Banshee - S03E04/05 - Real Life Is The Nightmare - Tribal

Por Eliane Silva

15 de fevereiro de 2015


SPOILERS ABAIXO:
Banshee sempre foi uma ótima série e fez avanços notáveis da primeira para a segunda temporada e agora está fazendo tudo novamente nessa temporada. Desde o episódio da semana passada , que foi um dos melhores episódios dessa temporada, Real Life Is The Nightmare continuou seguindo o mesmo caminho, apresentando um episódio intenso e carregado de ação e emoção. Se alguma vez houve alguma duvida de que Banshee é uma das melhores séries da televisão, seus dois últimos episódio serviu para acabar completamente com sua duvida.

Em minha opinião os dois últimos episódios apresentou um bocado de coisas que Banshee tem programado para nós nessa temporada. Enquanto A Fixer of Sorts foi um pouco mais emocionante e fisicamente impactante. Real Life is the Nightmare foi marcado pelo lado emocional, com Siobhan tendo que lidar com a verdade sobre Hood.

Gordon em fim conseguiu sair daquele momento desagradável de bebedeiras e lamentações voltando a ser, ou pelo menos tentado voltar a ser o personagem do inicio da temporada, quando era a principal pedra no pé de Kay Proctor e as inúmeras tentativas de coloca-lo atras das grades. Pelo menos nesse episódio ele deu uma melhorada e acredito que agora ele volte a ter mais função na trama deixando de vez de ser um avulso na história. Gostei da conversa que ele teve com Carrie sobre como eles deveriam lidar com os problemas e com a criação dos filhos, principalmente Deva filha de Hood.

Hood realmente ia deixar Banshee e seguir em frente depois que Siobhan pediu e, ele até tentou mas antes precisava terminar um trabalho que era colocar Kai Proctor na prisão. A briga entre eles foi intensa e foi impecavelmente realizada. 

Foi um episódio intenso carregado de ação e muita emoção. A cena final com Chayton armado, aparecendo na porta da delegacia e atirando em tudo foi tenso.
Se nos episódios anteriores tivemos os momentos mais intensos desse inicio de temporada, em Tribal o episódio foi chocante. Sabíamos que com o ataque de Chayton na delegacia, colocando todos como reféns as coisas não terminariam bem.

Foi simplesmente intenso todo momento e por mais que pensássemos que algo bom aconteceria e que Hood conseguiria de alguma forma acabar com aquele impasse foi justamente o contrario. O momento dentro da delegacia fez com que varias coisas fossem esclarecidas e foi  um momento de reflexão e até mesmo de verdades e descoberta.

O novo policial Burke foi incorporado a equipe por estar naquele momento de ataque e por Hood não ter muita opção e foi crucial para ajudar Hood e os demais policiais ao ataque de Chayton. Até Alison empunhou uma arma e partiu para guerra. A história que ele contou para Alison sobre como ele se tornou neo nazis foi um tipo de exposição que funciona bem em condições  como as que aconteceu nesse episódio, quando o publico precisa de um segundo para respirar.

A morte da mãe de Proctor foi triste e enquanto ela morria a oração do Pai Nosso rezado no dialeto deles, foi emocionante. Espero que Rebecca atenda o conselho da avó e se afaste de Proctor para encontrar seu próprio caminho.
Hood e Siobhan, enquanto eles conversavam eu tinha certeza que ambos deveriam permanecer juntos e que ela conseguia fazer ele ser melhor do que tudo aquilo. A conversa dos dois e a forma como eles se olhavam, primeiro trocando farpas entre decidir o melhor a fazer naquela situação, as brigas e depois a conversa sincera e verdadeira quando ambos decidem aceitar o sentimento que compartilham e quando Hood confessa para ela seu verdadeiro nome, acontece o que ninguém imaginava poder acontecer com Siobhan.  Jurava que no final Chayton pouparia a vida dela, mas a frieza como ele olhava para Hood enquanto quebrava o pescoço dela foi terrível. 

Cena triste demais, quando Hood correu ao encontro dela e a tomou nos braços chorando e gritando, não vi ódio nos olhos dele por Chayton, mas vi dor, tristeza e desilusão. Ele realmente se importava com ela e ele aprendeu outra forma de amar ao lado dela.  A morte de Siobhan foi sem duvida o momento mais intenso e mais marcante dessa temporada.
Hood foi o tempo todo questionado sobre ser um policial de verdade, sobre saber o que fazer numa situação como aquela e principalmente sobre saber as decisões certas a serem tomadas. Até mesmo Broack o colocou na parede dizendo que não conseguia mais fazer as coisas do jeito dele e questionou sua capacidade de liderar uma delegacia , de ser xerife. 

Realmente aquele noite foi um pesadelo para Hood , mas apesar de algumas decisões desesperadas, até mesmo deixar Proctor com uma arma  sabendo que ele o procuraria para resolver a briga anterior, mostrou que apesar de não ser um policial de verdade ele com certeza é um grande líder.  Gostei da parte do episódio quando Hood e Proctor uniram forças. Eles são grandes rivais, sem dúvida, mas eles fazem um duo incrível.

Esse episódio não só viveu até a campanha publicitária e entregou uma conclusão emocional real, e sentimos um ponto culminante na história que Banshee tem construido nessa temporada, e um somatório de todos os grandes shows pode fazer.  Você pode chama-lo de " final de temporada no meio da temporada" ou o "episódio essencial Banhsee"e, você estaria certo. Foi finalmente uma declaração de missão para essa série que certamente estará no topo se movendo novamente para um futuro próximo. Pense nisso enquanto você recolhe as emoções desses episódios de Banshee.

Veja promo do próximo episódio:
Comentário(s)
0 Comentário(s)