OPINIÃO - SIGNED, SEALED, DELIVERED

Por Helena Souza

27 de junho de 2014


SPOILERS ABAIXO:

Nome comprido, cartaz bobinho e atores que não fazem parte do meu círculo de séries/filmes. É, não estava dando muita bola para essa série..

Mas o que me fez dar uma atenção para ela foi a sinopse:

"Criada por Martha Willamson, a dramédia acompanha os trabalhos de uma equipe de detetives dos correios, cuja missão é entregar aos seus respectivos destinatários cartas e encomendas que foram extraviadas. Com isso, eles acabam se envolvendo com as histórias de diversas pessoas, ajudando a reunir amores antigos, solucionam crimes e a mudam o futuro de estranhos. A equipe é liderada por Oliver, um sujeito que ainda acredita que as cartas são a base da comunicação entre pessoas que estão distantes. Seu grupo é formado por Rita, uma jovem de espírito livre; Norman, um rapaz intuitivo; e Shane, uma jovem fã das novas tecnologias. Ela foi transferida para o departamento por engano porém, é ela quem incentiva o grupo a ir além, não se limitando a apenas entregar cartas e encomendas, mas também a ajudá-los com seus problemas."

Coloquei na minha grade pensando que essa série seria apenas mais uma entre tantas que assisto. Ledo engano meu. SSD (até porque o nome é muito comprido) me conquistou já no seu piloto, que foi estilo filme com seus 90 minutos e sua história de amor perdido + um grupo de pessoas diferentes que amam seu trabalho (Shane era um recém-chegada, então ainda não amava tanto) não me fez desgrudar os olhos no notebook. O que deu o selo "Conquista bem-sucedida" foi realmente o final do episódio. Lindo, sem mais.



Impossível não gostar dos personagens também. Shane é uma expert em informática (claro que seria, visto que tecnologia é o que separa esse grupo do século XXI) e parou no setor de Cartas Extraviadas por um erro do próprio Correios, porém, escolheu permanecer nele. Ela é sensível e inteligente, dá ao grupo o toque de humanismo que faltava. Oliver é quem comanda o setor, ele é um homem reservado, direto e muito, mas muito educado, em um nível Elijah (ou mais até), tem um passado que o perturba, mas Shane tenta ajudar. Oliver costumava a apenas identificar as cartas e enviar para os destinatários sem saber nada mais sobre a história que cada uma delas carregava, mas como já disse anteriormente, Shane chegou na série para mudar isso. Rita é a fofura em pessoa, ela é sensível e delicada, tem memória fotográfica (outra coisa que vem bem a calhar para a série), é escritora e tem uma paixão secreta (mas que Shane descobriu) por Norman, chegando até mesmo a sem querer fazer um livro com personagens baseados neles. Norman é o tipo de cara estranho a primeira vista, mas muito querido quando você passa a conhecer, ele tem uma fixação por selos de cartas e livros e mais livros sobre lugares, pessoas, etc, que era a partir deles que esse setor procurava pelas pessoas antes da chegada de Shane com seu computador, internet e habilidade de entrar em vários sistemas.


Todos os episódios até agora foram emocionantes, digo até que essa série tem feito com que eu voltasse a ver as cartas como quando eu enxergava quando era criança: um meio incrível e pessoal com que você interage com outras pessoas. Existe email, whats app, chat de redes sociais, twitter, etc etc etc, mas nenhum deles, apesar de serem instantâneos, consegue demonstrar o quanto a outra pessoa quer passar para você certa informação, te contar algo importante. Fala sério, quem hoje em dia prefere escrever a mão algo quando se tem oportunidade de apenas digitar? Quem faz isso é porquê se importa muito. Com todas essas ideias, espero que SSD não me faça virar algum Oliver (im just kidding).

Recomendo SSD devido a sua pegada leve que quase nem dá para perceber o tempo passar quando está assistindo algum episódio, ela é cativante, divertida (não no estilo série de comédia) e tem apenas 10 episódios até o momento. Para quem ficou com vontade de assistir ou apenas com a curiosidade provocada, aqui está a promo do episódio piloto:

Comentário(s)
0 Comentário(s)