REIGN - S01E08: FATED

Por Nicole Chaves

18 de dezembro de 2013





SPOILERS ABAIXO:
As profecias de Nostradamus.



Finalmente, tivemos um episódio a altura do seu piloto, retornando as tramas principais e nos presenteando com as melhores coisas da série: intrigas, jogo político e as profecias de Nostradamus.

 Sem querer ser puxa saco do meu sexo, mas o grande triunfo de Reign são suas personagens femininas. Já reparou como tudo que acontece de interessante nos episódios inicia por alguma mulher? Talvez o único homem que consiga causar esse impacto seja Nostradamus, que ainda é tão misterioso quanto suas profecias.


Mary saiu do tradicional e teve sua primeira vez com Francis, não se importando mais com a falta de data para seu casamento. O que a rainha da Escócia não esperava é a notícia que Elizabeth, a rainha da Inglaterra, está doente, fazendo com que Henry fique ambicioso e queira que Mary reivindique o trono inglês.


Francis fica radiante com a notícia, já que o pai decide marcar a data de casamento dos dois o quanto antes, transformando a promessa de aliança entre os países em certeza. Mas a decisão do rei da França provoca reações diferentes em Mary e Catherine. A primeira quer o casamento, mas não a guerra causada por sua reivindicação pela Inglaterra.



Enquanto a rainha entra em desespero e decide acabar com a vida de Mary, envenenando-a. Nostradamus a convence a não seguir esse caminho, mas revelar para a noiva o futuro de Francis. Apesar de resistente, Catherine decide seguir o conselho do profeta e deixa Mary em dúvida sobre acreditar ou não na previsão de morte de Francis.


Em paralelo, temos Kenna voltando a ser a amante mala sem alça que quer acabar com Diane. Como Henry disse que não ficaria sem a mãe de Bash, a ex lady de Mary entrega de mão beijada a informação de Diane tentando transformar o filho bastardo em legitimo para Catherine.


Ou seja, Kenna provou que além de chata é burra. A mais fácil opção seria chantagear Diane ou até contar para o rei, mas nunca para alguém como a rainha, que sempre utiliza qualquer informação a seu favor. E é exatamente isso que ela faz, se livrando das duas amantes do marido de uma vez só: manda Diane embora, mas ordenar que mate Kenna antes de ir.


Devo admitir que minha admiração por Catherine cresceu muito nesses últimos  episódios, que mostrou ser tão inteligente e maquiavélica como Diane, nos demonstrando a razão das duas continuarem nos seus cargos de prestigio na corte francesa. A amante oficial não tem outra escolha a não ser deixar a corte, imaginando conseguir o perdão de Henry depois e longe dali.


E alguém dúvida depois daquela cena de sexo entre eles? Os anos se passaram, mas Diane continua satisfazendo o rei do jeito que ele gosta. Então, logo a teremos de volta para tirar Kenna do sério. Esperando que a ausência de Diane seja curta, visto que so episódios em que ela aparece foram ótimos. E quando isso acontecer, vou rir muito da ex lady de Mary, tenham certeza.


Com a descoberta dos planos da mãe, Bash precisa deixar o castelo também para evitar ser acusado de cúmplice ou pior. E com isso o destino une mais uma vez ele e Mary, que decide abandonar o castelo e Francis, tentando evitar que a profecia se concretize.


Adorei como o roteiro revelou o verdadeiro sentido da profecia que Nostradamus tinha feito para Mary. A principio ela pensou, assim como eu, que se referia aos navios de guerra indo para a Escócia. Entretanto, a profecia era sobre Thomas sendo morto por Bash na floresta negra. Como dizem a nação seriadora, os roteiristas sambaram na nossa cara com essa revelação. Eu, pelo menos, fiquei surpresa!



E o melhor de toda a tentativa de Mary sobre a profecia de Nostradamus foi o retorno de Clarissa. No episódio passado ela ajudou a rainha da Escócia, mas não tivemos uma interação entre as duas. Nesse episódio, descobrimos que Nostradamus não só sabe da existência da “fantasma”, mas como tem um tipo de relacionamento com ela.


Minha teoria para a cena entre os dois é que Nostradamus pode ser algum parente de Clarissa, que provavelmente foi queimada pela falta de cabelos na cabeça. Cada vez mais acho a personagem como se fosse uma pessoa com problemas mentais e seu passado tem algum tipo de tragédia que a faz agir dessa maneira.


Afinal, ela matou Aylee apenas para que Mary acreditasse na profecia de Nostradamus. Qual seria o interesse dela em fazer a rainha da Escócia acreditar? Seria para proteger Mary ou Francis? E quão vítima Clarissa pode ser se ela matou algo por algo tão pouco?


A morte da lady de Mary já era esperada, desde a profecia de Nostradamus, mas teve um significado maior pela questão do envenenamento. Kenna percebeu que ela era o alvo e deverá ir atrás do responsável. Só espero que essa busca dela faça a personagem ficar mais suportável, pois o papel de amante ciumenta cansou.


Por fim, temos a cena emblemática de Mary fugindo do castelo com Bash. Francis poderá pensar que foi traído pelo irmão, criando mais problemas para o bastardo favorito de Henry. Só que a maior preocupação que tive ao ver a cena é: O que será de Mary? E da Escócia? Assim, a série encerra o ano com chave de ouro, nos deixando ansiosos pelas respostas no próximo episódio!


#ThatsMyOpinion


Assista a promo do próximo episódio:



Comentário(s)
4 Comentário(s)