Opinião: Um Fenômeno chamado Breaking Bad

Por Bruno Ganem

24 de julho de 2015


Era um dia de domingo, não tinha nenhum compromisso marcado e também não tinha nenhuma série pendente, naquele exato momento duas séries faziam um enorme burburinho, The Walking Dead e Breaking Bad, ambas da AMC. TWD eu estava acompanhando normalmente, mas BrBa não, percebi que deveria dar uma chance a série.

A primeira temporada de acordo com os amantes de Breaking Bad é considerada fraca, inclusive não é tão difícil achar um comentário que venha a contestar a qualidade desse momento introdutório da série. O mais curioso é que eu achei tudo sensacional, a trama, os diálogos e a fotografia me chamaram bastante atenção, achei tudo tão bom que terminei a primeira temporada no mesmo dia.

Logo no dia seguinte decidi não continuar a série pelo seguinte motivo: A imagem. Devido a limitação dos sites onlines, restringindo a exibição em HD, e também por causa da minha inabilidade de baixar o episódio ou a temporada em alta resolução, percebi que seria um erro assistir a série dessa forma, justamente por perceber que a fotografia seria uma arma bastante utilizada por Vince Gilligan, criador da série. Portanto, recomendo a você que só assista em high definition, pois assim aprenderá a apreciar a cidade de Albuquerque e seus cenários, além de captar os inúmeros easter eggs, uma das marcas registradas de Breaking Bad.

Ainda sobre Albuquerque, a cidade fica localizada no Novo México-EUA, e serviu de locação para quase todas as cenas da série. Para você ter uma ideia, o turismo da cidade aumentou absurdamente após o término do seriado, e ao terminar de assistir ao último episódio você vai querer na hora visitar a residência da família White, o "Los Pollos Hermanos" ou a casa de Jesse Pinkman. Indo mais além, Albuquerque não tem praia, nem cachoeiras, muito menos um ponto turístico imponente, mas o simples fato da série ter sido gravado lá provocou uma vontade enorme das pessoas de irem para lá, provando que locais "simples" são capazes de conter diversos significados e podem proporcionar viagens inesquecíveis.

Voltando a falar da série, decidi assistir a segunda temporada após assinar a Netflix, e super indico a você que faça isso, pois a ferramenta valoriza qualquer obra cinematográfica, com Breaking bad não foi diferente.

A segunda temporada é fundamental para a série, nela vemos a transformação de Walter White em Heisenberg ficar mais clara, presenciamos também a intensificação da relação com Jesse. Outro fato importantíssimo é a inserção de três personagens absurdamente geniais: Gus Fring, Saul Goodman e Mike Ehrmantraut. Desta maneira, ao assistir aos episódios fica perceptível que Vince Gilligan e seus redatores estão focando fundamentalmente no desenvolvimento dos personagens, e tudo é tão sutil e bem executado que você passa a entender o motivo da obra ser tão elogiada e premiada.
De acordo com o passar dos episódios você percebe que Breaking bad consegue impactar com os acontecimentos, não me recordo de nenhuma série fazer isso com tanto vigor, a forma como o mundo das drogas é retratado comove bastante, incrível como esse universo existente ao nosso redor é problemático, sujo e autodestrutivo.

Com o fim da temporada, a expectativa em relação a série aumenta bastante, pois nesse período de exibição a série BrBa criou mais histórias do que resolveu.

Foi no começo do terceiro ano da série que ocorreu a minha única decepção, os cinco primeiros episódios foram focados na relação da família White, digo isso pois esperava um início arrasador, mas a partir do sexto episódio a série passa a desenvolver todas as tramas de forma simultânea, além de entrelaçar praticamente todas as histórias, os flashbacks e flashfowards são usados de forma magistral. E é exatamente nesse momento que o sentimento pelos personagens aflora e são modificados constantemente, ou seja, você vai amar aquela pessoa e odiar em menos de dois episódios.
Com o decorrer da temporada e o início da quarta você entende o porque de algumas cenas terem acontecido, além disso você compreende o motivo de tal objeto ter aparecido em alguma parte das temporadas anteriores.

Outro ponto para Breaking Bad: A forma como o traficante é abordado e diferenciado dos seus subordinados e "consumidores", sensacional. Mesmo sendo uma série norte-americana, é difícil não compará-los com os traficantes brasileiros abordados na tv. BrBa vai além, aborda todas as camadas, da produção da metanfetamina até a distribuição nas ruas. Já no Brasil tudo é limitado, nunca vão além daquele cara durão que toca o terror na comunidade.

Ainda sobre o assunto, o gosto por bebidas, comidas, carros e roupas chamam a atenção, o fato dos senhores do crime serem esclarecidos e bem relacionados me remeteu muito ao nosso país. O filme Tropa de Elite 2 serve até como ilustração. O inimigo na verdade é outro, e ele usa terno e gravata.

Com a chegada da quarta e quinta temporada só te digo uma coisa, você vai surtar. E aqui vai uma dica: comece o primeiro episódio no início da tarde, bem provável que a temporada seja finalizada no mesmo dia, cada episódio é um soco na cara ou um princípio de infarto, palavras não descrevem o que foram as duas temporadas finais.

PS: tremedeiras após os episódios são normais.

Como a série construiu muitos arcos, desde a quarta temporada o foco é concluir algumas histórias e deixar para a quinta o principal, e quando isso acontece a tristeza é imensa. Se dar conta que a série está acabando é muito agoniante.

Durante o texto eu falei sobre alguns aspectos da série, mas esqueci de um fundamental: A trilha sonora, um espetáculo a parte. Tudo em Breaking Bad foi milimetricamente pensado, o respeito demonstrado pelas pessoas que fizeram o fenômeno acontecer em relação ao público é uma coisa fantástica, você em nenhum momento é subestimado. Até o fato de terem finalizado a série na quinta temporada é uma atitude louvável.

Finalizando o texto, recomendo a você que assista a série, na minha opinião Breaking Bad é disparada a melhor série que já existiu, terminei a série mês passado e desde então nenhuma série está me convencendo mais, com isso eu digo, BrBa estabelece um patamar, dificilmente uma série "mais ou menos" vai ter vez com você depois dela, ou seja, seu nível de exigência vai subir.

Ao Bryan Cranston (Walter/Heisenberg), Anna Gunn (Skyler), Aaron Paul (Jesse), Dean Norris (Hank), Betsy Brant (Marie), RJ Mitte (Walter Jr), Bob Odenkirk (Saul Goodman), Giancarlo Esposito (Gus), Jonathan Banks (Mike) e Vince Gilligan. Só me resta dizer, MUITO OBRIGADO.

OBS¹ - Breaking Bad tem um spin-off, Better Caul Saul.
OBS² - Pesquise sobre o fato de The Walking Dead e Breaking Bad pertencerem ao mesmo universo, muito legal.
OBS³ - A principal mensagem que eu absorvi foi: O crime nunca compensa.
OBS BÔNUS: Assista a série e leia sobre o episódio logo em seguida, desde curiosidades até as reviews, penso que ajuda na experiência.

Ah, existe um remake latino da série, Metastasis.

Até a próxima!
Comentário(s)
0 Comentário(s)