FRINGE – S05E12/13: LIBERTY/AN ENEMY OF FATE (SERIES FINALE)

Por Alvaro Luiz Matos

7 de agosto de 2014


SPOILERS ABAIXO:
O último e mais caro episódio de Fringe nos fez sentir, durante duas horas inteiras, o gostinho da despedida tanto entre os personagens por não saberem se tudo daria certo quanto por nós que não desgrudamos nossos olhos em NENHUM momento da tela do computador, de uma maneira quase palpável. VAMOS RELEMBRAR?

Todos sabem que havia muitas coisas em jogo e que, por mais que a série seja considerada uma das melhores (se não A melhor) entre as do gênero de ficção científica, a mesma não conseguiu manter um público condizente com os gastos que a série demandava, afinal já vinha apontando uma queda considerável de audiência nos EUA. Enfim, obrigada a correr contra o tempo, teve que se adaptar e foi encerrada na quinta temporada com apenas treze episódios.

E eu me revoltei sim com o fim. Perguntei-me: Por que a maldição do último episódio contaminou minha série preferida? Durante meu momento de indignação vi vários comentários no Twitter sobre este desfecho. Muitos gostaram, outros tiveram a mesma reação que eu, teve até quem dissesse de que se trata de Fringe, logo não deve ser tudo explicadinho. Mas a questão não é “explicar detalhes”, mas sim de nos dar respostas ás muitas perguntas que ficaram sem. Mas já era de se esperar que fosse assim.
Claro que continuo amando a série, não vou deixar de amar por não ter sido como EU esperava que fosse, não vou crucificar a série que me proporcionou tantos momentos bons, mistura de sentimentos, confusão mental (rsrs) e para a qual eu cedi horas e mais horas da minha vida procurando entendê-la. E consegui, muitas vezes!

Entretanto aconteceu o que deveria ter acontecido. As vidas de Peter, Olívia e Etta seguiram seu curso normal como deveria ter ocorrido desde o início. Revivemos alguns eventos Fringe, tivemos a alegria de ver dois beijos de Polivia (muitos sentiram falta, rs), Gene apareceu amberizada e linda como sempre, momentos fofos entre Walter e Astrid, o menino Michael mandando um “xiiiu” pra Liv (mas que diabos ele quis dizer com isso na segunda vez?), Liv atravessando para o outro universo e nos mostrando uma outra Olívia ruiva, com rugas e usando roupas estranhas, mas ainda assim linda como sempre e casada com o inesquecível agente Lee!

Walter foi o grande salvador do universo, atravessou com Michael para o ano de 2167, pagou a conta que estava devendo com toda a raça humana e deu ao filho o presente de uma vida em família. Existe prova maior de amor? Vai fazer MUITA falta a genialidade desse cara. Olívia, a heroína forte e insegura (sim, a contradição em pessoa), Peter sempre dando o suporte necessário e a melhor saída para muitos problemas e, claro, não menos importante, Astrid, ajudante e amiga de todas as horas, aquela que ficou ao lado de Walter em todos os momentos. Sem contar as mensagens e lições que a série nos passou.

Partindo para os últimos glyph code (chorando).
De Liberty formou a palavra L-O-V-E-D (amou) que eu acredito que seja sobre a relação de pai e filho entre Donald e Michael. Donald. Não tenho certeza, se vocês souberem de algo, por favor, comentem!

De An Enemy of Fate vimos a palavra C-L-O-S-E (fechado) que se refere ao fechamento do ciclo, finalmente o universo está a salvo, após tanto lutarem.


Pra finalizar uma cena emocionante do finalzinho deste último episódio. Uma mensagem de agradecimento de toda a equipe que criou e fez tornar realidade este projeto que se solidificou e chegou ao fim dia 18/01/2013.

Notaram o “Thank you for your support!”?(Obrigado por seu apoio!) Coisa mais fofa não há!

Eu soube que serão lançados livros sobre esta série!! Acredito que lá as coisas serão detalhadas hehe. Foi uma boa saída, eu curti a ideia e não vejo a hora de tê-los em mãos!

Comentário(s)
3 Comentário(s)