THE AMERICANS - S02E05 - THE DEAL

Por Rodrigo Santana

29 de março de 2014

SPOILERS ABAIXO:
Manter as aparências e não perder a originalidade são os dois fatores que resumem este episódio. Os eventos acontecidos na semana anterior, em sua maioria, culminaram na necessidade de alguns personagens de reforçarem sua originalidade, mas sem perder a aparência que eles devem manter ao longo da história.

Na mal-sucedida missão da semana passada vimos que os Jennings perderam o carro junto com Baklanov.  Pelo menos conseguiram capturar um agente como refém, o que deu uma baita tensão logo no início. Depois descobrimos que o agente é da Mossad (a agência de inteligência israelense), o que deu início á uma série de provocações e uma conversa franca entre sr. KGB, o jeito que o israelense chamou Philip, e o judeu. Muito interessante essa adição de situações do Oriente Médio (lembrando dos afegãos na season premiere) em The Americans, contrastando com a primeira temporada onde no máximo vimos a influência soviética na Polônia (com aquele episódio da agente que era namorada de Philip, antes de Elizabeth).

Como o judeu não tinha nada a perder (além da própria vida, é lógico) começou a provocar o russo. Algumas frases infames como "minha mulher e meus filhos vivem num kibutz, se você gosta de comunismo venha para Israel, funciona bem melhor lá" foi difícil não segurar a risada, mas infelizmente pra mim, uma personagem bem engraçada (pela aparência somente) talvez não apareça mais em The Americans, depois de tanta reclamação dos Jennings, Claudia foi substituída por Kate, uma agenciadora jovem, bonita e inexperiente, mas que não tem graça alguma comparando com Claudia. Torço para que Margo Martindale volte em algum momento.
As provocações chegaram num nível que realmente incomodou Philip, apesar dele ter mantido a aparência na frente do judeu. Quando o agente disse ter liberdade para cantar uma música americana com sotaque judaico e poder passar o Pessach com a família (explicitando com a frase "Eu escondo o que faço, mas não escondo quem eu sou"), foi um incômodo pois todos os espiões da KGB devem ter nomes falsos e são treinados a esconder quem eles são de verdade. Além disso, ao ver o gelo recém-formado na janela junto com o fato do agente dizer que pode voltar a Israel pra um feriado, Philip sentiu saudades de casa (confirmando com a conversa sobre o frio e como ele gostava do frio), o que resultou na linda última cena onde o russo chega em casa e pergunta a mulher se em Smolensk (cidade natal de Elizabeth) também tinha gelo recém-formado parecido com o da janela, resultando numa nostalgia por parte dele, até tocar o despertador onde Paige já acorda e começa o dia procurando pelos pais. A sensação de que toda a vida dele nos EUA parece uma grande prisão transpareceu, afastando-o daquilo que realmente ele quer, que é voltar para a União Soviética.

A história de manter as aparências também afetou Elizabeth que teve que se passar por Jennifer, a irmã de Clark para resolver a situação dele com Martha. O disfarce da russa ao se passar por Jennifer é um dos mais engraçados na minha opinião (tanto que na cena do casamento de Clark e Martha na 1a temporada, fiquei uns 10 minutos rindo após a cena ter passado). Apesar do momento cômico, ao embebedar Martha a espiã acabou ouvindo a secretária comentar sobre o desempenho sexual de Clark com ela, o que deu uma certa pena da sra. Jennings (imaginem se acostumar a ser "traída" e ainda ter que ouvir os comentários sobre a vida sexual do seu marido com a amante), apesar que ao contrário do episódio anterior, Elizabeth segurou a onda e em nenhum momento deixou aparente algum desequilíbrio emocional. Outro momento dela, foi o encontro com Brad, onde finalmente ele conseguiu copiar e entregar o dossiê Larrick, também bateu uma pena do marinheiro que apesar de todo drama envolvido, não conseguiu mais do que um beijo da espiã.

Porém um personagem decidiu ser dono da situação e realmente mostrou suas garras. Oleg Burov, o novo funcionário da Rezidentura roubou a cena. Além de incomodar Arkady (que é normal, já que os dois não se bicam desde o primeiro episódio da temporada), finalmente ele pressionou Nina dizendo que sabia sobre Stan Beeman e que ele está envolvido na execução de Vlad Kosygin (seu antecessor na KGB). O novato ainda foi esperto o suficiente, para despistar o FBI e falar diretamente com Stan, para extorquir a americano em troca da segurança de Nina (parece que a casa caiu pra russa). Contrastando ironicamente com a frase do próprio agente americano que acreditava que pelo fato de Oleg ser arrogante e criticar o pensamento ortodoxo soviético de Arkady seria mais fácil o FBI levar alguma vantagem sobre o agente da KGB.
Por falar em Rezidentura, Arkady mostrou toda a sua importância ao conseguir negociar uma troca com o governo israelense: Anton Baklanov pelo agente da Mossad junto com 1500 judeus que viviam na União Soviética. O rezident ainda conseguiu fazer com que sua nação ficasse com uma boa imagem ao liberar os judeus, que pela mídia, o fato mostrou ser uma "flexibilização" dos soviéticos, ele também foi outro que manteve a aparência de ser firme ao discutir com Oleg, mas revelou sua originalidade em querer ajudar seus comandados, fazendo o que estiver ao seu alcance para garantir a segurança destes. Se a benevolência de Arkady se sobressaiu, não podemos falar isso de Philip (o monstro segundo o físico) que teve ser frio ao não se comover com os apelos de Baklanov (deu muita pena do coitado) e cumprir sua missão ao condenar o cientista a voltar de navio para a União Soviética. O fato de ser forçado a se separar de sua família deixando toda a vida para trás pode ser o futuro se os Jennings forem pegos pelo pessoal de Stan.

Dentro da casa dos Jennings parece que Paige, com dificuldades é logico, conseguiu de uma vez por todas, dizer que sua fase religiosa não é para provocar seus pais mas é uma vontade dela mesma, ausentando a mãe de qualquer culpa sobre sua nova opção. No FBI, acho que Stan irá sofrer alguma pressão por trazer Gaad de volta para a investigação sobre Baklanov, claramente o novo comandante não gostou de ver Gaad de volta.

Mais um bom episódio de The Americans, diálogos bastante interessante entre os espiões, Nina em perigo com a ascensão de Oleg e Elizabeth tendo que aguentar os elogios e as queixas de Martha sobre Clark. E você, leitor? O que mais te impactou neste episódio?

Assista a promo do próximo episódio
Comentário(s)
0 Comentário(s)