The Bastard Executioner - S01E06 - Thorns / Drain

Por Roberta Brum

19 de outubro de 2015


SPOILERS ABAIXO

Thorn manteve a linha consistente dos dois últimos episódios, densificando e apresentando novas dinâmicas e também se livrando de "pesos-mortos": não foi exatamente cansativo, mas algumas sequências foram extensas demais. O episódio se perde nestas cenas extensas demais, com diálogos desnecessários e descartáveis, como a cena do Corbett na sua orgia particular (sim, já sabemos que ele é pentassexual) ou ainda todo a enrolação com a possível fuga do Brattle com a família.

O forte do episódio foram as relações e novas dinâmicas: me surpreendeu (positivamente) Lady Love ser irmã do Lobo, líder da rebelião. Era algo que não esperava e um bom "plot twist" (não chega a ser um grande twist), mas esta nova dinâmica muda a lógica, mostrando mais uma vez o caráter dual de todos, que suas ações perpassam tanto o vilania quanto a "boa-mocice". O jogo duplo da Lady Love com a coroa inglesa é uma das partes mais intrigantes da série: de forma simplista, ela é uma refém que procura sua liberdade, liberdade esta materializada na posse do condado, que ela tenta através da rebelião e também pela gravidez (esta forma ainda se mantém presa, mas mantém a posse).

Novamente surge Corbett e dessa vez ele zera tudo: sem mais máscaras ou mentiras, revelando o segredo para Marshall, ele afirma o que quer: que eles ajam fora das leis do condado para fazer o que for preciso (fins justificam os meios de Maquiavel) para atingir objetivos. Como bem disse Brattle no seu inferno particular do qual simplesmente não há possibilidade de escapar: ele só tem pecado e cometendo pecados dos outros. Ao menos agora ele se livra das amarras de alguns segredos perante alguns e pode agir com mais "liberdade". Este caráter nada maniqueísta dos personagens é marca do Sutter: Brattle se vende ao diabo para salvar seus amigos e sua família postiça; já Corbett, ao mesmo tempo, chantageia e manipula para potencializar o condado (claro que não é nada altruísta, mas mesmo assim, ele desenvolverá o condado para ascender socialmente). Mas ao mesmo tempo, nesta teia de segredos, ainda não tem conhecimento dos dois principais da Lady Love: a não-gravidez e a rebelião.

Quanto ao Brattle, ainda nesta teia, ele se conecta ao movimento rebelde do Lobo e é justamente por isso, pagando a dívida do terceiro episódio, ele dá ao Corbett a arma perfeita para que este o prenda de vez aos seus planos: ele assassina um guarda da cavalaria do condado quando está realizando a entrega das armas aos rebeldes. Para esta faceta e crime seu não ser revelada, já que não há como negar o fato, ele busca a fuga.


A pseudo-esposa de Brattle enquanto no episódio passado se mostra como um problema potencial, realmente causa o problema #01, que de certa forma, apoiei e era óbvio: Brattle não poderia fugir do locus de ação que é Ventrishire. Mas ainda assim, essa vigília constante que ela fará do Brattle é dispensável. Ela atentar contra a vida da baronesa seria uma linha mais interessante. Fora que caso foque nestes pequenos detalhes e não desenvolver a grande trama, será simplesmente uma chatice.

Lady Love se solidifica como uma das principais personagens da série, com grandes tensões ao seu redor: o anúncio de uma gravidez que não existe para não perder o condado, a colocando na mira da monarquia e agora, financiando a rebelião contra esta mesma monarquia, tudo isto com um caráter altruísta: PAZ EM GALES. Ambas linhas narrativas são muito fortes, bem embasadas e em constante diálogo com os outros personagens sendo as melhores na minha opinião. Lady Love foi um peão em um jogo e 
agora tenta comandar o jogo em duas frentes: como responsável pelo condado e como rebelde.

Outro arco que teve - finalmente - um fechamento narrativo foi a vingança de Brattle contra quem assassinou sua esposa e filho: "e assim temos vingança" resume ele depois de Marshall torturar um cavaleiro da guarda para saber o nome dos assassinos e depois que consegue, o mata. 

Mas como dito anteriormente, ele se vendeu e agora é verdadeiramente capanga de Corbett e o conflito interno permanecerá, pois ele continuará atuando contra seus princípios; ele se prendeu ao Corbett e também já desenvolveu uma ligação emocional com a Lady Love, apesar da sua negativa, ele já tem um instinto protetor e um carinho envolvido, ou seja, sair de Ventrishire não se configura mais uma opção.

Lady Love deu uma abertura ao relacionamento com Brattle, ao novamente, na linha "reveladora" e "expositora" do episódio, conversar sobre a visão do bebê que ela teve no primeiro contato que eles tiveram, mas Brattle nega veementemente e a princípio fecha uma porta que é óbvio que se abrirá novamente.


E por fim, a religião emerge novamente e agora por uma perspectiva clara: Cruzadas e Inquisição, através da Annora, o qual espero que tenha um bom desenrolar.



Assista a promo do próximo episódio

Comentário(s)
0 Comentário(s)