POLÊMICA DA VEZ – A QUALIDADE QUESTIONÁVEL DE SUPERSTAR

Por Alvaro Luiz Matos

27 de abril de 2014


Nossa nova coluna "Polêmica Da Vez" tem dado o que falar. Sempre encima dos assuntos mais quentes do momento, iremos reunir diversas opiniões para abrir com vocês um grande debate. Venha com agente.

FABIANO OLIVEIRA

O reality musical, idealizado em Israel, é exibido nas noites de domingo pela Globo, estreou dia 06/04/14 e não me agradou; levando em consideração as redes sociais, nem o grande público.

O programa conta com o cenário bem produzido e bandas bem selecionadas, no entanto, por ser interativo, a aprovação para a próxima fase fica a mercê do público, graças a isso vemos até os menos talentosos passarem, simplesmente por preferências pessoais ou culturais. Mas quem é o verdadeiro culpado?

A emissora carioca pecou ao não deixar as regras do programa claras. Os jurados ainda estão perdidos e não realizam críticas verdadeiramente construtivas, salve raros momentos de Dinho e Ivete. O poder de voto dos jurados, supostamente experts no assunto, vale menos do que o do público, quando na verdade deveria ser ao contrário.

Na tentativa de criar uma rivalidade entre Dinho, Ivete e Fábio, para deixar o programa mais interessante, Fernanda Lima até os instiga, mas o que vemos é um coleguismo chato e insosso, já que eles não conseguem formular suas preferências.

O programa ganha o público pela qualidade das bandas, que em grande parte é composta de profissionais que realmente sabem o que estão fazendo, e até mesmo por se tratar de um reality musical, fórmula essa famosa pelo mundo. Mas até quando?

Certeza só tenho de que a emissora por muitas vezes perdeu o pódio no ibope para o SBT, graças ao programa do simpático Silvio Santos.
LORENA ALVARENGA

Eu sou bastante fã de reality musical e me interessei bastante quando vi que a globo iria lançar o Superstar, achei a ideia bastante interessante e nova já que nunca acompanhei um com bandas, mas a ideia foi muito mal executada.

O programa é bem bagunçado e nem a Fernanda Lima que é a apresentadora “principal” consegue lidar com tanta loucura, a impressão que eu tenho é que tanto os jurados quanto os apresentadores estão perdidos. É bem verdade que desde a estreia algumas coisas mudaram como, o modo de escolher quem será o padrinho de cada banda e isso diminuiu um pouco a confusão, mas algumas coisas ainda precisam de ajuste.

Eu até gosto da Fernanda Lima com apresentadora, ela não é brilhante, mas gosto dela. O André Marques não parece ter utilidade no programa e quanto a Fernanda Paes Leme eu gosto dos momentos em que ela aparece, são sempre divertidos. Dos jurados e até do programa inteiro a Ivete é o destaque, não que eu concorde com tudo o que ela fala ou em quem vota, mas os comentários dela são sempre engraçados e no meio dos outros jurados ela sempre sobressai.

A qualidade das bandas é meio assustadora, algumas bandas que não deveriam passar passaram e algumas que deveriam não conseguiram, mas vamos esperar que as coisas melhorem.

ALVARO LUIZ MATOS

A Rede Globo de televisão mostra sinais de cansaço faz algum tempo, vários novos programas, novos formatos, alguns projetos sendo arriscados e alguma certa incompetência aparecendo.
Quem dizia que o Boninho era o cara dos “Realitys” na Globo já percebeu um The Voice abaixo do apresentado fora do país (muito mais pela falta de organização do que pelos talentos) e agora vem mostrar que não da certo um programa ao vivo sobre o seu gerenciamento.

Os primeiros programas foram bem sofridos por diversos motivos, mas um em geral me incomoda. A Globo tem muita gente na geladeira e anda tentando agradar a todos. Me diz qual a necessidade do André Marques e ainda da Fernanda Paes Lemes nos bastidores? Apenas um seria suficiente (De preferência a Fernanda Paes Lemes).

André marques que por sinal já irritou nossa linda apresentadora várias vezes com comentários imprudentes e desnecessários. Fernanda lima que por sinal é uma das únicas coisas boas que vimos no programa, já que a garota se desdobra ao máximo para fazer o programa acontecer da forma correta.

Por fim, a ideia é ótima, o formato pode fazer com que o Brasil encontre enfim uma nova banda que caia no gosto do público, mas o programa em si está muito aquém.
POLIANA MENDES

Quando a globo anunciou que faria a versão do reality israelense eu fiquei animada, por conta do formato do mesmo, no qual nós espectadores faríamos a diferença desde o início. A bancada de jurados também me agradou, sou fã declarada de Ivete e sua alegria e piadas seria interessante para a dinâmica do programa. Quando descobri que Fernanda Lima seria a apresentadora o interesse só foi aumentando, pensei que não tinha como dar errado, mas ai vi que era Boninho o responsável pelo reality e já comecei a ficar com o pé atrás.

A estreia veio e com ela inúmeros problemas, pelo programa ser ao vivo, é necessário muito ensaio anteriormente para que tudo vá bem e não foi bem isso que aconteceu. Os jurados não sabiam o que estavam fazendo, Fernanda Lima não sabia como conduzir tudo aquilo, o aplicativo não funcionou, foi um verdadeiro desastre, absolutamente NADA funcionou. O segundo e o terceiro episódio foram melhorando, quer dizer, foram ficando menos ruins, a interação entre os jurados já estava mais interessante e Fernanda Lima estava fazendo das tripas o coração para conseguir entregar algo no mínimo "assistível".

A impressão final que ficou foi que o programa precisava de mais tempo de planejamento para ir ao ar, a versão americana estreará nesse ano e aí é que as críticas virão duramente, já que sem nenhuma versão para comparação já estamos achando bem ruim, imagina quando vier uma boa. E a minha aposta é que SuperStar não passará de uma temporada por conta de todos os problemas até aqui observados.

Gostou da nossa nova coluna "Polêmica da Vez"?
Deixe a sua dica sobre qual deve ser a próxima polêmica.
Comentário(s)
0 Comentário(s)