THE AMERICANS - S02E03 - THE WALK IN

Por Rodrigo Santana

16 de março de 2014

SPOILERS ABAIXO:
A segunda temporada continua impecável. A sensibilidade e a sutileza com que a consequência da morte da família de Emmett foi abordada, juntamente com o aumento da desconfiança através da investigação de Paige se contrastaram de maneira perfeita durante o episódio.

A dúvida quanto o destino de Jared continua tirando o sono dos Jennings. Foi revelado através de um flashback, a amizade de longa data entre Elizabeth e Leanne (adorei os chapéus que as duas estavam usando, mostrando que o figurino da série vai muito além das perucas), além disso Leanne deixou uma carta reveladora para o filho e pediu para que Elizabeth a entregasse caso algo desse errado. Através de outro flashback vimos o momento em que Elizabeth estava pronta para ter filhos, mais pela pressa do que motivada, já que ela tinha medo de morrer no auge da Guerra Fria antes de ter um filho.


A busca pela verdade seja ela real ou fictícia dominou durante a primeira metade do episódio. A sequência das cenas foi muito bem elaborada, descobrimos que Jared ficará a cuidados de uma família em que ele ajudava como babá, o que aliviou Elizabeth por um breve momento, mas esse alívio foi passageiro já que ela foi recuperar a carta de Leanne e logo após vimos Paige inventar uma desculpa e ir atrás da misteriosa tia Helen, o suposto contato de onde Elizabeth ficou quando estava ferida, que a menina conseguiu descobrir com um telefonema no episódio anterior. Enquanto o casal buscava a verdade real representada pela carta, Paige buscava a verdade fictícia pois a "tia Helen" era um contato dos Jennings que enganou a menina e avisou Philip que ela tinha ido lá.
As semelhanças e os contrastes foi outro ponto magistral deste episódio. Um exemplo disto foi a investigação sobre a tal propulsor onde Elizabeth ainda estava preocupada por estar longe dos filhos, ameaçou e coagiu um operário para que a ajudasse utilizando-se da foto do filho caçula do trabalhador (junto com um pé de cabra). Em outro exemplo foi  Paige que além de enganada, foi repreendida por Philip (sim Philip, o pai legal que os filhos adoravam, também sabe ser duro quando é necessário), porém toda a sua investigação não foi de todo ruim, pois ela fez uma amiga enquanto estava no ônibus para Harrisburg, algo que aposto que vai aumentar ainda mais o conflito entre a menina e os pais. Se a pequena Jennings não teve dificuldade em fazer amigos, o mesmo não se pode dizer de Elizabeth que lamentou não ter amigos, ao contrário de Emmett e Leanne, e que Philip considerou a bizarra possibilidade (porém se pensarmos bem, não seria tão estranho assim) de que se algo acontecesse com eles, os filhos acabariam morando com os Beemans.

Por falar em Beemans, tivemos algumas cenas interessantes com Stan. Primeiramente uma amostra de como o casamento entre Sandra e Stan não tem salvação, ele praticamente ignorou o que a esposa disse ao desejar que ela se divertisse (estão completamente fora de sintonia) e em outra situação ele descobre o que Bruce Dameran foi fazer para os soviéticos e acabou salvando a vida de diplomatas estrangeiros, o que o deixou mais dependente de Nina (além de apaixonado) que deu a informação que alguém havia adentrado a Rezidentura. Oleg continua a rodear Nina, convidando-a para um jogo de hóquei e tentando ver o relatório dela, não sei o que ele pretende, mas não acho que será nada de bom.
Toda sequência final com a música de Peter Gabriel funcionou bem. Bastante forte a cena de Elizabeth confortando Jared ainda muito abalado e a decisão dela em queimar a carta ao invés de entregá-la, o que achei mais apropriado pois a vida do menino estaria muito mais comprometida se ele conhecesse sua verdadeira origem, junto com a dos pais. A dualidade apareceu mais uma vez, onde a espiã consegue consolar Jared mas ao mesmo tempo se afasta de Paige que busca apoio na amiga. O episódio conseguiu equilibrar ação, mistério, drama familiar e uma boa dose de emoção, fazendo com que este até o momento seja o melhor episódio da temporada. E você leitor? Concorda este tenha sido o melhor episódio até agora?

Detalhe: Dennis Murak, o jogador que Oleg citou realmente jogou no Washington Capitals, o time de hóquei da capital americana.

Assista a promo do próximo episódio
Comentário(s)
0 Comentário(s)