Chicago Med - S01E04 - Mistaken

Por Bárbara Herdy

23 de dezembro de 2015

                                                                 SPOILERS ABAIXO:
Que Dick Wolf gosta de um drama não é nenhuma novidade, como também o seu interesse em abordar temas da vida real em seus programas, não para abalar a sociedade, e sim para a partir desse tema abordar outros assuntos e deixar aquela pulguinha atrás da orelha do telespectador. Em Mistaken, o episódio começa agitado mostrando um tiroteio iniciado em um cinema em Chicago, muitos feridos, incluindo uma mãe e o seu filho de colo, os quais foram pisoteados. Entre diversos casos, esse foi o grande destaque do episódio, o pai não teve a possibilidade de conseguir salvar sua esposa e o filho, assistindo a eles sofreram tal violência, o garoto se salvou, mas sua mãe teve morte cerebral,e como doadora, a paciente passará pelo procedimento para ter seus órgãos recolhidos e levados pelas equipes para os pacientes necessitados de operação.
                   
Nesse meio tempo, um herói nasce. É contado que o tiroteio foi incitado por um rapaz que atirou contra o público e um homem, um professor de matemática, seguindo seu instinto de proteção atirou contra o rapaz, a mídia fez ele um herói e ele começou a ganhar notoriedade pública, o que é claro, começou a crescer o ego do homem, enquanto o garoto foi rejeitado e trucidado por todos, incluindo Will, que na sua posição de médico deixou claro que não faria grandes esforços para salvar o ‘assassino’, beeem feio! O que você sendo médico faria? Salvaria o rapaz, mesmo ele sendo um assassino ou tomaria a mesma decisão de Will? 

Bom, essa sua postura tem consequências. Sharon e Maggie desconfiam do que pode ter ocorrido naquele crime, pois até aquele instante, só existe um paciente com tiros: o dito criminoso. A polícia é envolvida e temos uma participação para lá de especial de Erin e Jay (de Chicago PD) e com eles descobrimos alguns importantes detalhes a cerca do caso. Tais descobertas causam uma reviravolta onde o herói se torna criminoso e o criminoso um irresponsável imaturo, então outro dilema é lançado no episódio: O homem deve ser incriminado por ter atirado no rapaz, mesmo ele não tendo atirado em ninguém ou deve ser levado em consideração a situação? Como você agiria se estivesse no lugar dele? E o esposo da doadora de órgãos deve aceitar doar o fígado para o rapaz ou rejeitar? Chicago Med está seguindo o padrão de suas séries irmãs e nos apresenta casos interessantes, onde questionamentos são abordados entre os seus personagens (como aconteceu com Will e o seu tratamento com o rapaz) e com o público. É difícil para mim me ver aceitando bem doar os órgãos para o rapaz, como também deixar o homem seguir livre sem uma punição pelos seus atos. Esse contraste de opiniões está bem marcado entre Will, aquele que pré julga e é impulsivo em suas atitudes e Connor, quem sempre prefere fazer o possível e impossível ao fazer o seu trabalho, independente de quem esteja na mesa de cirurgia.
                        
O caso secundário do episódio caiu sobre Nat e Charles. Uma jovem é internada com problemas alimentares e Nat acredita estar lidando com um caso de bulimia e como a mãe da jovem é uma pessoa difícil de lidar, ela recorre ao psiquiatra que utiliza de métodos poucos éticos para conseguir descobrir o que se passa com a jovem. Enquanto Nat, mais uma vez, leva o caso para o lado pessoal e até se vitimiza diante da postura de Charles, ele reina com sua postura resoluta de analisar o caso como um todo e não como uma possibilidade apenas ou, como algo pessoal.  Já reparei que isso será uma constância na serie. veremos os personagens passando por questões onde será impossível não relacionar com sua vida pessoal. 
                    
Um outro importante caso mexeu com as emoções de April e Will, quando eles tiveram que cuidar de uma senhora profundamente racista. O arco foi tratado com um tom de humor tendo uma reviravolta curiosa, bem dada para calar a senhora – e muitos racistas por aí, dificilmente isso aconteceria na vida real, mas seria muito bom ver a verdade sendo jogada na cara dessas pessoas. 


Sobre o lado o Amor está no ar: Connor surpreendentemente está se envolvendo com a tal Zanneti (a garota chegou ontem e já conquistou o bonitão), mas confesso que para mim foi tão desnecessário quanto colocar sal num chuchu. Honestamente? Acho que tem o dedo do pai dele no meio disso. Na outra ponta temos Will e Nat e os indícios de um romance entre eles estão cada vez mais forte, principalmente agora que April mostrou estar percebendo um tratamento diferente de Will com Nat, quem não perceberia né? Só a pediatra não percebe nada e acha que é só amizade... Por mim, continuava assim, viu, amiga?
                     
No mais, Mistaken foi, até agora, o melhor de Chicago Med. A série entra em Hiatus natalino, retornando em 05 de janeiro para o tão esperado crossover com Chicago PD e Chicago Fire. A Universal Channel, canal à cabo no Brasil, irá começar a exibir a série dublada a partir do dia 11 de janeiro, não percam!

Esse texto foi escrito por: Bárbara Herdy
Comentário(s)
0 Comentário(s)