Into the Badlands - S01E01/02 - The Fort/Fist Like a Bullet

Por Alvaro Luiz Matos

23 de novembro de 2015

SPOILERS ABAIXO
É tão interessante quando séries e filmes futuristas são ambientadas como se fossem de época, fica um clima genuíno quase nos dizendo “Olha, foi só isso aqui que sobrou”. Eu particularmente gosto bastante.

Into The Badlands me lembra de tanta coisa que fica difícil de especificar, é um monte de clichês que juntos funcionam e fazem da série uma boa pedida pra quem gosta de ação e mais do que isso, aqueles que gostam de ver o que a civilização se torna. Um pouco de faroeste, um pouco medieval oriental, um pouco de “o que será que aconteceu”, mais um pouco de misticismo, juro que até Revolution e de Insurgente vi nessa série (guardada as proporções, e é claro que eu não estou dizendo que é igual). Bastante interessante de verdade.

As lutas da série são bastante interessantes, no segundo episódio logo no começo vimos uma luta regada a facadas e litros de sangue voando; no primeiro vimos piruetas monumentais no melhor estilo “espadachim”. Não vou dizer que é o mais perto do realismo, mas é bastante legal ver esse tipo de luta, é revigorante poder voltar a ver uma série assim, da uma esperança.

Por isso logo de começo eu defino, Into The Badlands é o que faltava na televisão americana, tanto que a audiência correspondeu logo na estreia.

Sobre o roteiro tem coisas que precisam ser ditas, já que essa review abrange os dois primeiros episódios. Primeiro devo falar do nosso garoto que não pode derramar um sanguinho que fica possuído e luta como se não houvesse amanha; M.K. será obviamente uma das chaves do roteiro central, sendo ligado ao fio de esperança que pode vir a existir em uma “terra melhor”. Depois falamos das primeiras conspirações que aparecem; Minerva faz muito bem o estilo de “La Femea fatale”, é linda, perigosa e vem preparando uma conspiração bem de nível.

No mais temos o filho e a esposa do mais importante Baron dessa história, que me parecem bastante suspeitos e claro, Sunny com seus objetivos secretos. Falado tudo isso, podemos nos aprofundar um pouco mais.
Primeiro, porque diabos todo mundo se solidariza com o M.K? Sunny o deixou escapar; Tilda, a filha da Widow, já esta toda derretida pelo garoto ao ponto de tentar esconder quem ele é. O que acontece com esse garoto que todo mundo tem dó dele? O pior é que o próprio ainda não percebeu que é melhor servir alguém e aprender a lutar do que ficar fugindo por ai sendo a caça da vez.

Em paralelo a isso Baron está todo assustado com a sua doença e para que ninguém fique sabendo fez questão de matar seu médico. No primeiro episódio já havia ficado claro que ele era o mais poderoso e que se a notícia de sua saúde espalhasse haveria vários outros Barons querendo tomar o seu reinado.

Talvez tenha sido as atitudes tomadas por ele que fizeram com que Sunny finalmente tenha se decidido por fugir e encontrar uma forma de defender sua amada e seu futuro filho. Essa decisão me parece significativa e com certeza ela desencadeará uma guerra ainda pior. A impressão que tenho é que a notícia que um dos principais guerreiros abandonou o rei, todos os demais irão interpretar isso como mais uma fraqueza de alguém que já está mesmo por morrer (e isso sem dúvida vai acelerar essa guerra entre Barons).

E assim como começei minha review entusiasmado, eu farei o mesmo para terminar. É possível que Sunny tenha matado umas 50 pessoas lutando sozinho, e por mais que digam que isso é improvável, ninguém sabe o quanto eu sentia falta de uma luta assim, de assistir isso, e no fim ver M.K. salvando o dia mantando uma única pessoa. Depois desse momento incrível que para alguns não vai passar de devaneio, ainda tivemos a declaração de guerra no fim do que pra mim foram dois ótimos episódios de introdução.

Estou louco para ver o que vem adiante, como Sunny vai usar M.K. para salvar seu filho e sua mulher e como essa guerra vai acontecer. Estou louco pra continuar assistindo Into The Badlands.

Esse texto foi escrito por: AlvaroLuizMatos
Comentário(s)
0 Comentário(s)