BANSHEE – S02E05: THE TRUTH ABOUT UNICORNS

Por Alvaro Luiz Matos

10 de fevereiro de 2014


SPOILERS ABAIXO:
Mais de vinte minutos de nostalgia? Não é muita enrolação não?

Os primeiros vinte minutos do episódio foram de pouquíssimos diálogos, pouquíssimas cenas interessantes, algumas suspeitas, outras lembranças e muita estrada. Sinceramente o excesso de devaneio nesse episódio foi algo prejudicial para a dinâmica da série (ainda que seja legal conhecer a casa que ele comprou).

Podem perceber que todo esse tempo foi utilizado apenas para estabelecer que eles estavam sendo seguidos, fazê-los baixar a guarda quando percebem que não, e finalmente mostrar algum pouco de ação.
E por alguns instantes Banshee voltou a ser o que sempre deveria ser. Novas informações e descobertas vindas do agente da FBI (do qual eu não estava esperando morrer) e um momento dinâmico e perigoso com uma atiradora “de elite”. Vale mencionar que as cenas ficaram muito bem montadas, a camuflagem estava muito interessante e aquela visão superior de todos os três na plantação foi interessantíssima. Resumindo, a fotografia do episódio ficou ótima.

De conteúdo o que ficou foi essa conversa entre Hood, Carrie e o já falecido agente. Dessa forma algo novo deve se desenrolar pela frente, pois se não o caso fica meio descartável e eu particularmente odeio quando uma série gira em círculos por motivo algum. Talvez algum outro agente tome o lugar dele ou sabe se lá o que. E por fim a certeza que Rabbit não irá desistir.
Pra mim esse episódio foi muito abaixo do esperado e da sequência que Banshee vinha tendo. Poderíamos resumir o roteiro rapidamente dizendo que Carrie saiu da cadeia, o agente da FBI morreu e eles descobriram que Rabbit não vai desistir (o que estava na cara). Foram cinquenta minutos de desperdício.

Por hoje é só, pois não temos nada pra falar já que nada aconteceu.

Obs.: Sempre digo aos colaboradores do site que uma review tem que ter um tamanho mínimo, e como eu sofri pra chegar nele.


Assista a promo do próximo episódio:
Comentário(s)
0 Comentário(s)