi quase aquele “bem feito” que tanto gostamos de ver acontecer, nada mais “Fan Service” do que fazer um personagem mau caráter se dar mal (a mesma coisa podemos dizer sobre Wendy que cá entre nós não poderia sair da temporada viva - Seu papel de vilã enlouquecida já estava fazendo hora extra na série).

Outro que perdeu a vida foi o Detetive que mesmo perto da aposentadoria resolveu se envolver com essa merda toda que Jessica arrasta a sua volta, mas aqui a surpresa ficou por conta do efeito da “pílula vermelha” que Will tomou e o deixou todo alucinado. Tirando suas cenas quentes com Trish e o início fofo do casal na série o Sargento também está passando da hora de ter sua morte confirmada (Me cansei bastante desse perfil de personagem e não é de hoje).

Por sinal a tônica do episódio era quanto mais mortes melhor, é aquela limpa de elenco que serve para dar ênfase ao roteiro e justificar motivações (e se não fosse por Jessica teríamos visto um monte de pateta morrendo também). Cá entre nós eu salvaria a Hope e deixaria aquele monte de lixo ambulante morrer, juro que pensei que Malcolm seria importante para o roteiro, e também para o Team Jessica, mas até aqui vimos um monte de “patetice” dele e daquele grupo inútil de “vítimas desimportantes de Kilgrave”. Claro que entendo a necessidade de aproximar e afastar o vilão da Jessica para assim dar continuidade na série e fazer com que ela se estenda até o seu último episódio, porém eu não gosto quando se inicia um gato e rato exagerado e, embora esse episódio tenha sido ágil e bom, eu talvez tivesse evitado essa etapa ou ao menos não teria envolvido esse grupo nessa história, afinal ficou mais para comédia de desastre do que para cena de ação.
 
Posso citar diversos personagens desimportantes, na série, dos quais poderíamos fazer um impacto semelhante ao da morte de Hope sem ter que matá-la. Eu claramente trocaria fácil a “qualidade” e o impacto da morte de Hope pela “quantidade” e um menor impacto da morte de Hogarth, a de todos os patetas do grupo de apoio, o pai do Kilgrave e também o Will, pois não só faríamos uma limpa de pessoas desimportantes, mas também salvaríamos uma boa personagem, com boas motivações e também uma bela atriz com interpretações acima de muito desses citados.

Mas como nem tudo é “Fan Service” teremos que aceitar essa morte e atentar para o grande impacto que ela causa, tirando o freio que a Jessica tinha ao enfrentar o vilão. Agora ela já não tem muito o que perder e pode usar os próximos episódios para fazer chover e fechar com chave de ouro a sua escalada de menina problema para uma heroína.

Obs.:1: Não sei se sou bobo ou inocente, mas na review passada eu escrevi que Hogarth se provou uma pessoal confiável e nem ao menos havia percebido que foi ela que fez merda.

Obs.:2: Pam que se viu livre da sua namorada maluca da pior maneira possível, mas nem de longe deveria estar no meio que se encontrava, ela parece ter muito mais caráter do que Hogarth e Wendy juntas.

Comentário(s)
0 Comentário(s)